Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

 

160.000.000.000
 
Não, não é o censo demográfico, que esse já ultrapassou este número. Também não é o somatório dos prejuízos da banca americana e européia (cujos valores são cem vezes mais elevados), mas, SIMPLESMENTE, a quantidade em moeda (ou nota, ou cheque) que todos os anos a corrupção faz desaparecer dos dinheiros públicos no Brasil!
160 biliões de reais, mais de 100 biliões de dólares!  10% do PIB nacional!
Quase o valor do PIB da Dinamarca que se rouba todos os anos! É muita sem vergonhice, tudo às escâncaras, a começar no topo da pirâmide e vindo até à base.
O país está MESMO entregue à bicharada, não em sentido metafórico aos do jogo do bicho, a quem também está, mas ao narcotráfico, às milícias que controlam algumas favelas, ao MST, e sobretudo a um bando asqueroso de políticos a quem as leis não conseguem (ou não querem?) condenar!
São eles que fazem as leis, onde sempre fica um item ou um parágrafo que... safa a onça da canalha. São os filhos do big líder a enriquecer de um dia para o outro sem que o papá se tenha apercebido, deputados, senadores, ministros, governadores, etc., etc. Uma podridão que nem no “quinto dos infernos” se vê igual. Ou igualha.
Imagino que a maioria das pessoas que lê estas informações imaginará que, possivelmente em breve, o meu epitáfio seja algo como “Aqui jaz um cara que incomodou e não se cansou de mentir”, ou era louco! Mentira. Por ter sempre abominado a mentira, pela vida fora levei muita bordoada e... não aprendi! Agora de louco, felizmente tenho o suficiente, ou talvez, melhor ainda, um pouco mais.
O nosso, ia a chamar-lhe desgoverno, mas é melhor o nosso governa-se (e de que maneira!) consegue com isto alcançar uma popularidade de uns 70%. Vejam como o povo, que é bom, mas ignorante, é estúpido! Todos os dias assistimos a escândalos de dimensões que acabam sendo ignoradas ou camufladas e... o governa-se, como por aqui dizem, não está nem aí. Estamos nós, para pagar a conta! Viva a democracia! A gente reclama (pouca gente, claro) e a banditagem rouba descaradamente.
Há tempos uma pobre mulher roubou, aliás “retirou” de um supermercado um pacote de 200g de manteiga. A segurança viu, foi presa, e ao fim de seis meses, foi preciso que um juiz do supremo se condoesse com a crítica nos jornais e mandasse soltar a pobre.
Se ela tivesse roubado 160 milhões no dia seguinte teria um habeas corpus ad aeternum!
Agora alguns ultra querem rever a lei da amnistia que pretendeu pôr uma pedra sobre os anos brutos da ditadura militar. Mas esquecem-se que envolvendo o topo da governança há gente que roubou, matou, sequestrou, em nome da “liberdade”.
Se a ditadura ainda por aqui estivesse não se roubariam 160 milhões. Não. Não quero de volta a ditadura. Ninguém quer. Mas menos ainda esta descarada roubalheirócracia irresponsável.
O ideal de “governo” é que este não exista. A anarquia. Anarquia, melhor ainda autonomia municipal (sem prefeitos nem vereadores!) unidos à volta de uma bandeira que até pode, e deve, ser verde e amarela!
Como é difícil sonhar!
 
Rio de Janeiro, 29 de Julho de 2008
 
 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D