Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

PRODUZIR RIQUEZA

 

 
 
Não é fácil falar de certos assuntos, mas é necessário. Quanto mais não seja, porque é preciso compreender a causa de certos fenómenos. Ou, pelo menos, procurar explicações. E nada parece ter sido tão falado, nos últimos tempos, como a crise "psicológica" que se vive em Portugal.
 
Há muitas explicações, e talvez poucas soluções. E, todavia, estas têm que ser encontradas. Uma análise correcta de algumas causas pode ajudar.
   
Portugal é um País com um estranho "azar". Apesar da sua dimensão, criou impérios que lhe foram dando riqueza sem que tivesse, internamente, de produzir o que necessitava. Foi a África, a Índia, o Brasil, e de novo a África. As riquezas entradas foram basicamente exportadas, sem valor acrescentado. Um aproveitamento pobre da grandeza adquirida. Tudo, ou quase, do que era manufacturado, era importado com os lucros de tais riquezas. A produção regrediu, até, em certos aspectos, em relação à época anterior à Expansão.
   
Quando os Impérios desapareciam, um outro surgia, e o ciclo repetia-se. Até que desapareceu o último. E, ao fim e ao cabo, o que ficou de material? Pouco, muito pouco. Quase nada.
   
Como referiu, e muitíssimo bem, numa carta publicada na Imprensa um cidadão de Esposende chamado Carlos Sampaio, com quem adoraria trocar impressões, o que ficou, em Portugal, foi uma mentalidade negativa, concretamente "a noção de que não é fundamental contribuir para a criação de riqueza, de que basta estar estrategicamente colocado por onde ela passa".
   
Para as elites associadas a este modelo de "desenvolvimento", produzir valor acrescentado nacional era inútil, já que bastava ter lucros a exportar matérias-prima e "ganhar dinheiro a importar os produtos de qualidade acabados". A esta burguesia vendedora-compradora não-produtiva, não interessava uma indústria portuguesa autêntica, que lhe faria concorrência. Daí que algumas tentativas industrializadoras portuguesas tenham sido por ela combatidas, e até aniquiladas.
   
A pouca indústria que se foi desenvolvendo, contra ventos e marés, "foi sempre considerada de segunda classe". Ainda hoje se nota uma mentalidade, que não é nova, de considerar fraco e fora de moda o que se produz em Portugal, e considerar bom tudo o que vem de fora. Este desprezo pelo que por cá se faz "é um dos maiores problemas culturais" no País. Não se motiva o aperfeiçoamento, nem o fazer diferente. A inovação não é recompensada. E, sem inovação, dificilmente há exportação... salvo através de empresas, muitas estrangeiras, que se servem de baixos custos de mão-de-obra... e que "fogem" mal encontram outra de custos ainda mais baixos. Encontrar uma marca portuguesa no estrangeiro é difícil. Algumas "disfarçam-se" atrás de rótulos em inglês, francês, castelhano... para assim conseguirem entrar em vários mercados, incluindo (ironia das ironias!) o Português!!!
   
É evidente que, em tudo isto, está instalada uma indefinição da imagem do próprio País. "Uma internacionalização estará condenada se por detrás dela tiver uma crise existencialista de valores".
   
O nosso futuro depende de vários factores. Não nos podemos limitar "a arranjar um bom lugar na margem do rio e esperar ir apanhando uns bons peixes que passem". A qualquer momento alguém pode deixar de fornecer o rio, ou poderá desviá-lo. É preciso "escolher que peixes temos condições para desenvolver, proporcionar condições para os desenvolver, criá-los com base em conhecimentos", e nunca ficar sentados à espera.
   
Isto implica pensar ou repensar um país. Mais do que chorar, interessa meditar, e encontrar soluções. É a única alternativa à morte por inacção. É a única forma de justificar uma atitude optimista. Ao menos uma vez, veja-se o exemplo espanhol. Não ficam os nossos vizinhos sentados, à espera. Não! Reclamam, protestam, lutam pelo que julgam ser justo. Sobre Gibraltar, por exemplo. E compare-se com a atitude portuguesa sobre Olivença. Mas, aqui, detenhamo-nos essencialmente sobre aspectos de organização interna da sociedade. O que há a fazer?
   
Há que pensar na formação, e não tratar o Ensino como parente pobre. Há que incentivar o trabalho, e valorizá-lo. E dar o exemplo. Como esperam algumas elites que se trabalhe, se o exemplo que fornecem é negativo? E, claro, há que recompensar de facto quem trabalha, principalmente quem produz valor acrescentado.
   
Tem de se dividir melhor a riqueza, um dos maiores males que afectam, desde há séculos, o nosso País. Segundo o Instituto Nacional de Estatística, os 20% da população portuguesa mais pobre recebe 5 % do Rendimento Líquido Nacional, e os 20% da população mais rica recebe 7,6 mais do que os 20% mais pobres. Esta diferença é o dobro da verificada nos outros países da União Europeia. Este quadro fica mais negativo se acrescentarmos que os 10% mais pobres recebem 2,2% e que os 10% mais ricos recebem 29%. Isto significa... 13 vezes mais!!!
   
Há que incentivar causas, e não prometer ou procurar riqueza imediata, pois esta só se consegue com objectivos mobilizadores que expliquem sem margem para dúvidas os benefícios de alguns sacrifícios.
   
Muito mais haverá a dizer sobre todas estas problemáticas, mas, de momento, parece-me preferível terminar aqui mesmo, esperando apenas estar a dar o meu contributo para uma reflexão geral em torno dos problemas que afectam Portugal neste início de 2006.
       
Estremoz, 17 de Janeiro de 2006
 
Carlos Eduardo da Cruz Luna     
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D