Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS - IV

 

 
 
 
 
AO GOVERNO
Contribuição para uma política de Educação
 
 
Amigo Jonh!
 
Tens toda a razão. Mas como poderia eu comentar um evento que teve lugar já depois de te ter enviado o postal? Na verdade, neste intervalo, a Srª Ministra admitiu que havia coisas que não estavam bem no método do processo de avaliação, que tinham de ser mudadas e que houve erros. Não considero esta postura um recuo, mas uma postura de Estado. Ao recusarem, “in limine”, esta porta que se lhes abriu, os Sindicatos estão a proceder do mesmo modo com que a Srª Ministra iniciou este processo. Vêm anunciar que têm outro modelo. Tudo bem desde que esse modelo coincida, no mínimo, com o projecto inicial, extirpado dos erros mais evidentes. Estarão a aproveitar-se da aparente fragilidade em que a ministra se colocou? Pensam eles? Mas se adoptam esta posição, deixam de ter toda e qualquer razão, porque nos vêm demonstrar que a intenção era outra. Armar um “casus belli”. Em política, todo aquele que se recusa a negociar, afasta-se dos princípios da Democracia. A arrogância parece um vírus que contagia os dois lados. Situação perversa esta!!!... Esperemos que pensem que a Educação não é propriedade, nem dos professores, nem do Governo. É destinada a melhorar as competências dos alunos que serão as vítimas de todas estas questiúnculas sem pés nem cabeça. Para que tudo isto resulte torna-se urgente que as gerações futuras tenham direito a outro nível de Educação, que revolucione a mentalidade e a cultura dos jovens do futuro. E isso não se faz no interior dos gabinetes, nem com atitudes déspotas e despropositadas, nem puxando para o lado dos interesses políticos dos professores, nem para satisfazer ambições de poderes governativos; faz-se no terreno, passo a passo, com fases experimentais, com bom senso, com discussão, com avanços, com recuos e uma postura de humildade, mas não usando alunos nem professores como cobaias. Não acredito que enveredando pelo caminho da seriedade intelectual e da ética na discussão de modelos alternativos, a política de Educação se atrase 25 anos, como alguém já afirmou. Ou, de facto, poderá atrasar-se se alguém estiver de má fé nesta polémica. Penso ser de extrema necessidade, que em primeiro lugar se aborde e discuta a escolha das matérias. Que conhecimentos devem ser administrados às crianças, aos jovens e aos adolescentes? Qual o papel das Editoras na manutenção do mercado dos compêndios escolares? Em segundo lugar, chegará a fase pré-adulta da entrada destes adolescentes no ensino superior e a política de notas de acesso onde, hodiernamente, se quer fazer com que todos os jovens portugueses universitários sejam inteligentes cientistas; o que é uma burrice política. Não pretendo para o meu País, um País de génios. Eu sei que o uso das notas altas para determinados cursos foi, no passado, objectivamente, para fazer uma política de selecção (errada) e para evitar o afluir de maior número de profissionais a áreas de trabalho para as quais. se entendeu, então, não haver mercado. Refiro-me, particularmente, à política de notas em medicina, quando o exercício da medicina não requer notas altíssimas, requer vocação. Agora faltam médicos. Não há de facto, licenciados a mais como conclui, num trabalho, o Autor deste blog. Uma burrice completa, feita em cima do joelho, estas das notas de acesso, como, aliás. são, a maior parte das coisas feitas em Portugal. No próximo postal falar-te-ei das escolas e de como deveria ser o seu funcionamento. Este postal mostra-vos o equivalente à vossa Sala Oval, centro do Poder Executivo, - o Gabinete do Srº Primeiro-Ministro.
Do teu Amigo,
 
 
 
 
Luís Santiago
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D