Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AS CONFERÊNCIAS DE LISBOA

SERÕES CULTURAIS DA

SOCIEDADE HÍPICA PORTUGUESA

1

 

Rei D. Carlos 

(1863-1908)

O Partido Regenerador e o Partido Progressista, ambos monárquicos, alternavam na governação de Portugal sem que nenhum deles resolvesse os problemas estruturais que a Nação diagnosticava mas sobre cujas terapêuticas ninguém se entendia. Cada um dos Partidos apenas revelava saber governar quando estava na Oposição e quando estava fora do Governo distribuía entre os seus proeminentes membros os vários cargos bem remunerados de algumas ricas empresas monopolistas de cariz para-público, v.g. a Companhia dos Tabacos. Os problemas mais mediáticos tinham a ver com uma flagrante sensação de fraqueza de Portugal no contexto internacional. O Ultimatum pusera essa tónica em grande relevo fazendo surgir uma onda de nacionalismo que chamou a atenção para o atraso relativo em que o país se encontrava. O próprio Rei entendia que era necessário transformar em virtuoso o ciclo vicioso em que o Regime se encontrava. Mais: do descontentamento generalizado era o Partido Republicano Português quem mais dividendos extraía assim pondo o próprio Regime em causa. Ou seja, o Rei considerava que era necessário quebrar a rotina e que era urgente fazê-lo.

 

D. Carlos convidou então o Conselheiro João Ferreira Franco Pinto Castello Branco – que ficou na História conhecido por Conselheiro João Franco – a constituir Governo uma vez que este Senhor tinha criado o Partido Regenerador-Liberal (o chamado Partido Franquista) num processo a que hoje chamaríamos de spin-off do Partido Regenerador. Neste Partido João Franco reuniu aqueles que ele considerava a nata da sociedade portuguesa entre militares experientes e coroados de glória nas campanhas africanas e civis com provas dadas de grande sentido de Estado. Mas se o Partido Franquista começou por congregar uma elite notável, ao abrir Delegações locais um pouco por toda a parte (chegaram a ser 28), introduziu um elemento de destabilização no sistema até então instalado que ao todo e por atacado pouco mais longe alcançava do que as tertúlias lisboetas e um ou outro núcleo no Porto e em Coimbra mas todos de dimensão praticamente ínfima. Até então o povo não era tido nem achado na feitura da política nacional mas aquelas Delegações locais do franquismo chamaram a atenção popular para o arranjinho há muito cozinhado no Chiado.

 

Conselheiro João Franco

(1855-1929)

Ou seja, se João Franco tinha a oposição dos republicanos por uma questão de Regime, concitou igualmente o antagonismo daqueles, monárquicos, a quem estragou o dito arranjinho.

 

Para complicar o cenário, tanto republicanos como monárquicos eram atravessados por uma fronteira nítida entre moderados e radicais sendo que também a Maçonaria, a Igreja e a Carbonária disputavam lugares na cena global.

 

Tudo visto e ponderado, resultava um cenário muito alheado da ponderação, nada sereno e em tudo fazendo lembrar a expressão popular que reza que «em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão».

 

Destabilização de arranjinhos, perspectivas goradas, ânimos exacerbados e eis que D. Carlos é por todos apontado como o responsável dos problemas nacionais.

 

Avisado por inúmeras vezes de que algo de muito grave se preparava, o Rei não deu ouvidos a todos os verdadeiros amigos que lhe pediram para que não viesse a Lisboa naquele dia 1 de Fevereiro mas que, se o fizesse, que não seguisse numa carruagem aberta. A todos ignorou e quando o Dr. Ruy d’Andrade no dia 31 de Janeiro de 1908 foi de Stª Eulália, perto de Elvas, em galope desenfreado até Vila Viçosa para prevenir D. Carlos de que o assassínio estava previsto para o dia seguinte, o Rei respondeu-lhe de modo diversivo: - Oh Ruy! Já viste que bonito está hoje o dia?

 

Puro Sentido de Estado ou mero suicídio?

 

Passados 100 anos sobre o acontecimento, os enigmas que envolvem o regicídio são ainda tantos que a tinta continua a correr e o tema a apaixonar os portugueses que bem tentam descortinar um rumo para a situação por que Portugal atravessa de novo.

 

E porque este foi o tema do primeiro Serão Cultural da Sociedade Hípica Portuguesa, a sala de conferências encheu-se no dia 14 de Março de 2008 de uma assistência culta e muito motivada que não deu pelo tempo passar ao ouvir a interessantíssima exposição feita pelo

 Professor Doutor Mendo Castro Henriques.

 

Ao longo dos seus 98 anos de existência, a Sociedade Hípica Portuguesa tem sido palco de altos momentos desportivos mas este vem certamente juntar-se-lhe como um marco da mais elevada qualidade cultural e mesmo intelectual.

 

Lisboa, 15 de Março de 2008

 

Henrique Salles da Fonseca

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D