Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DOMÍNIO INGLÊS NO BRASIL - 4

OS TRATADOS DE 1810

 

 

Final da parte 3: Estabelecido no Brasil o governo luso, a Inglaterra se comprometeria a não reconhecer como rei de Portugal outro príncipe que não fosse o herdeiro legítimo da casa de Bragança. As negociações seriam, então, iniciadas para a assinatura de um tratado de comércio e de assistência entre a Inglaterra e Portugal. Uma clausula adicional estipulava que, caso fossem fechados os portos lusos aos navios ingleses, seria estabelecido na ilha de Santa Catarina ou em qualquer outro ponto da costa brasileira um porto pelo qual as mercadorias inglesas transportadas por navios ingleses pudessem ser importadas pelo governo ou por comerciantes sujeitas às mesmas taxas que pagavam até aí nas alfândegas de Portugal. A localização em Santa Catarina do porto  que pleiteavam e que conseguiram era estratégica e a condição estava realizada para isto: o fechamento dos portos lusos aos navios ingleses. De Santa Catarina as mercadorias poderiam chegar, sem maiores dificuldades à área platina.

 

 

Parte 4: Tais concessões foram discutidas por Strangford em Lisboa, durante os preparativos da partida do Príncipe e da Família Real. Acerca das concessões na América, que o tratado secreto de Outubro previra, tinha dito o Ministro dos Estrangeiros, Antonio de Araújo de Azevedo, que, no caso de partir o Príncipe com a Família Real, todas as dúvidas desapareceriam. Não era este o parecer de Strangford, que na última hora, já embarcado o Regente, foi à nau Medusa, onde o Ministro se encontrava, fazer as exigências seguintes: abertura dos portos do Brasil ao comércio; cessão de um deles aos ingleses; tarifa especial nas alfândegas reduzidas para a Inglaterra. Mais ou menos o que a convenção secreta, além do prometido, implicava. Na falta do acordo o Almirante Sidney Smith não deixaria sair do Tejo a esquadra portuguesa.  

Almirante Sir William Sidney Smith (1764-1840)

O Príncipe e a Família Real ficavam prisioneiros dos franceses. Portugal teve de ceder: “A posse do Brasil, de cuja riqueza dependia a metrópole era a preocupação maior da Coroa e dos seus Conselhos. Era preciso cuidar para preservá-lo ou nele procurar abrigo. Assim, a assinatura da convenção secreta de Londres havia estabelecido a base jurídica de que Canning tinha necessidade para impor a proteção britânica à ameaçada dinastia Bragança”. Como, apesar da convenção secreta, a Corte ainda hesitasse em partir, Canning instruiu Strangford e o Almirante Sidney Smith que obtivessem a decisão da partida.

 

Na manhã de 29 de novembro de 1808, sob escolta inglesa e em trinta e seis navios, a Corte portuguesa deixava o país. Strangford acompanhou a frota até a altura da Madeira de onde a 5 de Dezembro se dirigiu a Inglaterra para prestar contas das suas ações.

Na véspera, Junot deixara Sacavém com uma vanguarda de quatorze homens e um exército de mil e duzentos soldados, restos da tropa de mais de vinte e três mil com que se deslocara de Bayonne, cujas possibilidades de combate eram mínimas. Sem cavalaria, artilharia, munições, sapatos ou géneros alimentícios, cambaleando de cansaço, a tropa parecia mais a evacuação de um hospital do que um exército que marchava triunfalmente para a conquista de um reino. Antes de encerrar o ano de 1808, o país foi libertado com a cooperação das forças inglesas mediante acordo que firmariam em 1810.

 

(Continua)

 

Belo Horizonte, 26 de Abril de 2008

Therezinha B. Figueiredo  

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D