Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Burricadas nº 28

grrrr.jpg

Ai, Alan, Alan. que rica herança nos deixaste - V

v      De início, no Verão passado, era apenas uma simples turbulência com epicentro nos empréstimos hipotecários subprime - coisa de americanos.

v      À medida que o final de 2007 se aproximava, ouvia-se já falar de crise, circunscrita embora a uns poucos mercados hipotecários nacionais. E havia mesmo quem predissesse (sotto voce, é certo) que os efeitos poderiam extravasar a economia dos EUA.

v      Poucos dias volvidos, com muitos dos Bancos internacionalmente mais activos a divulgarem perdas em crescendo, a coisa passava a crise bancária – e os Bancos Centrais das maiores economias ocidentais andavam já numa roda-viva para manter os mercados interbancários suficientemente líquidos.

v      Mais recentemente, conhecidas as contas deste 1º trimestre, tudo aponta para uma crise que se instalou bem no âmago do sistema financeiro internacional - uma crise financeira profunda que não deixará incólume a esfera real da economia.

v      Resta saber se esta crise vai acabar por irromper, sabe-se lá quando, no mercado da dívida de taxa fixa - muito especialmente a que é emitida pelas agências imobiliárias norte-americanas (FANNY MAE, FREDDIE MAC; GINNY MAE, etc.). Se isso acontecer, será o colapso do sistema financeiro internacional, tal como tem vindo a ser laboriosamente construído nos últimos vinte e cinco anos.

v      Decorridos todos estes meses, uma conclusão parece, desde já, segura: os esteios do sistema financeiro internacional (as Autoridades Monetárias, os Reguladores, os Supervisores, as Agências de Rating) falharam em toda a linha.

v      Falharam quando deixaram que as taxas directoras se arrastassem demasiado tempo por níveis muito inferiores ao ritmo a que as suas economias estavam a crescer.

v      Falharam quando faziam vista grossa a taxas de retorno (pricing) nas operações de crédito bancário que mal cobriam as perdas a que os Bancos se expunham.

v      Falharam quando subestimaram repetidamente desequilíbrios nos mercados financeiros cuja gravidade era por demais evidente.

v      Falharam quando não se aperceberam dos sinais que prenunciavam tempos de crise – se é que chegaram a detectá-los alguma vez.

v      Falharam quando permitiram que o quadro de regulação prudencial que tinham instituído, e que tudo faziam para preservar intacto, fosse perdendo aderência à realidade.

v      Falharam quando lhes escapou a verdadeira dimensão do risco que se acumulava nos Balanços dos Bancos – designadamente, a espiral risco de mercado (preços das casa) / risco de crédito (posições longas em crédito hipotecário) / risco de mercado (cotação dos instrumentos de titularização); mas outras havia, e há.

v      Falharam quando não cuidaram de tipificar as cláusulas nucleares dos activos subjacentes às operações de desintermediação e de titularização (Atenção! Não estou a defender a fixação de contratos tipo que tolham a liberdade das partes e espartilhem a vida financeira).

v      Falharam quando tomaram por bom, para efeitos prudenciais, todo e qualquer contrato de transferência de risco, por mais abstrusas e imprecisas que fossem as respectivas condições de exercício.

v      Falharam, quando toleraram durante tanto tempo que as regras da contabilidade bancária capturassem de modo extremamente deficiente os efeitos patrimoniais dos instrumentos derivados e dos contratos contingentes, em geral.

v      Falharam, enfim, quando permaneceram agarrados a modelos de informação financeira que pouco tinham a ver já com as actividades que lhes competia orientar, regular e supervisionar.

v      Na raiz de tantos e tão persistentes falhanços: (a) a ineficiência dinâmica – lançada a propósito, e prolongada a despropósito, pelo FED e por tantas outras Autoridades Monetárias - que criou a ilusão de que eram possíveis ganhos substanciais sem trabalho e sem risco; (b) a crença dos Supervisores de que o risco se deixaria amestrar pelos rituais e formalidades de uma burocracia acomodada; (c) muita displicência a propósito das operações de transferência de risco; (d) a fé cega de todos, Supervisores e Bancos supervisionados, em esquemas concebidos unicamente para recolher e tratar o que aconteceu, mas completamente inadequados para proporcionar uma visão razoável sobre o que possa vir a acontecer (ou seja, sobre a incerteza e o risco inerentes à actividade económica e aos mercados financeiros).

v      Em comum, como se vê, uma só coisa: risco.

v      Melhor: por um lado, o modo como todos os intervenientes nos mercados financeiros (sem esquecer, Autoridades Monetárias, Reguladores e Supervisores) abordavam, mediam e lidavam com o risco; por outro, o modo como era divulgada a exposição ao risco para que a disciplina do mercado pudesse actuar e assim reforçar a estabilidade dos sistemas financeiros. E, até ver, nada mudou.

v      As falhas apontadas mais acima que não envolvem directamente a gestão do risco podem ser prontamente corrigidas. Agora, verdadeiramente difícil será ver Autoridades Monetárias, Reguladores e Supervisores, todos eles, comprovadamente habilitados para, primeiro, avaliarem a exposição dos seus sistemas financeiros ao risco e, seguidamente, determinarem o capital adequado a esse perfil do risco.

v      Ora, é justamente para o risco e a disciplina do mercado que a presente crise veio chamar a atenção, numa altura em que o Novo Acordo de Basileia dá os seus primeiros passos (começou a ser aplicado em 2007). Daí o sentimento de que, bem vistas as coisas, se trata de uma crise muito, muito oportuna. (cont.)

 

Lisboa, Abril de 2008

 

A. PALHINHA MACHADO

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D