Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

PASSE DE MAGIA – 2.1

 

 
Curtinhas nº 60
 
 
ESTE LEGISLADOR É MESMO UM COMPINCHA
 
 
v    Casamento não é sinónimo de duas vontades que querem viver em comum? É. Mas é também um contrato.
v    Trabalhar por conta de outrem não é exemplo de uma convergência de necessidades e interesses? É. Mas é também um contrato.
v    Arrendar uma casa não é outro exemplo de vontades que coincidem? É. Mas é também um contrato.
v    Interromper voluntariamente uma gravidez não resulta de um contrato - mas nem por isso deixa de passar ao lado da lei que se apressa a qualificar este acto à luz de determinados princípios.
v    Todos estes casos envolvem situações das mais fundamentais na vida individual e, simultaneamente, nas sociedades organizadas: (a) ali, o propósito assumido de constituir uma família; (b) logo a seguir, a participação no processo produtivo (e, consequentemente, na distribuição do rendimento) como condição de sobrevivência; (c) depois, a necessidade de um abrigo que proporcione um mínimo de bem estar; (d) por último, a continuidade (para não dizer, a perenidade) do próprio grupo social.
v    Sendo os três primeiros casos contratos, seria de prever que o legislador lhes aplicasse regras, se não idênticas, pelo menos mutuamente compatíveis, para assim garantir um clima de coerência – o que é dizer, segurança jurídica e legítima confiança.
v    Quanto aos quatro casos, porque todos eles mexem fundo no tecido social, esperar-se-ia que a lei se inspirasse em princípios que não fossem totalmente contraditórios.
v    E o que vemos nós?
v    Vemos que o contrato matrimonial pode ser desfeito pela parte que se sinta incómoda, sem que a lei reconheça à parte passiva o direito de ser indemnizada em função das legítimas expectativas que resultarem frustradas - e sem que o legislador faça a menor referência ao princípio da protecção da parte mais débil (que assim é mandado às urtigas).
v    Vemos que no contrato de trabalho só uma das partes, o empregado, o pode resolver e não sofrer as consequentes penalidades - já que o legislador entende fazer prevalecer aqui o princípio da protecção da parte mais débil (que presume ser precisamente o empregado, sem cuidar de demonstrar, circunscrever ou condicionar essa sua presunção).
v    Vemos, nos contratos de arrendamento residencial por prazo indeterminado celebrados antes de o Novo Regime do Arrendamento Urbano entrar em vigor, que uma das partes, o senhorio, está objectivamente impedido de lhes pôr termo (além de ser obrigado a suportar rendas sem qualquer correspondência com a realidade dos preços e rendimentos actuais) – porque, uma vez mais, o legislador, sem esclarecer porquê, considera o inquilino a parte débil que importa proteger duplamente e ad aeternum: na inamovibilidade e no esforço financeiro.
v    Vemos que na interrupção voluntária da gravidez o legislador, uma vez mais, vira as costas ao referido princípio - e deixa totalmente desprotegida a parte manifestamente mais débil, o feto.
v    Vemos, pois, que em contratos sem prazo fixado o legislador, umas vezes, permite que qualquer das partes lhes ponha termo sem mais; outras vezes, só uma das partes o pode fazer sem se constituir na obrigação de indemnizar a parte contrária; e, outras vezes ainda, uma das partes, só por o ser, vê-se atingida por uma incapacidade absoluta e irremediável: a de dar por findo o contrato, indemnizando a parte passiva.
v    Mas vemos mais. Vemos que o princípio da protecção da parte mais débil está longe de ter, por cá, uma validade geral, mesmo nas situações que estruturam a sociedade.
v    Vemos, enfim, com total clareza, que o legislador vai talhando as leis segundo os modelos ideológicos (e as modas ideológicas) que, em cada momento, lhe vão mais a gosto. Como se a coerência da Lei não fosse, também ela, uma parte débil que só ele, legislador, está em posição de proteger.
v    Com maior crueza: por cá, legisla-se, sem o menor pudor, para amigos, apaniguados e adeptos. É esse o princípio costumeiro que faz de nós a causa maior do nosso atraso.
Agosto de 2008
 A PALHINHA MACHADO
 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D