Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

E logo após as Olimpíadas ...

 

 
Uma forte desaceleração da economia mundial tornou-se inevitável; há quem diga que o pior virá depois de Agosto
 
Os chineses são muito supersticiosos. A abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim se dará num dia 8, número perfeito. De Agosto, mês 8 de 2008. Pelo que sei, às 8 horas, 8 minutos e 8 segundos.
 
Se depender da numerologia, dará tudo certo.
 
Não obstante tanta sorte encomendada, há uma dúvida crescente sobre o depois. "Após as Olimpíadas", me disse, compenetrado, o diretor de commodities da poderosa Bolsa Mercantil de Chicago, "tudo será diferente; é outra coisa". Mesmo? Uma sombra se espalha sobre o que pode ocorrer na China e na economia mundial.
 
As cotações da Bolsa de Xangai não respeitaram a Olimpíada: cravaram 50% de queda em relação ao pico do índice, ao final de 2007. E as Bolsas americana e europeia fecharam o pior semestre em muitos anos. O resultado de ontem, 1 de Julho, continuou muito ruim. Uma forte desaceleração da economia mundial tornou-se inevitável. O nome é conhecido: estagflação.
 
O cenário actual - "lúgubre", como diria conhecido economista - não estava nem nas piores expectativas de Alan Greenspan, quando usou a expressão "Nova Economia" para descrever a bonança que se desenhava até a virada do milénio.
 
Greenspan acreditou, ou disse aos outros que acreditava, numa nova força estabilizadora dos ciclos económicos, capaz de deter as caídas recessivas ou depressivas, com injecções cuidadosas de liquidez e juros bem baixos. O Fed usou essa "pedalada" de juros para esticar a fase eufórica da economia americana várias vezes na sua gestão à frente do Board (1987-2005).
 
Vozes críticas aos excessos de liquidez, como a de Paul Volcker, seu antecessor no Fed, foram caladas pela mídia, diante das definitivas explicações do mago Alan sobre como a vibrante economia mundial conseguira o "match" perfeito, entre americanos consumindo, guerreando e se endividando, enquanto asiáticos produziam as manufaturas e financiavam os "bonds" do Tesouro dos EUA. Como actores coadjuvantes, nações provedoras de commodities minerais e agrícolas - como o Brasil, a Austrália, o Canadá, a Argentina e a Rússia, além de países ricos em petróleo- entraram em cena produzindo mais e forrando-se de dólares em suas reservas. Mesmo o Brasil, secularmente desatento às oportunidades mundiais, foi literalmente "atropelado" pelo sucesso, a partir de 2003.
 
Sorte de Lula!
 
Só não combinaram com o sistema financeiro para moderar suas apostas no futuro. O lado cruel do ciclo económico mostrou a cara quando os compromissos dos americanos com o pagamento de imóveis financiados a perder de vista, com prestações reajustáveis pela inflação, passaram a explodir o orçamento do endividado cidadão. O recuo da construção civil nos EUA generalizou -se em 2007 e os números do desemprego, agora, espalham-se.
 
Como quase sempre ocorre na fase do ajuste, os custos de produção repicam para cima mas as receitas futuras das empresas encolherão. Com a rentabilidade esperada em baixa, tome desemprego...
 
Para fazer seu dever de casa, os bancos americanos e europeus precisam de se recapitalizar face às suas posições alavancadas e suas apostas temerárias. O Fed já gastou meio trilhão de dólares socorrendo o sistema bancário.
 
A onda inflacionária que bate na economia brasileira é só a parcela inicial da conta do ajuste mundial que o sucessor de Greenspan terá que manejar. Há quem diga que o pior, só depois de Agosto.
 
Paulo Rabello de Castro(Professor de Economia)
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D