Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A PROVÍNCIA PLATINA - 9

          
                         O TROPEIRISMO NO BRASIL
 
 
Final da parte 8: Quando os interesses coincidiam, os dos proprietários sulinos e os do Império, as forças regulares e irregulares lutavam juntas com predomínio destas. Havia, entre elas, contradições também. Nesse caso, deflagravam em lutas. A Farropilha foi a mais destacada. Emergiu, nesse conflito, o velho contraste marcado pelas reminicências heróicas da Campanha entre as duas áreas de colonização. De um lado, os estancieiros à frente dos gaúchos pobres, que formavam a sua tropa e a sua peonagem. Do outro, os elementos dependentes da autoridade pública - a população estável, pertencente à classe média das cidades, do litoral marítimo e lagunar e das regiões onde a colonização alemã começara a ser introduzida a partir de 1824.
A rebelião dos farrapos teve início em Porto Alegre(atual capital do Rio grande do Sul), mas teve na Campanha a sua base de sustentação e tinha como objetivo tornar-se independente do Brasil, pois a eles o governo central devia grande quantia de fornecimento não pagos; a sua produção e ao seu comércio o império tributava com rigor para auferir rendas que saía da província.
 *   *   *
Parte 9: Ao assumir o comando das forças destinadas a por fim a esta rebelião, que empobreceu e arruinou propriedades, Duque de Caxias ofereceu paz honrosa e acenou com perspectivas de um novo acordo entre os senhores da Campanha e o Império; e nova intervenção nas questões platinas envolvendo as ricas pastagens ao sul do Ibicui. A situação ali caminhava para uma crise militar - uma solução tradicional e antiga. Os proprietários brasileiros da Banda Oriental, agora estado autônomo, exigiam constantemente a proteção do governo central. A fronteira voltava a ser cenário de lutas constantes entre estancieiros que operavam por conta própria.
 
Os tratados anteriores de limites e todos os acordos até então assinalados deixavam a região ao sul do Ibicui aos orientais. Nela a população e os proprietários brasileiros somavam a maioria. Essa realidade continha a origem dos conflitos sucessivos caracterizando a fronteira do Ibicui como uma zona de transição sempre conflagrada. A luta contra Rosas - ditador argentino - conduzida do Rio Grande do Sul por Duque de Caxias mobilizou os sobreviventes da luta Farropilha e conduziu a um acordo razoável entre os estancieiros e o governo imperial na esperança de, com a vitória de Caseros, por fim a esta situação já prolongada e insustentável. Os acordos assinados com os aliados brasileiros do Estado Oriental, chefiados pelo general Flores, definiu a entrega dos campos ao sul do Ibicui ao Brasil. Pela primeira vez a linha do Quaraí surge no mapa como fronteira sulina.
  
Luís Alves de Lima e Silva, Duque de Caxias (1803-1880)
O quadro geral da Campanha é alterado outra vez com o advento da carne e instalação dos frigoríficos responsáveis por uma nova e importante mudança de ordem social, política e econômica. Nesse tempo, o fator imigração determinou o predomínio do tipo de população oriunda do litoral e da bacia do Guaíba; influenciou na diferenciação sucessiva da gente da Campanha. A luta federalista foi o seu último arremesso. Consolidada a República, a Campanha ficou reduzida ao controle do poder central e os vestígios de uma época foram eliminados. 
    
Fim
 
Belo Horizonte, 27 de março de 2008
Therezinha B. de Figueiredo

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D