Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ARROZ PODE BAIXAR PREÇO

 

 
Consumo de arroz carolino pode fazer baixar os preços
 
 
O aumento dos preços do arroz nos mercados internacionais já está a ter efeitos nos orçamentos familiares dos portugueses, através da subida do preço do quilograma deste bem alimentar. Contudo, este efeito pode ser limitado. Desde que os consumidores comecem a comprar mais arroz do tipo carolino, cuja produção nacional é suficiente para abastecer o mercado. Quem o diz é o presidente da Associação Nacional dos Industriais de Arroz (ANIA). Ernesto Morgado espera que as pessoas não entrem em pânico com as subidas dos preços.

"Importamos mais de 50% de arroz devido ao consumo crescente dos tipos agulha, vaporizado e basmati. Uma consequência natural dos novos estilos de vida, com a procura de experiências diferentes e curiosidade por novos produtos", sublinhou Ernesto Morgado. "Se houvesse uma tendência de subida do consumo de arroz carolino, podia resolver-se eventuais problemas nas colheitas no exterior e podia resolver-se a situação dos preços altos."
 
Parte do consumo de arroz agulha é abastecimento através do recurso às importações. E é devido a essa procura que os produtores e distribuidores têm de subir os preços, para acompanhar a escalada nos mercados. Ernesto Morgado tem outra explicação para o aumento do preço do agulha. "O carolino é mais adequado à nossa gastronomia, sobretudo no arroz de peixe, de marisco ou no arroz malandrinho. Mas o agulha apresenta melhores resultados para quem não sabe cozinhar ou não tem tempo para se dedicar à cozinha." E, devido ao aumento do consumo, "mesmo que haja boas colheitas na Europa, não resolve o problema do agulha". Recorde-se que dentro de mês e meio, aproximadamente, começarão a ter efeitos nos mercados europeus as colheitas sazonais de arroz.
 
A propósito do carolino, Ernesto Morgado garante: "Luto há muitos anos para que o Estado apoie uma campanha de promoção do consumo. Mas ainda não conseguimos avançar com essa iniciativa, que podia ajudar a resolver os preços altos".
 
Ernesto Morgado, que acumula ainda a presidência da Federação dos Industriais de Arroz Europeus (FERM), critica também a política agrícola comum (PAC), que obrigou Portugal a reduzir a área de cultivo de arroz. "Tínhamos antes 33 mil hectares para produzir por ano. Com a PAC, a União Europeia congelou áreas e ficámos apenas com 23 mil hectares. Por outro lado, fomos muito prejudicados porque o consumo de arroz carolino caiu e nós tivemos de continuar a produzi-lo. Se houver uma revisão da PAC neste ponto, Portugal pode ter uma área de cultivo mais adaptada às suas necessidades". Apesar das subidas do preço do quilo este ano - que interromperam uma década de descidas -, Ernesto Morgado apelou a uma desdramatização. "Não devemos dramatizar. Em Portugal, o problema não é gravíssimo como nos países do Oriente ou África. Se as pessoas não entrarem em pânico e não começarem a açambarcar arroz sem necessidade, não haverá problemas de abastecimento". Ernesto Morgado adianta: "Com uma consciencialização para não se aumentar o consumo desnecessário e incentivos ao aumento da oferta, conseguiremos passar esta fase de preços altos."
 
 
PEDRO FERREIRA ESTEVES, in “Diário de Notícias”
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D