Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Falando de flores

 

 
Íris
 
 
Quando ia aos Açores, nas férias, gostava de visitar a casa de minha avó materna. Naquele tempo ela morava no Vale dos Flamengos, região húmida e arborizada, cortada por uma ribeira de águas claras e pedras roliças, onde se instalaram os primeiros povos colonizadores da Ilha do Faial, os flamengos.  À entrada da modesta morada, de janelas envidraçadas, resguardadas por cortinas brancas e rendadas, havia um pequeno portão de madeira que dava para um jardim multicolorido. Rosas, cravos, margaridas, dálias, amores-perfeitos, ervilhas de cheiro e hortênsias, de todos os matizes, disputavam lugar com canteiros de couves, alfaces, ervilhas, tomates e ramas de feijões rajados. Embora gostasse do visual, não entendia bem aquela mistura de elementos, que se renovava a cada período específico. Como é que vovó cultivava folhas tão importantes para a alimentação,  junto de flores, coisinhas tão vistosas e cheirosas,  mas sem nenhuma utilidade, a não ser a beleza? Pensava eu, candidamente. . Só mais tarde, entendi o porquê daquela combinação. Além do pouco espaço para plantar, as flores embelezavam o ambiente, atraíam pássaros, que comiam as lagartas das hortaliças, e chamavam as abelhas, que espalhavam o pólen para se ter mais plantas, flores e mel. 
 
Quem já sentiu a emoção de ganhar rosas vermelhas do seu amado, por certo sabe a força que elas têm. Curiosa, fui pesquisar sobre as flores e, lendo, descobri que foram os ingleses, no século XVIII, que aprenderam com os turcos a linguagem social e romântica das flores, quando o gesto representava mais que a palavra, tornando-a em certas ocasiões até dispensável.
Apreciadas desde sempre, as flores encantaram pessoas, sensibilizaram corações e enterneceram mentes.  Na vida e na morte, em todos os momentos importantes, elas foram companheiras inseparáveis. Agradaram, acolheram, despediram,  consolaram, seduziram e até rotularam. Enfeitaram casas, templos e túmulos. Emprestaram sua beleza para a aristocracia, como símbolo de nobreza. Quem não conhece a flor de Lis, aquela dos Luizes, símbolo da coroa francesa? E a rosa, a que deu  nome à disputa do reino inglês, na Guerra das Rosas,  entre as famílias Stuart (rosa branca) e Lancaster (rosa vermelha)?
 
O poder das flores vai muito além da simbologia romântica e da força comercial que exerce sobre os homens. Sem elas não há vida, como órgãos reprodutores que são, quando num ciclo vital se transformam em frutos e sementes, origem de todo o ser vegetal, base do todo o alimento.
 
Na saúde têm aplicações imensas,  desde a modesta genciana, que trata fungos e bactérias, até a azálea,  que mata com seu poderoso veneno. Sem falar da antiquíssima papoula, matéria prima do ópio, actualíssimo problema. As suas tintas coloriram tecidos, cabelos e corpos, em sinal de feitiço e lutas. 
 
Nos lares, dos mais simples aos mais bastados, frequentam as mesas em vistosos arranjos, em apetitosas saladas, em saborosas geleias e delicadas pétalas cristalizadas, em licores e vinhos (sabugueiro e dente-de-leão) deliciosos.
Mas é sem dúvida nos perfumes que mais se destacam, espalhando odores, marcando presença, insinuando amores.
 
Participaram da História, nos escudos dos bravos, no regaço de rainhas e no peito das damas. Estiveram nas cabeças coroadas. Figuras omnipresentes nas lendas e nos mitos das civilizações humanas. Foram mensageiras dos deuses e protectoras dos homens, como a íris que  Hipócrates achava ter capacidade de curar distúrbios de ordem sexual.  O certo é que as vovós de muitas gerações usaram o pó da sua raiz para aliviar as dores das gengivas das criancinhas.
 
Lugares e cidades do planeta Terra deram testemunho da sua importância como Florença na Itália e a Ilha das Flores nos Açores.
 
Como curiosidade, do livro Linguagem das flores (Sheila Pickles)  retiramos o significado simbólico de algumas flores:
Cravo -  ai, meu coração
Camélia -  beleza perfeita
Margarida - inocência
Gerânio-tristeza
Jasmim-graça e elegância
Íris – mensagem, autoridade,dor
Alfazema - desconfiança
Lírio - pureza
Narciso-vaidade
Amor-perfeito - pensamentos
Prímula-juventude
Rosa-amor
Girassol-altivez
Violeta - modéstia
Amarílis – orgulho
 
Com tantas mensagens insinuadas na linguagem simbólica das flores, as pessoas deveriam usar mais essas belezas para dar recados. Com certeza, haveria mais harmonia e entendimento.
 
 Maria Eduarda Fagundes
Uberaba 27/07/08
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D