Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PASSE DE MAGIA - 10.5.

 

SUGERIR PORTUGAL
O Senado. O Futuro
 
III
 

“Habemus Senatum”
          O Autor

 
É! Num futuro próximo numa próxima legislatura teremos o Senado. Se os políticos quiserem e deixarem... claro! Aos políticos poderia perguntar-se-lhes como Cícero perguntou a Catilina “Quo usque tandem politicus (no lugar de Catilina) patientia nostra abutere?” Até quando, ó político abusarás da nossa paciência? Este primeiro debate, diria melhor, embate, na discussão do OE2009 foi pouco elegante. Sou muito formal nestas coisas; a oratória parlamentar é bonita quando os Senhores Deputados não descem ao nível da mercearia, com o devido respeito pelos merceeiros em si. Há gente que gosta de brilharetes brilhantes só para disfarçar o trabalho que não fazem ou não sabem fazer ou para as frases bombásticas que constituem notícia e que os media aproveitam para lhes subir as vendas. Mas deixemos, por ora, o nosso atribulado Parlamento com as suas preocupações e com as suas costumeiras contumélias (e não me refiro a mesuras, salamaleques ou vénias que a palavra também pode significar no sentido familiar, refiro-me aos outros significados) e passemos ao Senado. Com a existência do Senado, o Parlamento passaria a ter outro enquadramento, ou seja, seria de representação nacional e não regional, e neste (o Parlamento) teriam lugar Deputados de todo o País e de todas as origens. Ainda não percebi porque é que na constituição do Parlamento a maior parte dos Senhores Deputados são doutores, engenheiros administradores de empresas etc... etc... Não é que eu tenha alguma coisa contra os licenciados, também sou... Mas acho o Parlamento demasiado elitista; tantas Excelências que até é um exagero, mas pouca excelência na verbalização das suas intervenções. Posto isto, diria, sem qualquer receio de ser preconceituoso que os Senadores Portugueses futuros seriam médicos, juristas, advogados, engenheiros, cientistas, professores e outros, com cursos, tais como, profissionalizantes ou técnicoprofissionais; com mestrados, doutoramentos, cátedras ou outras graduações do nosso ensino e oriundos das regiões. É uma fantasia? Se calhar se fizéssemos um inquérito, ficaríamos surpreendidos com os resultados. Há muita gente boa e competente por este país afora. E isto porquê? Porque seria neste patamar da produção legislativa que as Leis deveriam ser estudadas sob o ponto de vista técnico e prático, para não serem elaboradas no silêncio dos gabinetes, por cabeças pensantes e inteligentes, sim, mas distantes da absoluta realidade em que vivemos. As Leis precisam de, tal como qualquer outro produto, ser estudadas em laboratório, passarem por um período experimental e rapidamente corrigidas se não coincidirem e acertarem com a realidade. Depois temos o português, a língua mater, a língua que falamos e escrevemos. As Leis não se dirigem a senhores engenheiros e senhores doutores, têm como destinatário o Povo; não só, os eruditos, que são uma pequena parte do Povo. Por isso, a Lei deve obedecer ao princípio da universalidade e da generalidade, é para todos e serve todos sem excepção e, também, deve ser entendida por todos, daí, dever ser redigida de forma popular e transparente. O Senado teria como função esta de cuidar da redacção das Leis em bom português, tratando da sua inteligibilidade para que os textos fossem acautelados e não estivessem pejados de vírgulas traiçoeiras. Contaram-me a história da vírgula, mas eu não acredito, nem acreditei; só pode ser anedota ou uma piada de mau gosto. E o anedotário português é bem mais engraçado do que a délicate blague française, ou o tradicional e formal british mood. A sigla S.P.Q.R. encontra-se inscrita na coluna de Marco Trajano, imperador romano, (96-117, d.c.) significava na altura a representação do Império Romano e estava escrita em todos os estandartes das legiões romanas. Ainda hoje pode ver-se no escudo da cidade de Roma e em vários edifícios públicos e significava em latim “Senatus Populusque Romanus” e em português o Senado e o Povo Romano. Como se verifica, na Roma antiga o Senado vinha antes do Povo. Numa sigla á minha maneira e na política de hoje seria assim P.P.Q S., i.e., O Povo Português e o Senado, e compreende-se a diferença. Antigamente, o Senado Romano era constituído pela “nobreza” da época, os romanos puros com cidadania romana e cuja escolha e nomeação não era, propriamente, a do modelo democrático europeu ocidental dos dias de hoje. Já estamos na constituição do Senado Português e virei aqui falar-vos, em próxima oportunidade, do modo de eleição e escolha dos futuros Senadores.Lá seguirei, no próximo texto, com as ideias da série SUGERIR PORTUGAL, como eu imagino a política portuguesa no futuro, em P.P.Q.S! O que escrevo, por enquanto, é ficcionado, mas da ficção à realidade há, na Humanidade, e na verdade, um espaço muito curto a percorrer. Basta atentar no legado sonhador que Júlio Verne nos deixou.
 
 
 
 
Luís Santiago
Cidadão Português
 
 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D