Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Curtinhas XLI

 Image Hosted by ImageShack.us

os aprendizes de Xamans
v      Mais velho ainda que a mais velha profissão do mundo é o temor de não saber o que futuro reserva. E, desde sempre, à sombra desse temor prosperaram todos aqueles que se atrevem a tratar por tu a incerteza e o desconhecido: os xámans, os iluminados para quem o futuro não tem segredos.
v      Prosperaram é uma maneira de dizer. Tempos houve em que predizer certeiramente uma ameaça ou uma calamidade era caminho seguro para uma vida regalada, mas desgraçado estava quem falhasse na predição: com sorte, perdia valimento; em dia mais aziago, perderia a cabeça.
v      Era o tempo em que predizer significava arriscar: arriscar a glória, ou arriscar a morte (da morte rápida às mãos do patrono insatisfeito, à morte lenta dos que não mais privariam com o poder). Tempos cruéis, esses, mas onde se podia fazer fé no futuro predito: anunciá-lo não era coisa de brincar – sabia-se bem o que estava em jogo.
v      Nos tempos que correm, lidar com a incerteza continua a não ser fácil. Que bom seria poder decidir hoje conhecendo com meridiana clareza o que o dia de amanhã trará - e assim sucessivamente, numa longa cadeia de informações completas, construída passo a passo, mas sempre por antecipação!
v      Hélàs! não. E, tal como outrora, o que não falta hoje é quem se deite a adivinhar. Uns, consultando os astros, as entranhas de animais sacrificados, os desenhos que pedrinhas, conchas e ossos, lançados ao acaso, deixam no pó; outros, consultando números. Cada um com o seu ritual, mas todos ao mesmo.
v      Infelizmente, perdeu-se entretanto aquela regra que apontava, ora para a glória, ora para a desgraça, e que dava mística ao ofício de predizer. Hoje, ligada à predição, permanece ainda uma atmosfera de prestígio e proventos. Mas o que se arrisca será, quanto muito, uma certa aura e a perda do mercado que essa aura sempre ia proporcionando. E, por vezes, nem isso. Convenhamos que é arriscar pouco.
v      Hábeis a prever eram, num passado ainda muito recente, os metereologistas: sabedores de que nada poderiam fazer para alterar o tempo que aí viesse, limitavam-se a anunciá-lo com fatalismo - e com simpática imprecisão. Não mais. A partir do momento em que puderam observar do alto a dinâmica de ciclones e anti-ciclones, passaram a conhecer de ciência feita o que nos cairia literalmente em cima nos dias imediatamente seguintes. Agora sabemos com o que contamos quanto ao tempo, mas a previsão meteorológica perdeu muito da sua mística.
v      Sucederam-lhes na cátedra das previsões imprecisas e fatalistas os economistas. Não há economista que se preze que resista à tentação de lançar, dia sim, dia não, a sua previsão sobre isto ou sobre aquilo. Como modelos suficientemente testados e calibrados em que tais previsões se apoiem é coisa que não existe, o que se passa é que os nossos economistas se deitam a adivinhar, dando uns palpites.
v      Arriscam algo? Como assim, se passados uns dias já ninguém se lembra do que fora previsto, muito menos se dá ao incómodo de confrontar o adivinho com os erros do que lhe palpitou. Eis pois uma actividade prestigiante e segura que seria tolice não aproveitar.
v      Quando as previsões económicas provêm de organismos internacionais, compreende-se que sejam anunciadas com um certo fatalismo - à imagem do que acontecia com as previsões meteorológicas, aliás. Afinal, estes previsores não dispõem de meios que lhes permitam contrariar as tendências que crêem ter detectado.
v      Mas que dizer quando são os Governos e as Autoridades Monetárias (para não falar noutras instituições ligadas à política económica) a prever como se o futuro que nos aguarda fosse inevitável? Não lhes foram confiados poderes e instrumentos para inverter o rumo da realidade? Não guardam eles o exclusivo desses poderes e desses instrumentos? Então porque não exercem uns e usam os outros - o que só eles podem fazer, pois é para isso, justamente, que são pagos?
v      É tempo de dizer que não nos impressiona a adivinhação dos novos xámans – os quais nem sequer se dão ao trabalho de dançar para que os maus espíritos se afastem. Se eles querem deitar-se a adivinhar, e é bom que desenvolvam a capacidade de “observar do alto” que os meteorologistas já alcançaram, então que cumpram as rezas rituais e que digam como pensam afastar os maus espíritos.
v      Uma previsão económica desacompanhada das medidas que reforcem a tendência detectada, se for favorável, ou que a contrariem ou mitiguem, se for desfavorável, é um acto gratuito e inútil. Não justifica a tinta da notícia que a faz pública.
v      Ah! Que saudades dos tempos em que predizer o futuro era um jogo de glória ou morte.
Lisboa, Maio de 2008
A. PALHINHA MACHADO

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D