Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A nobreza brasileira

 

 
Segundo o Dr. António Sérgio, a um grupo diferenciado de indivíduos que gozava de prerrogativas e direitos superiores aos da maioria da população e que podia transmiti-los hereditária e legalmente, dava-se o nome de nobreza.
 
Com a evolução dos tempos as sociedades humanas organizaram-se em castas ou classes, de acordo com a diferenciação e importância que os homens tinham para o governo de uma comunidade ou nação.
A partir da idade média, na Europa, os reinos construídos à custa de lutas e conquistas premiavam os seus mais valorizados guerreiros com tenças, terras, domínios, posições administrativas e de comando, e passavam a chamar de nobres a esses destacados homens. Nos séculos seguintes, além da recompensa a actos heróicos, a Coroa passou a titular aqueles que se distinguiram no campo mercantil, financeiro, político, religioso e cultural, 
quando promoviam o rei e o seu reino. Em remotas épocas, foi tamanha a sua importância que o poder da nobreza superou o do soberano. Matava-se e morria-se pela honra pessoal e pelo nome de família.
 
Nos meados do século XI a nobreza tomou na Península Ibérica, França e Alemanha os apelidos ( sobrenomes) das terras de origem, onde existiam seus domínios. E acrescentou-se a partícula de (Portugal), du (França), von (Alemanha), que persistiu até hoje nos nomes dos cidadãos comuns, indicativa do lugar de onde provinham.  
 
A partir da promulgação da lei que elevou o Brasil a reino (Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves), a 16 de Dezembro de 1815, o país passou a ter luso-brasileiros com títulos de nobreza. Foi necessário criar-se uma corte especial, com “cara brasileira”. No inicio, em 1808, com D. João, transplantava-se os títulos de Portugal, mas com D. Pedro I e D. Pedro II, os brasões passaram a ter cores e motivos tropicais, da terra sul-americana.
 
Apareceram títulos nobiliárquicos novos, distribuídos à larga mano, onde as referências eram baseadas na força financeira e territorial, e  na “cor” política do agraciado, além do tradicional mérito por trabalhos prestados à Coroa. Diferentemente da nobreza europeia que provinha do seio de família tradicional e aristocrática, onde as pessoas recebiam qualificação e tratamento diferenciados, por herança dos feitos gloriosos dos antepassados, no Brasil, ser nobre,  era um estado temporário que desaparecia com a morte do agraciado.
 
Quando a república se instalou no país (15 de Novembro de 1889) um dos primeiros actos do novo governo foi acabar com os títulos de nobreza. A nobreza, diziam, fazia a Corte e como não havia mais a Corte, não havia o porquê de ela existir.
 
 Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 05/08/08
 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D