Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Curtinhas nº 55

 

GUARDEM AS PRATAS!
v    A ERSE, definitivamente convertida em Regulador com ideias, está a ventilar a hipótese (por enquanto, nada mais que uma hipótese) de as facturas de energia eléctrica (EE) passarem a incluir também uma parcela que dê para os incobráveis.
v    A ideia, agora, é partir de uma tarifa “limpa” (uma tarifa que cubra os custos da produção e distribuição de EE mais uma remuneração decente para os accionistas do fornecedor) e adicionar-lhe um tanto ainda por determinar, de tal forma que o apuro efectivamente cobrado coincida sempre, mês após mês, com a tal tarifa “limpa”.
v    Remuneração decente para os accionistas? Eu escrevi “remuneração decente para os accionistas”? Mas a taxa de retorno dos Capitais Próprios depende inevitavelmente de um sem número de factores aleatórios - um dos quais é, precisamente, a possibilidade de alguns créditos não serem cobrados (o risco de crédito). Como fixar assim, do pé para a mão, antes de tudo mais, uma remuneração decente para os accionistas?
v    Faz sentido, sim, falar de taxa de retorno esperada para os Capitais Próprios, um parâmetro de decisão. Só que - para estimar este parâmetro há que tratar, primeiro, da incerteza quanto a cobranças (além de outras incertezas). Tudo em termos estatísticos, naturalmente.
v    Agora, este modo de lidar com a questão, empilhando em cada factura parcela sobre parcela, como se estas parcelas surgissem independentes umas das outras, não tem ponta por onde se lhe pegue. Mas é um bom exemplo da “mentalidade de contabilista” (com a devida vénia para os contabilistas) tão frequente entre nós, a qual presume que tudo é dado, certo, conhecido - e, por isso, susceptível de ser somado de trás para a frente ou de frente para trás. Melhor, que tudo se resume a uma aritmética simples.
v    Mas o fundo da ideia até se compreende. Afinal, quem vende laranjas forma o seu preço entrando logo em linha de conta com aquelas que, entretanto, se estragarem (mal irá se não o fizer); quem empresta dinheiro inclui também no juro uns pós que reflictam a proporção dos créditos que não vai conseguir cobrar; os prémios de seguro contêm já um tanto mais para atender às indemnizações que a seguradora, fatalmente, irá ser chamada a pagar; as taxas de imposto, mesmo essas, seriam talvez mais baixas se não houvesse por aí uns contribuintes a fintarem o Fisco (pelo menos, é este o argumento de qualquer Ministro das Finanças que se preze).
v    Tudo está em saber o que é que vai ser adicionado nas facturas para atender aos tais incobráveis. Porque, se a ERSE deixar correr o marfim, o mais certo é o fornecedor de EE desleixar-se no esforço de cobrança, na selecção dos clientes e, pior ainda, na maneira como lida com devedores pouco dados a boas contas.
v    Se ele acaba sempre por receber tudo aquilo que fornece, será que corta prontamente o fornecimento a quem não pagar? E, bem vistas as coisas, será que, nestas circunstâncias, se justifica manter um serviço de cobranças sempre custoso?
v    Seria bom que, na eventualidade, a ERSE se aconselhasse com a teoria do risco. E a teoria do risco lhe diria que a perda esperada (sublinho, perda esperada, ex ante, não perda verificada, ex post) deve ser incluída no preço (o que se designa tecnicamente por cobertura horizontal da perda) e que pela perda não esperada devem responder os Capitais Próprios do credor.
v    Em linguagem corrente: dos créditos que ficarem por cobrar, o bolso dos clientes suportará, no preço da factura, a incobrança esperada - e o resto terá de sair dos bolsos do credor.
v    Ao incluir a perda esperada no preço (no caso, a tarifa de EE), o fornecedor está a agir como se fosse a seguradora dos riscos a que os seus próprios negócios o expõem (auto-seguro, portanto). E como terá de deduzir aos seus Capitais Próprios o valor incobrado que exceder a perda esperada, ele, fornecedor, é incentivado a subir a parada, colocando a estimativa da perda esperada o mais alto possível – para que sejam os clientes a tudo pagar logo na factura.
v    Quando o mercado é competitivo, um módico de regulação bastará para trazer a estimativa da perda esperada até níveis mais razoáveis – isto é, mais em linha com o risco de crédito a que se encontra exposto um qualquer credor medianamente diligente. O busílis é que, em Portugal, o mercado da EE a retalho está, e estará ainda por muitos e bons anos, nos antípodas do que seja um mercado competitivo.
v    Uma possibilidade seria introduzir no esquema um terceiro, uma seguradora de crédito, que tivesse também que afectar Capitais Próprios às indemnizações acima do esperado que fosse chamada a pagar. Mas, também aí, o incentivo ao conluio, à custa do cliente, não deixaria de marcar presença.
v    O ideal seria que a ERSE dispusesse de estatísticas fiáveis sobre as taxas de incobrança numa pluralidade de sectores económicos, designadamente, nas utilities, contratualizando com o fornecedor da EE o prémio de risco de crédito a incluir nas facturas.
v    Hélàs! Não dispõe - porque nós, portugueses, nunca fomos muito dados à recolha e ao tratamento da informação que, na realidade, interessa. Propendemos mais para o parece-que, o diz-que-disse e a má-língua.
v    Por outra parte, a ideia com que a ERSE tem vindo a cismar também não é de todo desagradável para quem esteja no Governo. Se tudo for deixado ao sabor do vento, eis um modo fácil e indolor de melhorar um pouco as condições de vida dos mais pobres, fornecendo-lhes EE que eles nunca vão pagar (isto é, EE à borla), sem sobrecarregar o depauperado OGE. O que, bem vistas as coisas, tem o seu quê de justiça redistributiva, desde que o adicional para incobráveis seja proporcional ao valor da EE consumida e facturada.
v    Mais assim ou mais assado, o cliente acabará sempre por pagar. E pagará mais se a ERSE não fizer a menor ideia do que por aí corre em matéria de cobranças, eficácia de cobrança e risco de crédito.
Lisboa, Junho de 2008
 
A. PALHINHA MACHADO

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D