Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Burricadas nº 37

 

 

 

UMA DESGRAÇA NUNCA VEM SÓ – III

(à guiza de Post Scriptum)
 
v      Em recente debate televisionado, ninguém parecia preocupar-se com a regra de licitação que, tradicionalmente, as Lotas portuguesas adoptam. Refiro-me ao leilão em que os preços são recitados por ordem descendente, a que o castiço “chui” vem pôr termo.
v      Ora os inconvenientes do leilão “de cima para baixo” são de tal modo óbvios que o método nem sequer deveria ter sido alguma vez adoptado. E se quem tem a obrigação de regular os mercados soubesse ao que vem e para o que está, há muito que, com um “chui”, teria remetido esta forma de leiloar para um Museu do Irracional.
v      Num leilão competitivo, montado no interesse de ambas as partes (mas especialmente atento ao interesse da oferta), todos, desde que sejam solventes, têm sempre a possibilidade de se manter em jogo - bastando para tal fazer um lance mais alto.
v      Ou seja, o método não é limitado superiormente (por isso disse que era mais atento aos interesses da oferta) e só termina quando não forem manifestadas expectativas de preço mais elevadas do que a última a ser anunciada. Com a apreciável vantagem de a questão do preço de abertura nem sequer se colocar.
v      Facilmente se vê que um leilão "de cima para baixo" não é um leilão competitivo, pela simples razão de que o primeiro a dizer "chui" arremata, dá o mercado por encerrado e com isso expulsa todos os outros licitantes.
v      É um esquema com um limite superior, o que suscita desde logo a questão de saber quem o fixa, como o fixa e porquê o fixa, uma vez que o preço de abertura vai influenciar os lances.
v      E é um esquema de lance único (ou irreversível): cada licitante, quer queira, quer não, só pode falar uma vez – e, se o fizer, cala irremediavelmente todos os restantes.
v      Ambos os métodos seriam mais ou menos equivalentes, verificadas que fossem duas condições: (a) pertencer à oferta o lance inicial; (b) poder a oferta dar o mercado por encerrado, se o preço descer abaixo de um determinado limiar.
v      Ora, sabe-se: (1) que as lotas transaccionam produtos perecíveis; (2) que a logística de armazenagem (o transporte no tempo) é insuficiente, de fraca qualidade e cara; (3) que as posições da oferta e da procura não são simétricas (aquela, se não vender, suporta danos por não cobrir o que já despendeu; esta terá, apenas, lucros cessantes).
v      A assimetria do mercado é ainda acentuada pelo facto de a oferta ter, por regra, menor capacidade financeira que a procura (quer quanto a capacidade financeira própria, quer quanto a capacidade de endividamento; os Bancos pelam-se por financiar a distribuição, mas "cortam-se" quando se trata de emprestar à agricultura ou à pesca).
v      Quer dizer: o armador (a oferta): (1) não tem apoios idênticos ao do distribuidor (a procura); (2) não está em pé de igualdade com o distribuidor quando se trata de dar o mercado por encerrado; (3) encontra-se sempre numa posição de necessidade, dados os custos que já teve de suportar directamente.
v      Em suma: (1) o leilão "de cima para baixo" revela que a oferta tem mesmo que vender, seja qual for o preço, dado que não dispõe de poder negocial; e (2) o mercado, ao ser irreversível, em vez de revelar quem está disposto a oferecer o preço mais alto (quem tem a expectativa de preço mais elevada, segundo o critério "máximo dos máximos"), vai nivelar-se pelo "máximo dos mínimos" - sem que a oferta tenha meios de contrariar isso (a tal assimetria acentuada e a referida irreversibilidade).
v      Esta simples alteração no método de leiloar (adoptando-se definitivamente o leilão “de baixo para cima”) teria um efeito estruturante no Sector das Pescas por de mais evidente. E tornaria um pouco menos patético o lamento do Ministro.
Lisboa, Junho de 2008
A. PALHINHA MACHADO
 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D