Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRUZEIRO DO SUL

 

 

... descendente, de quem ?
 
Sobretudo nos EUA um indivíduo, se tiver a pele mais escura do que o «padrão» estabelecido, ou é índio ou latino ou afro-descendente! Os do «padrão» - importados também - são simplesmente americanos e por isso se julgam donos do pedaço! Devagar o tempo vai mostrando que esse tal padrão foi mal escolhido!
 
 
Eu que serei descendente de iberos e incógnitos, de iemenitas do sul "um dos primeiros povos a chegar à Península Ibérica", fenícios e gregos, cartagineses, berberes e negros, celtas e bascos, suevos e alanos, godos e visigodos, romanos e árabes e certamente de lusitanos, com 50% de antepassados nascidos no Brasil, vindos possivelmente dessa mesma misturada, vou-me classificar como? Poderia até ser banto-descendente, já que banto nada mais significa do que «gente»! Só encontro enfim uma designação "multi-descendente", o que me deveria dar direito a um passaporte (coisa estúpida, inventada, segundo dizem, pelos franceses no século XVI) emitido por mais de cinquenta países!
A verdade é que quando se trata de um americano mais escuro lá vem o irritante carimbo de «afro-descendente»!
 
O século XX foi pródigo em nos dar exemplos de grandes, grandes, personagens de África, no topo dos quais não hesito em colocar Nelson Mandela. Mas não só: Leopold Senghor, Martin Luther King, Pelé e Eusébio, Desmond Tutu, Sidney Poitier, Louis Armstrong e muitos outros que Deus sabe o quanto lutaram para se impor.
 
Agora, depois de se assistir a praticamente todos os desportos serem dominados pelos africanos, desde Tiger Woods há 500 semanas à cabeça do ranking mundial, num desporto que em princípio estava e ainda é muito reservado à classe dominante, Lewis Hamilton na Fórmula 1 e o jovem francês Monfils com as irmãs Williams no ténis, Ronaldo, Ronaldinho e Zidane, Oprah Winfrey, a celebridade mais admirada em todo o mundo ocidental, ao imenso escol de artistas musicais em todo o género, surge na constelação das estrelas americanas um fenómeno novo: Barak Obama.
 Obama for America
 
Jovem, boa pinta, culto, educado, admirado no mundo inteiro, desafiando o status quo dos americanos racistas, representa, sem que as pessoas saibam exatamente porquê, uma esperança nova para este mundo cansado de guerras e de inflação provocada artificialmente. torci mais pelo Obama, para que ganhasse as prévias, do que jamais me aconteceu com qualquer outra eleição no mundo. E já vi muitas. Muitas. Em que os candidatos ou não apresentavam nada de novo ou pelo contrário se apresentavam como uma solução retrógrada e perigosa para o país. Vi isso acontecer e... continuo a ver!
 
Obama traz uma esperança grande, não só aos americanos que talvez deixem de ser chamados afro-descendentes, para serem unicamente o que são, americanos, da mesma maneira que os índios americanos também deveriam deixar de ser chamados de índios ou mongólico-descendentes (se é que vieram do interior da Ásia), a todos os povos que podem, e devem, assistir a um decrescer das atitudes racistas.
 
 
Ainda não foi eleito presidente dos EUA. E vai ter uma luta grande para chegar ao topo. Consegui-o Nelson Mandela, Tiger Woods e muitos outros. O meu voto é do coração, mesmo meio estropiado como já está.
E fica uma outra esperança para o Brasil: que este inepto desgoverno entenda que brincar de racismo é feio, sujo e perigoso. Cheira a interesses escusos. E é. Mais ainda no Brasil onde esse racismo está a ser FABRICADO.
 
Rio de Janeiro, 16 de Junho de 2008
 
Francisco Gomes de Amorim
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D