Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PASSE DE MAGIA - 3.2.

 

ACHA QUE HÁ LICENCIADOS A MAIS?
Parte 2
 
 
 
 
Vejamos então o nosso perfil geral.
 
Uma das pechas mais graves que se nos apresenta é a do analfabetismo.Analfabeto estatístico é o maior de 10 anos de idade que não sabe ler nem escrever mas durante alguns anos houve quem considerasse que analfabeto era quem não soubesse assinar. Desenhar o nome, diria eu.
 
Notemos que em 1974 a taxa de analfabetismo estatístico era de 25% da população. Se hoje nos espantamos com este facto histórico, devemos perguntar-nos também se estamos a tratar de uma realidade com interesse para os níveis de vida actuais ou se estamos a falar de arqueologia social. O que fazermos? Esquecer os analfabetos e partir para outra...? Não será essa uma forma de encolher ainda mais o País? Então estamos a querer aumentar o mercado interno e acabamos por o encolher? Que fazer?
 
Continuo a crer que é necessário continuar os esforços de alfabetização de adultos mas não tenho dúvidas nenhumas de que esse esforço não é minimamente suficiente para alcançarmos os nossos objectivos. Necessário mas não suficiente. Porquê? Porque estamos cada vez mais a receber no mercado de trabalho jovens – quiçá universitários – oriundos de ambientes analfabetos e esse é um gap que tem que ser sistematicamente reduzido. Claro que os anciãos constituem hoje aquilo que podemos chamar de uma geração perdida para o desenvolvimento moderno mas não podemos esquecer que sempre constituem o enquadramento social (e de referência familiar) a muitos jovens e outros já menos jovens mas em plena idade produtiva.
 
Como seres pensantes que divagamos sobre os temas do desenvolvimento, não temos o direito de esquecer esses mais impreparados. Não podemos deixar que em Portugal o combate ao analfabetismo adulto seja liderado pelas agências funerárias.
 
Na outra ponta do espectro da formação cultural e profissional, o que se passa?
 
Passa-se que temos a mais baixa taxa de população adulta com formação superior, incluindo Sacerdotes e Oficiais das Forças Armadas e de Segurança. E porquê? Uma das razões que podemos imediatamente apontar tem a ver com a enorme taxa de abandono escolar, ao nível dos 36,3% em 2006, conforme declarações da Ministra da Educação à Rádio Renascença em 5 de Setembro de 2007.
 
Qual a razão de um tal descalabro? Deve haver várias, nomeadamente a pressão exercida pela necessidade de angariação de meios de subsistência. Face ao grupo etário em apreço, não falamos de trabalho infantil; falamos de jovens que já estão na idade legal de trabalho mas que pura e simplesmente desistem de estudar antes de concluírem o ensino obrigatório. Face às exigências do mercado de trabalho para que queremos evoluir, trata-se de analfabetos funcionais em potência, ou seja, aqueles que – sabendo formalmente ler e escrever – não conseguem compor e redigir correctamente uma pequena carta solicitando um emprego ou interpretar a informação contida na papeleta de um medicamento quanto à posologia adequada. A informação estrangeira mais recente de que dispomos[1] é a seguinte:
 
República Checa = 6,1% (2004)
Dinamarca = 8,1% (2004)
Reino Unido = 15,7% (2004)
Itália = 23,5% (2004)
Espanha = 30,4% (2004)
PORTUGAL = 36,3 (2006)
 
Fica por saber o que sucederia se medíssemos a alfabetização funcional avançada que corresponde à capacidade de ler um texto demonstrando que o entendeu pela redacção de um novo texto sintético. Para piorar as coisas, convenhamos que um dos parâmetros mais subtis e que mais estragos nos poderá causar consiste no analfabetismo científico, ou seja, na medição da ignorância relativa aos conhecimentos mais básicos da Ciência e da Tecnologia de que qualquer pessoa necessita para sobreviver razoavelmente numa sociedade moderna. Curiosamente, o ensino de Ciências no 1º e no 2º ciclos assenta nos princípios básicos da biologia, da física, da química, etc., – o que corresponde a conhecimentos bem distantes do quotidiano das pessoas – mas esquecendo a explicação de outras coisas de bem maior relevância tais como o motor de explosão, a lâmpada, a televisão, a Sida, o rolamento de esferas. Resulta assim uma grande desmotivação da juventude para aquilo que lhe querem ensinar numa escola que nada tem a ver com a realidade da vida. Eis como surge aquele preocupante abandono escolar e, na população escolar que persiste, um enorme insucesso. Temos que nos colocar a questão: - Quem está mal? A população escolar ou a Escola? A resposta tem que se inspirar na anedota sobre os tempos soviéticos: O povo não concorda com o Soviete Supremo. Temos que mudar de povo!
 
(continua)
 
Lisboa, Setembro de 2008
 
Henrique Salles da Fonseca


[1]- Jornal Oficial das Comunidades nº 99, 26 de Abril de 2006 – Relatório Especial nº 1/2006

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D