Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Amamentar, um acto de amor

 

 
 
 
Pierre-August Renoir ( Mulher amamentando)
 
 
Apesar dos medos que nos assaltam ao verificar os perigosos caminhos que a humanidade tomou, a chegada de Sophia me deixou emocionada. Pensei que mais uma vez a força da vida superou as incertezas do futuro.
Ao contemplar esse frágil ser cor- de -rosa, pequeno, mole e indefeso, girando a cabecinha à procura do seio materno, numa forma instintiva de sobrevivência, percebi a força misteriosa da relação que existe entre mãe e seu rebento. Pela primeira vez vi, mesmo já sendo avó, que o tempo passou célere, como areia entre os dedos, e eu não senti. Confesso, foi uma sensação estranha misto de calma, contentamento e uma ponta de nostalgia. Era o relógio da vida a correr através do seio generoso de minha filha. Agora era ela a provedora. Daquele momento em diante eu seria apenas uma expectadora, com alguma experiência.
 
Amamentar, dar o peito, movimento primitivo, ancestral, mágico quando mãe e filho formam uma parceria única, perfeita, onde a mãe oferece o alimento como fonte da vida e a criança como possibilidade de futuro. É a sensação figurada de um completo entendimento, sem palavras, só de gestos e sentimentos, onde reinam a paz e a calma. Momento único de total ausência de disputas, invejas e ressentimentos, quando os papéis estão bem definidos e assumidos num objectivo claro; o da preservação da espécie.    
 
Ao nascer a criança chora, numa busca pelo ar, mas logo após expandir os pulmões é o seio materno que ela procura para se alimentar. Como mágica ele jorra leite e se transforma numa fonte de satisfação, calor, aconchego e protecção.  
 
Amamentar é um acto de amor, diz o slogan do ministério da saúde. É verdade. Faz bem à criança e à mãe, dizem os médicos e educadores. Diminui a morbidade e a mortalidade infantil e traz sensação de prazer e poder às mães. Na mulher previne as doenças malignas das mamas, promove mais rapidamente o retorno à forma física normal. Bloqueia a ovulação, diminuindo nesse período a possibilidade de nova gestação. Amamentar é mais confortável e menos trabalhoso para a mãe, pois o produto está sempre pronto a ser dado, na temperatura certa e sem risco de contaminação. O leite materno previne a desnutrição, as doenças infecciosas e a obesidade da criança.  A alimentação “artificial” só deve ser adoptada na agalactia (falta de produção láctea) materna, no desmame precoce, e nos problemas de saúde maternos ou do lactente. 
 
A amamentação natural é algumas vezes recusada pelas jovens mães que têm receio de que suas mamas se deformem, o que de fato pode ocorrer. Mas é bom lembrar que nada é para sempre, principalmente a beleza, e que acima de tudo somos mamíferos da espécie HOMO SAPIENS, e que necessitamos do seio materno para sobreviver. E além do mais, hoje em dia,  para corrigir os defeitos herdados ou adquiridos há muitos recursos como cirurgia plástica e os tratamentos estéticos que a  tecnologia moderna oferece.
 
Maria Eduarda Fagundes
Uberaba 26/10/08

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D