Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Burricadas nº 29

20020910-033 NewYork financial wall street.JPG

Ai, Alan, Alan. que rica herança nos deixaste - VI

v      Que esta não é uma crise bancária “canónica” (pelo menos, no seu início), já poucos duvidam. Porque segundo o cânon as crises bancárias começam com os depositantes, aflitos, a retirarem todo o seu dinheiro dos Bancos (o que ainda não aconteceu, excepção feita ao Northern Rock Bank, no Reino Unido) e terminam com inúmeras falências e outras tantas injecções de dinheiros públicos.

v      Até agora, quase tudo se tem passado no selecto círculo dos mercados interbancários, que praticamente secaram de um dia para o outro. A dura realidade é que os Bancos deixaram de emprestar fundos uns aos outros, ainda que só por prazos muito curtos. Por precaução, preferem manter esses fundos sob a forma de depósitos junto do Banco Central – ou utilizam-nos para adquirir títulos que, em caso de necessidade, dêem acesso imediato às facilidades de liquidez estabelecidas pelo Banco Central.

v      E em vez de uma “corrida aos Bancos” por parte do vulgar depositante (o episódio do Northern Rock Bank, como disse, é um caso por enquanto excepcional), assiste-se, sim, a uma “corrida aos resgates” (de unidades de participação em Entidades de Investimento Colectivo) – e ao paralelo definhamento de tantas e tantas linhas interbancárias.

v      Resultado: a distribuição da liquidez, quer a nível global, quer no interior dos sistemas bancários nacionais, está a ficar cada vez mais assimétrica. E se hoje alguns Bancos se debatem já com problemas de liquidez, é muito provável que, no futuro próximo, os sistemas bancários que dependam estruturalmente de fundos externos venham a encontrar-se em situação semelhante – e, com eles, as respectivas economias. Cuidado! Crises cambiais dispersas não se encontram tão distantes assim!

v      Curioso. Do que é dado ver, dir-se-ia que esta crise foi desencadeada precisamente pela disciplina do mercado. Uma disciplina talvez demasiado exacerbada, aqui e ali com tiques de histeria – mas que, não obstante, traduz de modo inequívoco a reacção dos “pares” (isto é, dos Bancos parceiros nos mercados interbancários) perante situações, ou a suspeita de situações consideradas excessivamente expostas a determinados riscos.

v      Ora, a disciplina do mercado foi pensada para servir de defesa avançada das Autoridades Monetárias – uma espécie de sistema imunitário que eliminaria, logo no embrião, comportamentos imprudentes, excessivo apetite pelo risco e insuficiências, apenas suspeitadas, de capital.

v      Será esta crise um caso patológico de imunodeficiência, em que os defensores (a disciplina do mercado) se voltam contra aqueles que deveriam proteger (a estabilidade do sistema financeiro, a margem de manobra das Autoridades Monetárias e, em última análise, o dinheiro dos contribuintes)?

v      Se for, é preocupante. Desde logo porque, no quadro de Basileia II, a disciplina do mercado (e a “vigilância dos pares”) é um dos três pilares sobre os quais assenta a estabilidade dos sistemas financeiros (sendo os outros dois: o nível de capitalização dos Bancos e a supervisão prudencial por uma entidade independente). Vê-la a desestabilizar causa arrepios – e suscita uma pergunta fatídica: será que a arquitectura actual do sistema financeiro é tão sólida quanto os seus mentores não se cansam de repetir?

v      Sim e não. Explico-me: sim – porque aqueles três pilares bastam para manter qualquer sistema financeiro suficientemente estável; não – porque Autoridades Monetárias, Reguladores e Supervisores não parecem estar ainda preparados para exercerem de forma producente as funções que o 2º pilar (a supervisão prudencial) lhes confia, tal como os “pares” têm ainda um longo caminho a percorrer até atingirem um estágio de vigilância (3º pilar) continuada e profícua. E esta crise veio revelar à saciedade isso mesmo.

v      Tivessem os “pares” sido mais vigilantes e, estou em crer, os Bancos com maior apetite pelo risco, ou demonstravam possuir capitais à altura, ou deparar-se-iam nos mercados interbancários com um custo de capital mais elevado, se não mesmo com menor disponibilidade de fundos – e, em tais circunstâncias, financiar posições expostas a grandes riscos não seria tarefa fácil.Tudo vai de saber, então, porque é que as coisas não se passaram exactamente assim? (cont.)

Lisboa, Abril de 2008

 A. PALHINHA MACHADO

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D