Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Curtinhas XL

 

Fat Cats
v      ...E lá veio mais uma cena de ópera buffa para abrilhantar a festa. Agora, foi a surpresa indignada com os gordos cheques que deslizam, mês após mês, para os bolsos dos nossos mais apreciados gestores. Com a indignação vieram à tona umas quantas realidades que temos querido ignorar. Aqui vão elas:
v      Que os nossos governantes assumem com galhardia o papel de sátrapas em terra distante: sem ideias próprias, executam gostosamente tudo o que o centro (leia-se, UE) dita.
v      Foi agora, de um momento para o outro, que os cheques-surpresa começaram a ser preenchidos com mais uns zeros? Qual quê - a prática é, de há muito, corrente. Mas como foi agora que a UE começou a tocar música, é agora que eles, os que nos governam, ensaiam o seu pé de dança.
v      Que os visados se têm em muito boa conta, além de serem almas sensíveis que qualquer grãozinho de crítica ofende.
v      Só os mais desatentos se espantarão com tamanha sensibilidade. Mesmo quem passeia um olhar distraído pelos media, verdadeiras passerèlles de vaidades, reconhece nos nossos gestores seres fadados para os mais altos cometimentos – e as maiores recompensas.
v      Que os visados, toldados pela afronta, não conseguem articular uma resposta sensata.
v      Se conseguissem, veriam que melhor teria sido permanecerem olimpicamente discretos.
v      Quando tanta indignação tinha, afinal, uma resposta tão simples que, à parte os visados, não houve quem não desse com ela: este é um assunto do foro exclusivo dos accionistas. Afinal, sempre são os accionistas a pagar. Indirectamente, é certo - e, por vezes, sem saberem muito bem o que estão a fazer.
v      Que os nossos gestores têm de ser bem pagos, caso contrário, ei-los a abalar para o estrangeiro onde farão valer melhor os seus tantos e tão variados talentos.
v      Assim será para uns quantos, mas a grande maioria deles que não se ofenda: vivem para fazer ofício de corpo presente, compor a fotografia ou traficar influências nos corredores do poder - e nada disto é facilmente exportável. Até porque, por franças e araganças, essa oferta também abunda - e por lá estariam como peixe fora de água.
v      Aqueles quantos que, certamente felizes, “dessem o salto” aprenderiam de pronto o que é, na realidade, ser gestor: ter de prestar contas, com incómoda frequência, a uma assembleia de accionistas peritos em perguntas difíceis e que não vão em lérias; ter de apresentar trabalho em mercados onde competir não é uma palavra vã e o cartão do partido não serve, nem como credencial de desempenho, nem como apólice de seguro de boa vida; ser despedido de um dia para o outro, sem grandes contemplações; enfim, receber invejáveis salários e prémios de espantar, mas trabalhar, trabalhar muito – e sempre sem rede.
v      Uma vez mais, e para não variar, a política cá da terra inspira-se na inveja, não na procura da eficiência e do bem-estar. Já se sabia que, entre nós, toda a política fiscal (e muita da restante política) tem por musa a inveja mais mesquinha. O que, talvez, não esperássemos é que a UE navegasse nas mesmas águas. Somos, de certeza, os europeus mais relapsos - mas é connosco que a burocracia de Bruxelas, afinal, sonha!
v      Se algo está mal em tudo isto, não é nos gestores principescamente remunerados – é nos accionistas. São eles que não sabem, ou não querem, incomodar os seus gestores com perguntas incómodas; são eles que se contentam com qualquer resposta, por mais disparatada; são eles que fingem que não vêem, que toleram, que dão cobertura quando não promovem eles próprios o conflito de interesses em que os gestores tantas vezes se comprazem; são eles que nunca perdem a esperança de sacar uns trocos à custa dos restantes accionistas, para o que necessitam da cumplicidade dos gestores.
v      Mas não só. O modo pouco transparente como Governo e Administração Pública actuam no mercado é, também, para tantos dos gestores agora beliscados, uma garantia de sucesso – ou a esperança de sucessos futuros. Pois não é que o caminho se encontra tão bem assinalado?
v      E a política fiscal também dá a sua ajuda a este estado de coisas. Quando os dividendos são objecto de uma dupla tributação (primeiro, no património da empresa que os distribui; seguidamente, no património do sócio que os recebe), o accionista racional só pode ser aquele que está seguro de que o ganho não virá dos dividendos, mas do que possa ser obtido “por dentro” - e na valorização que o relacionamento, mais ou menos estreito, com o aparelho do Estado permitir. Em curtas palavras: pelas mãos dos gestores, mas a bom recato.
v      Se o Ministro das Finanças soubesse do que fala e quisesse agir como diz, começaria por dar força aos sócios (e accionistas) minoritários, para que fossem eles, demasiado distantes dos gabinetes dos gestores, a lançar as tais perguntas difíceis, a exigir respostas claras, a vigiar para que nenhum sócio com posição qualificada aproveitasse à custa dos restantes.
v      Para tanto, bastaria ao senhor governante: (a) instituir a neutralidade fiscal perante todas as formas de financiamento das empresas (capitais próprios versus capitais alheios) – medida com efeitos “macro” muito superiores aos da descida de 1% na taxa do IVA; (b) fazer prevalecer a qualidade da informação financeira divulgada pelas empresas, da maior à mais “mesquinha” (como diria o nosso Fernão Lopes)
Lisboa, Maio de 2008
A.PALHINHA MACHADO.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D