Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Burricadas nº 29

20020910-033 NewYork financial wall street.JPG

Ai, Alan, Alan. que rica herança nos deixaste - VI

v      Que esta não é uma crise bancária “canónica” (pelo menos, no seu início), já poucos duvidam. Porque segundo o cânon as crises bancárias começam com os depositantes, aflitos, a retirarem todo o seu dinheiro dos Bancos (o que ainda não aconteceu, excepção feita ao Northern Rock Bank, no Reino Unido) e terminam com inúmeras falências e outras tantas injecções de dinheiros públicos.

v      Até agora, quase tudo se tem passado no selecto círculo dos mercados interbancários, que praticamente secaram de um dia para o outro. A dura realidade é que os Bancos deixaram de emprestar fundos uns aos outros, ainda que só por prazos muito curtos. Por precaução, preferem manter esses fundos sob a forma de depósitos junto do Banco Central – ou utilizam-nos para adquirir títulos que, em caso de necessidade, dêem acesso imediato às facilidades de liquidez estabelecidas pelo Banco Central.

v      E em vez de uma “corrida aos Bancos” por parte do vulgar depositante (o episódio do Northern Rock Bank, como disse, é um caso por enquanto excepcional), assiste-se, sim, a uma “corrida aos resgates” (de unidades de participação em Entidades de Investimento Colectivo) – e ao paralelo definhamento de tantas e tantas linhas interbancárias.

v      Resultado: a distribuição da liquidez, quer a nível global, quer no interior dos sistemas bancários nacionais, está a ficar cada vez mais assimétrica. E se hoje alguns Bancos se debatem já com problemas de liquidez, é muito provável que, no futuro próximo, os sistemas bancários que dependam estruturalmente de fundos externos venham a encontrar-se em situação semelhante – e, com eles, as respectivas economias. Cuidado! Crises cambiais dispersas não se encontram tão distantes assim!

v      Curioso. Do que é dado ver, dir-se-ia que esta crise foi desencadeada precisamente pela disciplina do mercado. Uma disciplina talvez demasiado exacerbada, aqui e ali com tiques de histeria – mas que, não obstante, traduz de modo inequívoco a reacção dos “pares” (isto é, dos Bancos parceiros nos mercados interbancários) perante situações, ou a suspeita de situações consideradas excessivamente expostas a determinados riscos.

v      Ora, a disciplina do mercado foi pensada para servir de defesa avançada das Autoridades Monetárias – uma espécie de sistema imunitário que eliminaria, logo no embrião, comportamentos imprudentes, excessivo apetite pelo risco e insuficiências, apenas suspeitadas, de capital.

v      Será esta crise um caso patológico de imunodeficiência, em que os defensores (a disciplina do mercado) se voltam contra aqueles que deveriam proteger (a estabilidade do sistema financeiro, a margem de manobra das Autoridades Monetárias e, em última análise, o dinheiro dos contribuintes)?

v      Se for, é preocupante. Desde logo porque, no quadro de Basileia II, a disciplina do mercado (e a “vigilância dos pares”) é um dos três pilares sobre os quais assenta a estabilidade dos sistemas financeiros (sendo os outros dois: o nível de capitalização dos Bancos e a supervisão prudencial por uma entidade independente). Vê-la a desestabilizar causa arrepios – e suscita uma pergunta fatídica: será que a arquitectura actual do sistema financeiro é tão sólida quanto os seus mentores não se cansam de repetir?

v      Sim e não. Explico-me: sim – porque aqueles três pilares bastam para manter qualquer sistema financeiro suficientemente estável; não – porque Autoridades Monetárias, Reguladores e Supervisores não parecem estar ainda preparados para exercerem de forma producente as funções que o 2º pilar (a supervisão prudencial) lhes confia, tal como os “pares” têm ainda um longo caminho a percorrer até atingirem um estágio de vigilância (3º pilar) continuada e profícua. E esta crise veio revelar à saciedade isso mesmo.

v      Tivessem os “pares” sido mais vigilantes e, estou em crer, os Bancos com maior apetite pelo risco, ou demonstravam possuir capitais à altura, ou deparar-se-iam nos mercados interbancários com um custo de capital mais elevado, se não mesmo com menor disponibilidade de fundos – e, em tais circunstâncias, financiar posições expostas a grandes riscos não seria tarefa fácil.Tudo vai de saber, então, porque é que as coisas não se passaram exactamente assim? (cont.)

Lisboa, Abril de 2008

 A. PALHINHA MACHADO

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D