Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRUZEIRO DO SUL

As  independências

 

Já alguém disse: Um povo que tenta recuperar a sua independência é sempre digno de respeito. Evidente. Ninguém gosta de patrão. Sobretudo quando não precisa de patrão para lhe garantir as sopas e as cuecas lavadas no fim do mês.

A Iugoslávia implodiu pós Tito, na ocasião ninguém reclamou, e como os Balcans – cuja palavra, de origem turca, significa “montanha” – por sua orografia, formam uma fronteira natural, foi nessa região que os europeus, os cristãos, conseguiram segurar a explosiva expansão do Islão. Região de fronteira entre duas filosofias e dois credos que cada vez mais parece que se opõem, teria que ser o que sempre foi: zona de conflitos. Graves. Até entre cristãos, católicos e ortodoxos!

O Kosovo, a Sérvia queira ou não, acabará independente, e mesmo que venha a necessitar de apoio financeiro para sobreviver e/ou progredir lá estarão os petrodólares a segurá-los. Além de que os kosovares serão sempre uma ótima entrada para a Europa!

Onde há dinheiro ou fontes de riqueza suficientes sempre surgirão movimentos independentistas, alicerçardos ou não na história, mas sobretudo em cima das suas riquezas que não querem partilhar.

O mundo está cheio de problemas desse tipo: Cabinda, com o seu Tratado de Simulambuco, o seu petróleo e o fato de ser um enclave nos Congos e não parte da geografia natural de Angola.

O “país” basco ou “eusco”, que nunca foi um povo independente, dividido pelos Pirinéus,  pertenceu a Navarra no lado da Espanha, a Navarra do outro, e a mais um monte de reis e condes, tem a uni-los a língua “euscara”, cuja origem ninguém conseguiu definir e, com uma sólida economia baseada na industria, metalurgia e pesca, desde há muito que tem forte autonomia administrativa, e com isso luta ferozmente para se libertar de Madrid.

Os catalães, que já tiveram um reino independente, hoje a província mais rica da Espanha, precisa também de Madrid para quê?

Há milênios os palestinos apanham na cabeça – desde muito antes de Golias ter levado aquela pedrada na testa – a comunidade internacional considera-os mais ou menos um estado, não um país, e independência, mesmo com o seu território retalhado por Israel... nada!

Boa parte das mais que 18.000 ilhas que compõem a Indonésia querem também separar-se, o petróleo e o Islão a fomentar.

E os curdos a levar bordoada ora dos iraquianos ora dos turcos, o Sudão, a Macedônia, e... e... e... a Rússia chia, porque se reconhecer o Kosovo, os chechenos... e já está a ameaçar a EU para não intervir! Até o louco Chavez apareceu na Tv para se pronunciar contra a independência do Kosovo “que é parte inalienável da Sérvia”, que são eslavos, como os russos, com quem o pseudo líder venezuelano quer manter boas relações contra os EUA!

Agora que a Europa vai crescendo, à procura de uma união total, por muito impossível que isso pareça, e sem destruir as tradições históricas e culturais de cada povo, por esse mundo fora continuam a proliferar as guerrilhas, chamadas de terrorismo ou nacionalismo conforme se olha pelo lado de quem está no poder ou no contra, e os fabricantes de armas a fomentar dando risada.

Um povo deve ter o culto da sua história, porque o patriotismo é feito de todas as lutas e de todas as glórias dos seus antepassados.

O que muitos se esquecem é que a união é que faz a força. O respeito mútuo, a tolerância e um mundo de paz e harmonia é que se torna difícil quando a pressão dos fabricantes e vendedores de armas é altamente aliciante. E os homens, que não evoluíram, gostam de matar. Infelizmente mais do que amar.

 

Rio de Janeiro, 22 de Fevereiro de 2008

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D