Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

AÇORES: O RESULTADO?

 

 O RESULTADO FOI O QUE FOI !
 
Já com algum distanciamento e recusando leituras nacionais, que não faço, vou hoje expor a minha análise quanto aos resultados das eleições regionais dos Açores, com dois pressupostos: um, o da existência do novo círculo regional de compensação, que acrescentou a eleição de 5 mandatos e por onde foram eleitos um deputado do CDS, um do PSD, os dois do BE e o da CDU; o segundo pressuposto é o de que, em 2004, PSD e CDS concorreram coligados, pelo que, comparações com 2004, só por estimativa.
 
Da esquerda para a direita, o BE foi o único partido que subiu em votos, em percentagem e em mandatos. A CDU perdeu cem votos, subiu 0,35% e elegeu um deputado. Em 2000 elegeu 2, em 2004 perdeu-os e agora recuperou um lugar. Se o círculo regional de compensação existisse em 2004, a CDU teria tido nesse ano um deputado eleito. O PS obteve maioria absoluta elegendo 30 deputados em 57, mas baixou de votação - menos 15.000 votos do que em 2004 e 4.000 do que em 2000 - e a sua maioria absoluta é agora de apenas dois lugares. O PSD e o CDS juntos obtiveram também a mais baixa votação dos últimos oito anos, perdendo 3.700 votos. Em conjunto, subiram, no entanto, percentualmente (2 pontos) e ganharam dois mandatos, à conta do CDS. Na posição relativa destes dois partidos não houve alteração significativa entre o peso eleitoral de cada um deles, quando comparados os resultados com os de 2000. Nesse ano, a votação do PSD representou 77% do somatório da votação dos dois partidos e a do CDS, 23%. Agora, em 2008, a votação do PSD representou 78% e a do CDS, 22%. Se, com base nesta posição relativa, fizermos uma estimativa do que teria cabido a cada um dos partidos nos resultados de 2004 – admitamos, 78% para o PSD e 22% para o CDS -, verifica-se que ambos perderam votos. O resultado obtido pelo CDS-PP não significa, por conseguinte, uma deslocação de eleitores para o partido, que continuou a baixar de votação. No entanto, a eleição dos cinco deputados constituiu uma boa subida para quem elegeu dois deputados em 2000 e 2004. Mas se em 2000 tivesse havido um círculo eleitoral de compensação, o CDS teria então conseguido eleger cinco deputados, exactamente o mesmo número do que agora. Salvo erro, neste ano de 2000, o CDS não elegeu mais dois deputados, mesmo com a lei antiga, um, por um voto e o outro, por dois votos. No entanto, independentemente destas considerações, o facto é que o resultado obtido pelo CDS, não tendo sido o melhor de sempre, foi tido por um bom resultado até tendo em conta os elevadíssimos níveis de abstenção.
 
E a meu ver há, objectivamente, três grandes responsáveis pelo resultado obtido pelo CDS: o primeiro chama-se Alvarino Pinheiro - o rosto que durante uma década (até 2007) se confundiu  com a face dos democratas-cristãos na Região - que entendeu, em 2007, sair de Presidente do CDS-Açores e abrir caminho a uma nova liderança; o segundo é, evidentemente, Artur Lima, o actual líder do CDS-Açores e o terceiro é o CDS-Açores, ele mesmo, isto é, todas as estruturas e militantes dos Açores que souberam mais uma vez trabalhar em espírito de união para benefício do partido. Perguntar-se-á: e Paulo Portas? Paulo Portas fez o que lhe competia, cumpriu a sua obrigação, seguindo, de resto, o que lhe havia sido sugerido. A novidade foi que o que fez o fez pela primeira vez.
 
A lição que ainda não foi tirada no que diz respeito ao CDS é que o que se passou nos Açores é um exemplo, imperfeito, claro, mas um exemplo sobre o qual o CDS deve reflectir: a dado momento, o Presidente do CDS-Açores disse que iria sair e saiu; ao sair, disse que não iria obstaculizar o Presidente e a Direcção que lhe sucederam; ao dizer que não os obstaculizava, também disse que, se lhe pedissem, apoiaria os novos dirigentes; ora, o que se verificou é que o anterior Presidente do CDS-Açores não só não obstaculizou a acção da nova Direcção como a apoiou, promovendo a união e deixando a nova Direcção conduzir o partido como bem entendesse, pelo menos, até às eleições seguintes. O resultado? O resultado, esse, foi o que foi.
 
 
Lisboa, 31 de Outubro de 2008
Martim Borges de Freitas
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D