Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRÓNICA DO BRASIL

 

A Somália e a pirataria
 
Navegar nas costas da Somália, desde sempre, tem sido pior do que aventura. Um risco pesado, na maioria das vezes com resultados mortais.
 
 
Conta-nos a tradição da história da Etiópia que, no século IV, dois monges sírios, Edésio e Frumenato, conhecido como São Frumêncio, e considerado o fundador da igreja cristã etíope, quando voltavam da Índia, o seu navio foi atacado, saqueado, e os dois eruditos monges vendidos como escravos ao rei de Axum. Isto há cerca de 1.800 anos, e certamente não terá sido o primeiro caso semelhante.
 
Também sabemos que muitos portugueses que ajudaram o Preste João na sua luta contra o conquistador muçulmano, foram aprisionados e esquartejados nas costas da Somália enquanto aguardavam transporte de regresso à Índia e a Portugal.
 
A «indústria» do resgate foi sempre um negócio, perigoso, mas altamente rendoso. Toda a história nos conta o quanto os povos tiveram que pagar para resgatar sequestrados ou aprisionados importantes, como Ricardo Coração de Leão, feito prisioneiro pelo duque Leopoldo da Áustria, que o entregou ao imperador Henrique VI, da Alemanha. Só após o pagamento de muito valioso resgate é que conseguiu ser libertado.
 
Nos nossos dias assistimos com tristíssima frequência a sequestros e pedidos de resgate, nas situações mais diversas: nas cidades, e o Brasil já foi mestre nisso, no Iraque e Afeganistão, com os pseudo terroristas políticos, em muito lugares de África, como agora nos Camarões e no Congo, e constantemente na costa da Somália e também do Quénia...
Tudo isto leva a concluir que os ataques terroristas e os subsequentes pedidos de resgate são tão antigos, ou mais, do que a própria história dos homens.
 
Por muito que queiramos amar o próximo, situações como estas são abomináveis, e contra elas a defesa é extremamente difícil. E o estímulo para a sua continuação é a fraca resposta e sobretudo a impunidade dos terroristas.
 
Parece que o mundo ainda não teve tempo de se debruçar convenientemente sobre o assunto, ou então acha mais barato pagar os resgates do que tentar combater o crime antes que ele aconteça.
O mundo está cada vez mais louco, ou então somos nós que cada dia que passa mais nos espantamos com o maior conhecimento da miséria que sempre imperou, e parece que vai continuar.
 
Onde acontece a pirataria? Nos países que mal conseguem sobreviver, esmagados pelo peso da chamada cultura capitalista-consumista e, nada tendo a perder, um ataque a navios, a voluntários das organizações de paz da ONU, a médicos Sem Fronteiras, etc., é sempre a hipótese duma boa loteria.
 
Quem nada tem a perder... não perde nada.
 
Rio de Janeiro, 12 de Novembro de 2008
 
Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D