Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MAR PLANO, AMOR LOUCO

 

 
 Olhao I
 Olhão - óleo de Maluda
 
As gentes de Olhão mostraram grande valentia muitas vezes ao longo da História. Os factos mais citados têm a ver com as acções de guerrilha que moveram contra os ocupantes franceses em toda a serra do Caldeirão. Expulsos os ocupantes, enviaram em 1808 ao Brasil um caíque, o «Bom Sucesso», barco de dois mastros relativamente pequeno, com a notícia dessa expulsão assim dando a saber ao rei D. João VI que já podia regressar ao reino pois a população lhe defendera o trono.
 
 
Réplica do caíque «Bom Sucesso» que em 1808 foi ao Brasil levar a
notícia da expulsão dos franceses
 
Foi já D. Pedro IV que atribuiu a Olhão o complemento “da restauração”. Ficou a chamar-se – e disso ainda hoje muito se orgulha – Vila de Olhão da Restauração. A diferença está em que actualmente já é cidade e não mais vila.
 
Mas nem todos os actos heróicos têm a ver com guerras, invasões e momentos que a História Nacional registe. Sim, há os que não conduzirão os seus autores ao sossego do Panteão Nacional mas que, mesmo assim, são dignos de nota.
 
Foi o caso de um rapaz solteiro e duma jovem recém-casada, ambos naturais e residentes na Ilha da Culatra, nos idos de 50 do século passado. Bem solteiro e mal casada, davam-se de amores secretos e não hesitaram em ditar a vida pelas suas próprias vontades. Se na Culatra lhes proibiam o amor, então havia que encontrar sítio onde se pudessem amar…
 
E foi pela calada da noite de 1 de Outubro de 1958 que José Belchior e Felismina Inês zarparam da Culatra num barquito de 6,5 metros de comprimento e 2 de boca, o Natília Rosa, com destino … ao Brasil.
 SaveiroBelchior.jpg (27240 bytes)
 
E assim se fizeram de Dakar ao resto do mar...
 
Cavalheiro, poupou a amada aos esforços físicos inerentes à tripulação de barco tão pequeno pelo que pediu ajuda a José Eduardo Guerreiro que o rendesse na árdua tarefa da navegação. Assim aportaram a Dakar onde ficaram durante 5 meses. Inebriado pela vida nocturna da capital da colónia francesa, o ajudante Guerreiro decidiu ficar-se por ali e foi rendido por outro aventureiro, o espanhol Adrián Léon Diaz.
 
Nos 99 dias que levaram de seguida para atravessar o Atlântico enfrentaram vagas de 10 metros, perderam a única panela que levavam da Culatra e passaram a cozinhar no bacio que Felismina usava até então. Quase morreram na praia de Alcobaça, na Bahia, mas finalmente chegaram a Porto Seguro no dia 29 de Junho do ano seguinte (1959) onde, exaustos, já entraram rebocados pelo faroleiro.
Entardecer na praia de Alcobaça, Bahia
 
 Belchior1.jpg (27799 bytes)
José e Felismina à chegada ao Brasil
 
Passados dois meses nasceu Fátima, a primeira dos três filhos que tiveram. Dedicaram-se à agricultura e à pesca. Viveram. E passados 42 anos voltaram à Culatra.
 
FelisminaBelchior.jpg (154774 bytes)
De regresso à Culatra 42 anos depois do início da grande aventura

 

 
 
 
Rija festa lhes fez Olhão que em Junho de 2001 descerrou na Ilha uma lápide comemorativa do feito destes aventureiros para quem o mar foi plano porque o amor era louco.
 
Se o mar perguntasse aos franceses…
 
Lisboa, Setembro de 2008
 
Henrique Salles da Fonseca
 
 
NOTA: Esta foi a história que me apeteceu contar. Para conhecer a verdadeira visite
 
 http://www.olhao.web.pt/Personalidades/josé_belchior.htm

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D