Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Os manezinhos da Ilha

 

 

 

Sambaqui ( Ilha de Santa Catarina)

 
 
Guardiões da cultura açoriana na Ilha de Santa Catarina, os manezinhos estão desaparecendo empurrados pela onda de migrantes gaúchos, paulistas, brasileiros de outras plagas e estrangeiros que vêm em busca de uma vida mais calma, junto ao mar e à natureza. Os políticos, ambiciosos, facilitam e estimulam a expansão imobiliária e industrial, a qualquer preço, em nome da modernidade e do desenvolvimento. Esquecem o passado dessa gente, ignoram o risco do desrespeito ao meio ambiente.
 
Eles chegaram há mais de 260 anos atrás em busca de um pedaço de chão que lhes desse paz, segurança e pão. Fugiam da miséria que a superpopulação e os vulcões dos Açores lhes infringiam periodicamente. Sozinhos, aos poucos esquecidos e abandonados pelas autoridades, tiveram que vencer toda a sorte de privações e dificuldades. Ainda mais uma vez, nestas terras brasileiras, a vida não lhes seria fácil. Para sobreviver agregaram-se em grupos familiares e comunidades de mesma origem. Abriram matas cerradas, venceram a hostilidade dos índios e aprenderam com eles  novas técnicas de cultivo, caça e pesca. Com as sementes, um facão e uma enxada, dados pelo governo, construíram nas suas quadras de terreno rústicas casas, fizeram roças e plantaram hortaliças. Aprenderam a utilizar a mandioca, no lugar do trigo, para ter a farinha, usando a tecnologia daqui e a que traziam do velho continente. Tiraram do mar, o peixe para seu alimento. Fizeram da caça à baleia, das rendas de bilro, do artesanato e da criação de gado meios econômicos de sustento. Místicos, usavam as raízes e a bruxaria para tratar e afastar os males físicos e imaginários. Tinham medo de assombração. Erigiam igrejas em homenagem aos santos, faziam procissões marítimas em louvor a Nossa Senhora dos Navegantes, comemoravam com festas o Divino Espírito Santo.
 
Os colonizadores açorianos vieram em levas, alguns individualmente. O Brasil precisava ocupar espaços, demarcar e defender as fronteiras. Os portugueses eram poucos para tanta terra conquistada. A solução veio com a colocação dos mais pobres e sofridos, os oriundos da periferia portuguesa (ilhas, regiões ultramarinas e mais pobres do reino), nessas áreas. Vinham também degredados políticos e criminosos, além de nobres de segunda linha para postos administrativos e de comando.
 
Em 1619 aportaram ao Maranhão 200 casais de colonos açorianos. No Pará, em 1666, chegaram mais outros 200. No final do século XVIII desembarcaram mais mil pessoas. Mas o maior contingente deles foi para Santa Catarina. De 1748 a 1756 chegaram 6071 almas que se juntaram às 4197 pessoas já lá existentes. Dessas, 1400 migrariam para a região mais meridional do pais, dando inicio à colonização do Rio Grande do Sul.
 
Os manezinhos, açoriano-catarinenses descendentes, viveriam na ilha de Santa Catarina até 1960 em relativo isolamento, longe dos benefícios (e malefícios) da civilização. Se para o meio ambiente e cultura tradicional foi uma grande coisa, pois houve preservação da natureza e de uma identidade, para a genética do homem trouxe algumas deficiências, como o aumento da incidência de más formações físicas e mentais, resultantes das freqüentes uniões consanguíneas. A partir da segunda metade do século XX, enfim, chegou a modernidade para essa gente. Veio com a gula dos migrantes que descobriram na ilha de Santa Catarina a beleza e a paz preservadas, o paraíso perdido, entregue segundo as palavras um senhor estrangeiro, pouco conhecedor da história da ilha, à inércia improdutiva dos ilhéus.
Pobres manezinhos, rechaçados,  acuados no seu habitat tão duramente conquistado, desta vez pelo apetite voraz e a força capitalista dos migrantes nacionais e internacionais, que vêem na ilha um tesouro financeiro a ser explorado.  
Desenvolvimento é preciso, mas que chegue com inteligência e sabedoria. Temos um rico patrimônio natural e cultural herdado que faz a diferença com as outras regiões do país. Só com critério e especificidade teremos um bom e rentável crescimento com qualidade de vida. De que vale muitas e grandes indústrias, uma larga rede imobiliária se não tivermos, águas limpas que dêem o peixe, áreas verdes de mata que dêem ar puro e histórias para contar para nossos filhos. A ilha dos manezinhos sem a natureza e sua cultura não é nada.
 
Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 25/05/08
 
Dados estatísticos:
Oswaldo A.  Furlan (Prof. titular da UFSC) no livro INSVLANA ( vol. LIV)
(órgão do Instituto Cultural de Ponta Delgada, São Miguel, Açores) 
Foto de propriedade de Maria Eduarda Fagundes: Praia do Sambaqui ( Ilha de Santa Catarina)
Nota: Ao fundo casa típica açoriana
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D