Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A AMÉRICA NUNCA FOI UM PAÍS DE LEITORES

 

 
 
“A América nunca foi um país de leitores (…)” assim começa a história curta Respostas Utilizáveis de Truman Capote. Não li mais, fiquei-me por esta primeira frase. Não gosto das opções por que aquela pessoa enveredou e, portanto, abstenho-me de a ler. Mas peguei no livro para ler as badanas e a contracapa à semelhança do que faço um pouco a esmo nas duas livrarias que visito semanalmente.
 
Os livros que me interessam verdadeiramente – e todas as semanas são vários – deixam-me revoltado com o facto de o dia continuar a só ter 24 horas… Desta vez quem ficou na calha foi História dos Portugueses na Etiópia (1490-1640)de Pedro Mota Curto. Espero que não perca pela demora até porque o Natal vem aí e há sempre um velho de barbas vestido de encarnado com um saco às costas…
 
 O lendário Preste João
 
 
Mas foi a frase de Truman Capote que me despertou o sentido crítico.
 
Portugal sempre foi considerado país de poetas mas nunca de leitores – não só por causa do endémico analfabetismo adulto de que só agora se está a redimir mas sobretudo porque os que se ficaram pela soletração não ganharam o prazer da leitura. As Bibliotecas Itinerantes da Gulbenkian foram muito importantes na difusão cultural mas não ensinaram a ler: deram prática de leitura a quem para tal já estava predisposto; levaram o livro às serranias e planuras afastadas das bolorentas bibliotecas municipais, fixas geograficamente e em conteúdos.
 
(Um à parte: em Janeiro de 2008 visitei Goa e quando passámos frente à Biblioteca Municipal de Panjim, o nosso guia referiu enfaticamente e com evidente orgulho que ali se podia ainda hoje ler o “Século Ilustrado”, a “Flama”, etc. E, pensei eu mas calei, outras velharias que já só fazem sentido num qualquer arquivo histórico. Duvido que os leitores se acotovelem à entrada daquela instituição e tenho pena que nada tenhamos feito ao longo destes últimos 47 anos no sentido da revitalização daquele acervo bibliográfico. Se a Administração Pública Portuguesa nada faz nesse sentido, lá teremos que ser nós, os contribuintes, a fazê-lo por nossa própria iniciativa. Voltarei a tratar do assunto.)
 
 
 
Então se Portugal escreve mas lê pouco, isso significa que as edições são pequenas e, portanto, caras; se as edições são caras, não são acessíveis aos menos endinheirados; se os menos endinheirados não se cultivam, continuam a cavar o fosso que os separa dos ilustres e dos ilustrados; se os hábitos de leitura não se democratizam, nunca mais alargamos o mercado doméstico; se o mercado doméstico não se alarga, as editoras nunca sairão da cepa torta.
 
Assim se desenvolve um silogismo elementar e se faz um nó cego que só Damocles conseguirá desmanchar.
 
E é isto que me espanta: todas as semanas deparo com novas edições nos escaparates, com gente – nova, adulta e entrada – a folhear como eu, a comprar muito mais do que eu… e os empregados a não terem sossego no atendimento ao público efectivamente interessado. E numa das ditas livrarias há todos os dias a apresentação de uma nova obra quer de Autor consagrado quer desconhecido. E a plateia enche porque os conteúdos interessam e têm público, não são já o “Século Ilustrado” nem a “Flama” de há 50 anos.
 
Então? Será verdade que não somos um país de leitores?
 
Temo que a resposta seja parcialmente afirmativa porque este entusiasmo que testemunho não deve ultrapassar o fundo da Calçada de Carriche.
 
O que fazer então para que Portugal deixe de se parecer com a frase de Truman Capote?
 
Só ganhando dimensão para que as edições possam embaratecer e passem a ser acessíveis a um crescente número de leitores. Sim, também no mercado editorial, só conseguiremos garantir a soberania nacional se aumentarmos a dimensão doméstica e, como viram os nossos antepassados que em 1415 zarparam por esses mares além, conquistarmos adeptos estrangeiros.
 
O alargamento da dimensão doméstica vai-se fazendo com o desenvolvimento cultural da população residente (v.g. o Plano Nacional de Leitura) mas a dimensão externa não pode ser contrariada por Acordos Ortográficos como este que foi agora promulgado que em vez de promover o livro português no estrangeiro apenas promove o livro brasileiro em Portugal.
 
Não há pior cego do que aquele que não quer ver e nada mais elementar do que exigir aos negociadores de convenções internacionais que assumam um mínimo de sentido estratégico e de Estado, se deixem de tecnicismos caricatos e prejudiciais ao país que lhes paga os ordenados e cujos interesses deviam defender. Os negociadores portugueses deste Acordo – autênticos Cristóvãos de Moura – serão certamente chamados à responsabilidade histórica do lastimável acto a que conduziram Portugal.
 
Novembro de 2008
 
 Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D