Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CURIOSIDADES DE ANGOLA


 

 

 

É sabido que a instrução, em Portugal, só foi tornada obrigatória, sobretudo o 2° grau, depois da revolução de Abril! Era Portugal o país mais atrasado da Europa em nível de alfabetização, apesar de ter sido um dos primeiros a criar estudos superiores, no tempo do grande rei Dom Dinis.


Se assim era na chamada Metrópole, o Ultramar não poderia ter sido melhor!


No entanto, pelo menos em Angola, era grande a preocupação da maioria dos Governos Gerais pelo desenvolvimento da Instrução Pública, que se deparava normalmente com a falta de professores capacitados!


Em meados do século XIX já havia em Luanda alguns advogados, raros, a quem por vezes se pedia que examinassem um ou outro sargento para avaliar da sua capacidade para servir de professor da Instrução Primária!


Por isso é muito curioso o quadro estatístico da Instrução Pública em Angola, no mês de Maio de 1848:

 

Loanda
Aula de Gramática Latina                      Nativos    Europeus     Total
Existiam                                                     8            0             8
Sahiram                                                                 0             1
Existentes                                                   7            0             7
O professor A. da Conceição Carvalho e Rego


Aula de Instrução Primária        Brazil       Nativos    Europeus    Total
Existiam                                               125           14           140

Sahiram                                     0               2             1              3
Entraram                                    0             12             0             12
Existentes                               1            135           13            149
O professor interino, Casemiro José Fernandes


Aula de Meninas                                    Nativos    Europeus   Total
Existiam                                                     10           1           11
Sahiram                                                       1           0            1
Entraram                                                      3           0            3
Existentes                                                   12           1          13
A Mestra Régia D. M. Augusta de Carvalho


Benguela
Aula de Instrução Primária
                 Nativos     Europeus       Total
Existiam                                                 40            0              40
Sahiram                                                   0            0               0
Existentes                                              40            0              40
O professor interino J. Correia da Conceição


São José do Encoge                           Nativos     Europeus       Total

Existentes                                              27              0             27
O professor Manuel Nunes Dias


Muxima
Aula de Instrução Primária                Nativos       Europeus      Total
Existiam                                                59                0            59
Sahiram                                                  1                0              0
Entraram                                                 9               0              9
Existentes                                              67               0             67
O professor Balthazar de Silva e Sousa


in Boletim Official do Governo Geral da Província de Angola, nº 167, de 9/Dez/1848


Não se pode afirmar que se desprezou o ensino nas colónias. Se ele era pouco mais do que inexistente em Portugal! Haverá todavia muitos xenófobos que não vão gostar de saber isto (e muitas outras coisas) mas é só consultar as fontes e verificar a veracidade da informação!


E ainda diz o mesmo "Boletim" que do Duque de Bragança "faltou o mapa deste mês"! É bom notar que nessa altura o Ambriz era pouco mais do que terra de ninguém, onde os americanos, a quem os ingleses nada podiam fazer no controle dos navios negreiros – nem lhes interessava, claro! - continuavam a traficar e a levar gente para o Caribe e Estados Unidos, Malange... tinha somente dois ou três comerciantes e em Moçâmedes, Namibe, procurava-se um "sargento" que pudesse desempenhar a docência...


E as festas no Palácio do Governador nos dias dos aniversários da Rainha, dos Príncipes, nas festas religiosas, etc?


O conhecido poeta e escritor angolano Mário António, num artigo intitulado "Música e danças tradicionais em Luanda", publicado no "Boletim Cultural da Câmara Municipal de Luanda, nº 11, de Abril a Junho de 1966, afirma que o médico italiano Tito Omboni, autor de uma "Viaggi nell'Africa Ocidentalle", editada em Milão em 1848, "se sentiu pouco à vontade num baile no Palácio do Governo de Luanda, à vista de tantos mestiços e negros divertindo-se na contradança francesa..."


Era assim Angola dos tempos antigos. Muito antigos, sobretudo depois que se aboliu o tráfico de escravos que, apesar de ter abalado o "comércio" daquela terra, não esfriou o entusiasmo e o sentido de humanidade, que tão bem Gilberto Freyre encontrou no português e que hoje se procura denegrir.


Alguém ouviu falar em bailes nos palácios dos governos ingleses, em meados do século XIX, com aquele colorido de gente?


(Notas extraídas do livro "A Velha Loanda" de José de Almeida Santos, Luanda 1972)

Rio de Janeiro, 7 de Julho de 2008

 

Francisco Gomes de Amorim

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D