Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PASSE DE MAGIA – 16.3.

 

 
PORNOCRACIA
(do grego porne, prostituta e kratein, governo)
(continuação)
por DuxBellorum


(continuação)


Consequências da pornocracia



A pornocracia passa a ser um modelo social. «Se todos o fazem porque é que eu não hei-de fazer?» - diz o cidadão para si mesmo, ao sentir-se tentado pela “mercadorização” da afectividade. A primeira consequência da pornocracia é o rebaixamento dos padrões morais e a sua relativização.


Mas há mais consequências. A integração de concubinas nas instituições diminui a qualidade dos recursos humanos e perverte a normalidade das relações de trabalho. O centro de poder é deslocado dos órgãos formais para a teia de relações entre os protectores e as protegidas. As decisões passam muitas vezes a ser tomadas pelas concubinas e os dirigentes relacionam-se com os subalternos de forma injusta, concedendo privilégios a umas e retirando direitos a outros. Cria-se um mal-estar no local de trabalho e comummente surgem facções entre os trabalhadores. O ambiente é de ódio permanente e os conflitos sucedem-se. Quando o local de trabalho está totalmente corrompido já nada funciona segundo parâmetros formais. Todos têm como prioridade assegurar a sua posição e o zelo é posto de lado.

 

Do lado de fora ficam os profissionais habilitados a desempenhar as funções que foram usurpadas pelas concubinas. Contribuem para aumentar as filas nos Centros de Emprego e o peso da Assistência Social na despesa pública. Como o tráfico de influências nem sempre é discreto, os profissionais que foram preteridos sentem-se injustiçados e impotentes à medida que deparam cada vez mais com concursos viciados.


O homem de meia-idade que estabelece uma relação de concubinato está destinado à desilusão. Quando a concubina deixa de precisar da influência do protector, ela “migra” em busca de novos desafios. Finalizada a relação, o homem de meia-idade despenha-se do alto das suas ilusões. O romance que imaginou não passava de uma miragem e só lhe resta a dura realidade: deixou-se usar voluntariamente. A sua auto-estima desce a níveis ainda mais baixos do que aqueles onde se encontrava antes de a protegida surgir na sua vida.


A protegida também não sai incólume da relação. Ainda que se sinta “por cima”, uma vez que controlou afectivamente o protector, há marcas psicológicas que permanecem quando o contacto íntimo não é acompanhado de envolvimento emocional. Ter relações sexuais sem gostar do parceiro é sempre uma experiência traumática e conduz à diminuição da auto-estima. Quer as prostitutas profissionais, quer as “amadoras”, têm sintomas relacionados com a degradação da auto-imagem: sentem-se sujas, vêm-se como um objecto, perdem a libido e, por vezes, passam por estados depressivos ou de apatia.

 

(continua)

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D