Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Um povo, uma maneira especial de ser

 

 
 
 Manuel José de Arriaga Brum da Silveira
Primeiro Presidente da Republica portuguesa 
 
 
Frente à globalização e suas exigências, as nações e suas culturas lutam pela sobrevivência. O difícil é encontrar o equilíbrio entre a força da evolução e o respeito às tradições. Talvez a palavra chave seja: adaptação.
 
Numa conversa entre amigos, num destes dias, alguém disse que o açoriano era um povo individualista, pouco afeito à política.
Como açoriana de nascimento, com mais de três séculos de ascendência insular, não deixei de pensar que havia um fundo de verdade naquela assertiva.
 
Em todo o povo há um perfil especial, que o caracteriza. Seja na aparência, no espírito aventureiro ou belicista, na tendência artística ou comercial, na pesquisa ou na capacidade produtiva. Não importa qual a vocação, ele sofrerá a ação incontrolável da evolução. Só a capacidade de adaptação e resistência é que vai determinar se irá ou não desaparecer.
 
Dizem os psicólogos que a personalidade é a qualidade que identifica um individuo, segundo seus padrões de acções, embasados nos seus sentimentos, pensamentos e emoções. Se é verdade que as informações genéticas trazidas no DNA das células ditam comportamentos, também é verdade que eles se alteram com a poderosa força das situações que ocorrem no meio ambiente. E a  cultura adquirida através dos tempos, como fonte de aprendizado e adaptação, é factor de sobrevivência.
 
Com o açoriano não foi diferente. Isolado no meio do Atlântico Norte, apesar da importância como ligação entre continentes, emigrante e colonizador por necessidade, era praticamente desconhecido pelos próprios portugueses, que só ouviam falar deles em épocas de crises frumentícias ou naturais.
 
Resultado de uma miscigenação europeia ( flamenga, galega,francesa, inglesa), maioritariamente portuguesa, com alguns sefarditas e escravos negros africanos, foi moldado pela força da lava vulcânica e mergulhado no mar-oceano, seu destino e sua esperança. Sozinho, frente aos caprichos da natureza, encontrou na fé ao Divino Espírito Santo e no misticismo,  força para superar sua fragilidade humana e impotência.
 
Como parte insular de Portugal desde o século XV, submetido à política portuguesa do Continente que não oferecia condições suficientes de protecção, instrução e desenvolvimento que o capacitasse para atingir uma autonomia administrativa (coisa só conseguida no século XX), o açoriano, sem perspectiva, caiu numa paralisia e imaturidade política e cívica. Salvou-o do ostracismo e da patologia psico-social a direcção dada aos seus objectivos. Passou a investir naquilo que tinha domínio e poder: na sua capacidade de resistir e superar obstáculos. Picou a pedra vulcânica e fez terra para plantar, lançou-se ao mar e tornou-se um caçador de baleias. Trabalhou a madeira e o marfim do cachalote, plantou o pastel, a uva e a laranja, fez no tear colchas e tapetes, criou cabras e bois, brincou com as escamas de peixe e com o miolo da figueira, sua mulher fez rendas. Com os piratas e corsários aprendeu que quando se é mais fraco, a barganha é a moeda mais eficaz.
 
Quando precisou, emigrou e, em outras plagas, ajudou a construir comunidades com a pujança de seus braços e sua cultura. 
A principio,  achou na Igreja a pouca instrução que teve. Desenvolveu suas potencialidades pessoais. Quando tinha condição financeira, foi estudar no Continente e no estrangeiro. Apesar de todas as dificuldades, deu a Portugal o primeiro Presidente da República, oradores, poetas e escritores, como Antero de Quental e Natalia Correia, reconhecidos na literatura portuguesa. 
Entre os seus sentiu-se igual, por falta de estratificação sócio-económica. O nível educacional  é que fazia a diferença.
A distância do governo central deu-lhe um sentido de maior independência. Passou a julgar e a valorizava mais o lado individual  que o colectivo.
 
O estilo do açoriano que conheci, dentro da minha família, era aberto com o estrangeiro, hospitaleiro, compassivo com o diferente, mas não se contagiava com  outras ideias facilmente. Tinha uma personalidade forte, embasada, autodidata, individualista, mas carregada de humanismo. Desconfiada de governos, rejeitava a sociedade robotizada e desumanizada pelas suas próprias características. Curiosa com as novidades, instruía-se. Aceitava a globalização, desde que, isolado, fosse dono da  sua própria opinião e respeitado na sua decisão.
 
Quanto ao futuro..., só o tempo e Deus poderão mostrar o que vai acontecer a este povo, que chega ao século XXI com essas características, agora, porém, com o apoio da educação e tecnologia.
 
Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 12/08/08
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D