Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A nobreza brasileira

 

 
Segundo o Dr. António Sérgio, a um grupo diferenciado de indivíduos que gozava de prerrogativas e direitos superiores aos da maioria da população e que podia transmiti-los hereditária e legalmente, dava-se o nome de nobreza.
 
Com a evolução dos tempos as sociedades humanas organizaram-se em castas ou classes, de acordo com a diferenciação e importância que os homens tinham para o governo de uma comunidade ou nação.
A partir da idade média, na Europa, os reinos construídos à custa de lutas e conquistas premiavam os seus mais valorizados guerreiros com tenças, terras, domínios, posições administrativas e de comando, e passavam a chamar de nobres a esses destacados homens. Nos séculos seguintes, além da recompensa a actos heróicos, a Coroa passou a titular aqueles que se distinguiram no campo mercantil, financeiro, político, religioso e cultural, 
quando promoviam o rei e o seu reino. Em remotas épocas, foi tamanha a sua importância que o poder da nobreza superou o do soberano. Matava-se e morria-se pela honra pessoal e pelo nome de família.
 
Nos meados do século XI a nobreza tomou na Península Ibérica, França e Alemanha os apelidos ( sobrenomes) das terras de origem, onde existiam seus domínios. E acrescentou-se a partícula de (Portugal), du (França), von (Alemanha), que persistiu até hoje nos nomes dos cidadãos comuns, indicativa do lugar de onde provinham.  
 
A partir da promulgação da lei que elevou o Brasil a reino (Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves), a 16 de Dezembro de 1815, o país passou a ter luso-brasileiros com títulos de nobreza. Foi necessário criar-se uma corte especial, com “cara brasileira”. No inicio, em 1808, com D. João, transplantava-se os títulos de Portugal, mas com D. Pedro I e D. Pedro II, os brasões passaram a ter cores e motivos tropicais, da terra sul-americana.
 
Apareceram títulos nobiliárquicos novos, distribuídos à larga mano, onde as referências eram baseadas na força financeira e territorial, e  na “cor” política do agraciado, além do tradicional mérito por trabalhos prestados à Coroa. Diferentemente da nobreza europeia que provinha do seio de família tradicional e aristocrática, onde as pessoas recebiam qualificação e tratamento diferenciados, por herança dos feitos gloriosos dos antepassados, no Brasil, ser nobre,  era um estado temporário que desaparecia com a morte do agraciado.
 
Quando a república se instalou no país (15 de Novembro de 1889) um dos primeiros actos do novo governo foi acabar com os títulos de nobreza. A nobreza, diziam, fazia a Corte e como não havia mais a Corte, não havia o porquê de ela existir.
 
 Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 05/08/08
 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D