Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A SAGA DE UM CORVINO – Cap. IV

 

 

   José Cândido de Avellar 

 

Após o trabalho era com visível ansiedade que nosso corvino chegava a casa de Maria José para ouvi-la nas suas leituras e para aprender a escrita das primeiras palavras. Foi um tempo de convívio que fortaleceu entre eles o sentimento que começou na estalagem da senhora Adelaide e que agora amadurecia e ganhava expressão mais duradoura, apesar das desconfianças e má vontade da senhora Bárbara. Ela percebia que a verdadeira intenção de José era deixar a América, e levar-lhe a filha e os netos.   Voltar às ilhas, depois de se acostumar ao conforto material americano,  não fazia parte do sonho dela. Mas,  malandro, José dizia para convencê-la que na sua terra tinha propriedades e que precisava cuidar delas, pois seus pais estavam velhos.

 

Foi assim que numa manhã de Domingo, com poucos convidados, a maioria imigrantes açorianos, eles se casaram na Igreja dos Irlandeses, em  New Bedford. A viagem de regresso para o Corvo não tardou. Para José o sonho americano se desfez, mas trouxe-lhe o conhecimento daquilo que ele verdadeiramente esperava da vida. Aprendeu que mesmo no desconforto,  nas faltas e trabalhos,  há coisas que não têm preço, e que é preciso perdê-las para saber o quanto são importantes para nós. Para Maria José não seria fácil a readaptação. Ela que vivia na América há mais tempo e que tinha filhos americanos.   Mesmo assim,  por amor,  voltou à terra de origem e construiu com José uma família corvina da qual descendo.

 

A maioria dos imigrados não retornou,  se adaptou ou tentou se adaptar ao novo estilo de vida americano. Lutou dia e noite pelo  conforto, segurança económica e abastança.  Por humildade e ignorância, muitos sentindo-se inferiores, conformaram-se com a segregação num pais construído por imigrantes, como eles.  

Procuraram esconder a língua, esqueceram o passado de coragem, força e capacidade de sobrevivência de seu povo. Alguns até cortaram raízes com sua cultura e se sentiram felizes quando os filhos e netos, nascidos na nova terra,  diziam não saber falar o português. Seus descendentes eram americanos, sem direito ao reconhecimento de suas raízes e ao orgulho de terem séculos e séculos de História e de uma genética que vingou apesar das mutações  da mãe natureza.

 

Mas houve também aqueles,  como o madeirense João Pereira, conhecido como John Pereira,  que de humilde e desconhecido imigrante passou a respeitado cidadão local. Espírito ambicioso, desbravador e aventureiro, na época da corrida do ouro na Califórnia fez fortuna, ajudou a fundar a cidade de Jamestown, em Serra Nevada,  e fez parte activa e importante na  colonização do Far West americano.  Superou doenças e venceu contendas.  Comprou terras, fez hotel e um rancho famoso pela produtividade de frutos e hortaliças, onde dava festas concorridas e conhecidas nas redondezas e que cem anos mais tarde seria palco de filmes como Bonanza e seriados da TV americana. João Pereira não foi um anónimo construtor de uma comunidade,  foi como poucos,  um sucesso reconhecido,  não importando para a sociedade, nestes casos,  a nacionalidade, cor ou credo do indivíduo.

 

José Cândido de Avellar, meu bisavô  (pai de minha avó paterna), retornou às origens, coisa nem sempre fácil de fazer, e se readaptou. Talvez porque voltou a tempo de não perder as mudanças que ocorrem aqui e alhures, na  corrida da vida. Escolheu a solidão compartilhada da sua ilha, as histórias antigas e pachorrentas da sua vila, as missas dos Domingos,  o marulhar das ondas batendo na rocha vulcânica, os sustos das intempéries, a espera do navio no horizonte, o labutar silencioso da terra, quebrado pelo balido das cabras e ovelhas. No Corvo fez a sua vida, constituiu e criou família que apesar das idas e vindas continuou a vocação pela emigração,  sem no entanto perder o amor à terra natal e o orgulho de suas raízes, mesmo às mais humildes.  

 

Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 05/03/08

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D