Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PÁGINAS SIMPLES DE DOMINGO - 1

PEDRAS QUE FALAM

 

 

Há dias, estava eu a tomar um café e a comer um rissol quando a Polícia Municipal chegou com o reboque para a remoção de carros mal estacionados. Logo levou um que se encontrava com duas rodas sobre o passeio frente ao bistro em que eu me encontrava. Ainda não tinham – reboque e rebocado – passado a esquina lá ao fundo da rua e já dois carros disputavam o lugar de que o anterior tinha sido removido. Foi necessário o cavalheiro que, ao meu lado, estava de pé ao balcão dizer-lhes o que tinha acabado de acontecer para seguirem com a discussão para outro lugar. Ou seja, nesta cena tão breve quanto profana, houve quem contasse a história mas dá para imaginar a ignorância de todos aqueles que passam sobre as pedras da rua sem imaginarem o que por ali mesmo se passou há pouco ou há muito. E se há episódios que podem ser importantes para os interesses imediatos dos incautos – a Polícia Municipal voltar ali para continuar a rebocar carros mal estacionados – outras situações haverá cujo conhecimento nos pode dar um grande sentido de responsabilidade pelos passos que damos sobre certas pedras.

 

Saber que nos encontramos no local exacto em que o Rei D. Dinis perguntou à Rainha D. Isabel o que levava no regaço tendo ela respondido que «São rosas, Senhor», que foi daquele preciso local que D. Nuno Álvares Pereira assistiu ao fecho da abóbada do Convento do Carmo e que uns séculos mais tarde dali mesmo o Capitão Salgueiro Maia desmoronou o Império, que ali, naquela sala do castelo de Palmela, o Rei D. João II apunhalou o Duque de Viseu, saber que foi sob aqueles arcos do seu Paço sobre a foz do Tejo que o Rei D. Manuel viu a armada de Vasco da Gama zarpar para a Índia e que naquele outro arco estava a porta que entalou Martim Moniz…

  «São rosas, Senhor»

Pisar essas pedras dá-nos uma certa solenidade, um verdadeiro sentido de responsabilidade histórica. Isso mesmo senti quando espalmei uma mão sobre as pedras do Forte d’Aguada em Goa e imaginei o que elas “viram” antes de eu ali chegar… Não somos nós que somos importantes por ali estarmos naquele lugar; apenas nos enforma o sentido do respeito histórico, cultural. E imaginamos…

  

Porta do Castelo de S. Jorge, Lisboa - por Francisco Gomes de Amorim

Imaginamos o vazio daqueles que ignoram o que se passou e, pior ainda, o deserto mental daqueles que nem sequer querem saber.

 

Mas cheguei à conclusão de que, felizmente, as pedras são inertes.

 

Imagine-se o que seria se elas reagissem a estímulos. Devia ser um tremor constante com algumas a saltar mais que outras conforme o que cada uma tivesse “visto”. Haveria mesmo as que levitariam.

 

O que aconteceria às calçadas de Lisboa por que passaram Camões e Herculano quando fossem pisadas por analfabetos boçais e bêbados de destino incerto?

E a que altura subiriam aquelas de Königsberg que durante mais de meio século foram pisadas por Emmanuel Kant quando os soldados nazis as pisaram com botas fanáticas e quando os alienados bolcheviques a transformaram em Kaliningrad?

É este sentido de responsabilidade histórica que a todos deveria motivar. Bastaria que tivessem interesse. Bastaria que fossem cultos. E ser culto não é saber muitas coisas: é querer saber o significado das que se conhecem e estar aberto a conhecer outras mais.

É que, apesar de serem inertes, as pedras contam-nos muito e podem conduzir-nos à sabedoria, estado que só se alcança se percebermos o que nos rodeia.

Dá para imaginar quanto problema poderia ter sido evitado se os líderes históricos não mentissem como hoje é banal e tivessem tido esta preocupação cultural básica: a busca do significado.

Lisboa, Março de 2008

Henrique Salles da Fonseca

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D