Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICA DO BRASIL

A  estupidez

 

Rebuscando, e relendo, alguns livros velhos – ou antigos – por muito cuidadosamente que outrora tenham sido lidos, estudados ou meditados, sempre nos deparamos com “novidades” arrepiantes, e quase as lágrimas nos embaçam os olhos ao ver que tamanha é a estupidez e a sem vergonhice dos homens (e mulheres, claro!).

Toda a gente sabe que o f... da m...&#@ do Caim matou o Abel, que Jacob passou a perna ao irmão Esaú, que Sócrates (o grego!) foi envenenado, Brutus apunhalou Julio César, a Séneca cortaram-lhe os pulsos, Cristo foi “vendido”, assim como milhões de escravos, e nem todos se envergonham pelo modo como foram tratados os últimos, como baratas que se espezinharam a bel prazer dos seus donos. Ainda hoje assim é!

Passam os anos, os séculos, os milênios e os homens não evoluem, não aprendem, não querem.

Se o poder embriaga a ganância sega. No caso deste país onde se plantando tudo dá, os escândalos sucedem-se a velocidade vertiginosa. Rouba-se descaradamente e ainda se ri na cara do povo besta que hoje daria quase 70% de aprovação ao grande líder, da mentira.

Há cerca de 2.600 anos um homem deixou-nos esta mensagem da sua doutrina:

Haverá uma rápida deteriorização da moral pública, se um ministro de estado negligenciar os seus deveres, trabalhar apenas em benefício próprio e aceitar subornos. Tais funcionários públicos desonestos são os ladrões da felicidade do povo: são ainda piores do que os assaltantes, porque trapaceiam o governo e o povo, e são a causa dos transtornos das nações. O rei deve exonerar tais ministros e puni-los severamente.

- Quem nos diz isto é Siddharta Gautama, o santo Buda.

 Siddharta Gautama, Buda

Dirá aqui o tal líder: que tenho eu com isso? Sexa não vê os gatunos, os ministros, a roubar! Ainda os protege e defende! Ninguém é despedido, muito menos punido. O líder negocia com eles. Troca de favores, de votos, de contas públicas abertas para que cada um roube o quanto a sua imaginação puder.

O povo acha tudo normal. Aqui o hábito de se mancomunar com a res publica é coisa tão comezinha como o feijão com arroz! Só falta lei que sancione essa corrupção, o que aliás não viria alterar em nada o status quo!

Nem um se revolta. Poucos se indignam. Mesmo sabendo que a indignação (indignatio) é o ódio a alguém que fez mal a outrem, segundo a definição do grande mestre Spinoza, o povoléu acha que “está tudo numa boa”! País de brandos costumes, sol de Ipanema e... olha que coisa mais linda, mais cheia de graça...

As mulatas boazudas deixam cair o tapa sexo - enorme: 4 cm. de comprimento e 1 de largura - em frente a um publico embabacado ao ver uma mulher nua, depois de já terem passado milhares delas com o sexo “discretamente disfarçado” com luzes pisca-pisca, espetáculo que marca o ponto máximo na vida turística do Rio de Janeiro, quando o prefeito do Rio aproveita para, em vez de receber os tais turistas, ir passar férias na Suíça! Talvez tenha ido também à Grécia perguntar qual o grau de pornografia que eles atribuíam a estátuas como a Vênus de Milo ou as Cariátides com seus vestidos “transparentes”!

Será que é verdade tudo isto que nos rodeia, ou estamos a sonhar acordados?

Para encerrar, por hoje, só mesmo citando Ernest Renan: A estupidez humana é a única coisa que nos pode dar a dimensão do infinito.

 

Rio de Janeiro, 19 de Fevereiro de 2008

Francisco Gomes de Amorim

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D