Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRUZEIRO DO SUL

As  independências

 

Já alguém disse: Um povo que tenta recuperar a sua independência é sempre digno de respeito. Evidente. Ninguém gosta de patrão. Sobretudo quando não precisa de patrão para lhe garantir as sopas e as cuecas lavadas no fim do mês.

A Iugoslávia implodiu pós Tito, na ocasião ninguém reclamou, e como os Balcans – cuja palavra, de origem turca, significa “montanha” – por sua orografia, formam uma fronteira natural, foi nessa região que os europeus, os cristãos, conseguiram segurar a explosiva expansão do Islão. Região de fronteira entre duas filosofias e dois credos que cada vez mais parece que se opõem, teria que ser o que sempre foi: zona de conflitos. Graves. Até entre cristãos, católicos e ortodoxos!

O Kosovo, a Sérvia queira ou não, acabará independente, e mesmo que venha a necessitar de apoio financeiro para sobreviver e/ou progredir lá estarão os petrodólares a segurá-los. Além de que os kosovares serão sempre uma ótima entrada para a Europa!

Onde há dinheiro ou fontes de riqueza suficientes sempre surgirão movimentos independentistas, alicerçardos ou não na história, mas sobretudo em cima das suas riquezas que não querem partilhar.

O mundo está cheio de problemas desse tipo: Cabinda, com o seu Tratado de Simulambuco, o seu petróleo e o fato de ser um enclave nos Congos e não parte da geografia natural de Angola.

O “país” basco ou “eusco”, que nunca foi um povo independente, dividido pelos Pirinéus,  pertenceu a Navarra no lado da Espanha, a Navarra do outro, e a mais um monte de reis e condes, tem a uni-los a língua “euscara”, cuja origem ninguém conseguiu definir e, com uma sólida economia baseada na industria, metalurgia e pesca, desde há muito que tem forte autonomia administrativa, e com isso luta ferozmente para se libertar de Madrid.

Os catalães, que já tiveram um reino independente, hoje a província mais rica da Espanha, precisa também de Madrid para quê?

Há milênios os palestinos apanham na cabeça – desde muito antes de Golias ter levado aquela pedrada na testa – a comunidade internacional considera-os mais ou menos um estado, não um país, e independência, mesmo com o seu território retalhado por Israel... nada!

Boa parte das mais que 18.000 ilhas que compõem a Indonésia querem também separar-se, o petróleo e o Islão a fomentar.

E os curdos a levar bordoada ora dos iraquianos ora dos turcos, o Sudão, a Macedônia, e... e... e... a Rússia chia, porque se reconhecer o Kosovo, os chechenos... e já está a ameaçar a EU para não intervir! Até o louco Chavez apareceu na Tv para se pronunciar contra a independência do Kosovo “que é parte inalienável da Sérvia”, que são eslavos, como os russos, com quem o pseudo líder venezuelano quer manter boas relações contra os EUA!

Agora que a Europa vai crescendo, à procura de uma união total, por muito impossível que isso pareça, e sem destruir as tradições históricas e culturais de cada povo, por esse mundo fora continuam a proliferar as guerrilhas, chamadas de terrorismo ou nacionalismo conforme se olha pelo lado de quem está no poder ou no contra, e os fabricantes de armas a fomentar dando risada.

Um povo deve ter o culto da sua história, porque o patriotismo é feito de todas as lutas e de todas as glórias dos seus antepassados.

O que muitos se esquecem é que a união é que faz a força. O respeito mútuo, a tolerância e um mundo de paz e harmonia é que se torna difícil quando a pressão dos fabricantes e vendedores de armas é altamente aliciante. E os homens, que não evoluíram, gostam de matar. Infelizmente mais do que amar.

 

Rio de Janeiro, 22 de Fevereiro de 2008

Francisco Gomes de Amorim

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D