Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS - II

 

 
 
AO GOVERNO
Contribuição para uma política de Educação
 
 
Agradeço a tua resposta, Jonh!
 
E agradeço, também, os comentários da Mary sobre a Política de Educação nos EUA e o seu convite para a discutirmos. Porém, presentemente, estou mais interessado em falar da nossa política de Educação, dos seus pressupostos e do que é a política de Educação prosseguida no meu País, se é que há algum modelo visível ou que pretenda vir a ser um modelo, com esta trapalhada toda. Por agora existe a navegação à vista; recuo aqui, avanço acolá... Contudo o actual ocupante do Palacete de São Bento, não gosta muito de recuos; a sua linha de orientação do governo é mais a da inflexibilidade. Quero, posso e mando. Por isso envio-te este postal que é o comparado à vossa Casa Branca. Trata-se da residência oficial do Primeiro-Ministro. Lá chegará o tempo em que estaremos em condições de comparar e concluir sobre o interesse e os resultados aplicáveis de ambos os modelos, o vosso e o nosso; e até, de outros. Conto com a vossa colaboração no debate e de mais quem esteja interessado.
 
Como sabes, é do conhecimento geral que as funções dos Estados/Governos em relação às Sociedades que pretendem gerir, são, tendencialmente as de intervir em todos os sectores, nomeadamente, o da Edução e, provavelmente, o mais importante é este o da Educação, com vista à preparação de mentalidades e ideais políticos que lhes favoreça, aos detentores da política como profissão, o conforto e os discípulos que garantam a sua base política de apoio para se manterem no poder. Um ideal não democrático mascarado de Democracia. Mas, se atendermos a que, quanto o Estado mais intervier massivamente em todos os sectores da sociedade, maior é a necessidade de ter ao seu serviço uma máquina gigantesca que é consumidora de papelada, no seu interior, e carece de recursos humanos para justificar o consumo da papelada existente na teia burocrática, maior é a despesa corrente. Também, numa outra perspectiva, a maior intervenção do Estado permite um melhor condicionamento das ideias, limitando as liberdades, principalmente, a liberdade de escolher A sua existência (a do Estado) tende cada vez mais a pesar no bolso do contribuinte. O Estado para mim devia comportar-se como um Chefe de Família. A função dos Pais é contribuir para que a Educação dos seus filhos se faça de um modo livre e espontâneo, deixar fluir a imaginação e a curiosidade natural da criança e orientá-la, apenas nas suas escolhas. A inteligência da criança saberá distinguir do que é que gosta mais e quais são as suas referências e preferências naturais. Assim, a criança criará bases intelectuais sólidas para se desenvolver no futuro, como adulta. Não sou apologista da anarquia e por isso defendo que deve haver linhas balizadoras dos conhecimentos que se devem incutir progressivamente numa criança para que adquira a consciência da responsabilidade de optar e que deve ser controlada de uma forma exógena.
 
Sempre me ensinaram, como católico que sou, que Deus entregou aos seus filhos, o livre arbítrio, quando nos confrontamos com situações aberrantes para um ser humano normal e onde se põe tantas vezes a questão de saber porque é que Deus consentiu que isto ou aquilo acontecesse. Deus assume o papel de Pai que orienta e protege, mas não intervém na decisão pessoal. Em relação à sociedade, o Estado/Governo devia ter a mesma prospectiva, isto é, não ser omnipresente, nem omnisciente. Mas a influencia cada vez maior do conceito de globalização é determinante nas correntes intervencionistas que tem muitos defensores e entusiastas como se a globalização fosse um fenómeno recente e extraordinário, quando a globalização teve já o seu início no momento em que o Homem descobriu que a Terra era redonda e sentiu a necessidade de descobrir novos mundos através de viagens de circum-navegação.
(Continua)
 
 Luís Santiago

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D