Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

FALSIDADES E UTOPIAS

 

FALSA LIBERDADE – A globalização fez desaparecer as restrições aos movimentos internacionais de capitais, de produtos e serviços mas não de pessoas pelo que ainda há um elemento essencial em regime de liberdade condicionada.

 

QUESTÃO ORÇAMENTAL – Cada país tem um Orçamento que só a si respeita e um sistema fiscal próprio pelo que não é indiferente que a riqueza seja produzida e tributada em qualquer lugar do planeta. Essa indiferença só existiria se houvesse um Orçamento Global que cobrasse em todo o lado e distribuísse em conformidade com as necessidades de cada país ou região. O Orçamento Esperanto…

 

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO – O nível médio de instrução da população portuguesa ainda é relativamente baixo e isto faz com que tenhamos um fraco poder para acrescentar valor aos produtos manufacturados. É por essa razão que a indústria portuguesa sofre com a concorrência do Extremo Oriente, do Norte de África e de outras regiões de mão-de-obra barata. Nesses países não há Sindicatos livres nem férias (e, portanto, nem subsídios de férias) e outras regalias sociais que para nós são imperativas. Nem há condicionantes ambientalistas. Estamos assim a sofrer uma concorrência desleal importando produtos fabricados em condições que qualquer um de nós consideraria de escravatura. Não há alternativa ao reforço do nível médio de educação e formação da nossa população mas, entretanto, há que averiguar até que ponto nos interessa importar bugigangas e produtos baratos porque produzidos em condições sub-humanas. Que tal um Espaço Schengen para os produtos e serviços transaccionáveis?

 

INOVAÇÃO – Por causa do relativamente baixo nível médio de instrução da população portuguesa, a Inovação é muito reduzida quando comparada com a dos países mais evoluídos pelo que também com eles não conseguimos concorrer. Quando a Investigação é predominantemente pública, tendem a ser fracos os laços com a realidade empresarial. Se os Institutos públicos de investigação científica fossem integrados nas Universidades, tendo estas que facturar cada vez mais para compensarem a redução das verbas recebidas do Estado, seria um modo de fazer ciência útil à inovação e, portanto, ao PIB.

 

DESLOCALIZAÇÃO – A deslocalização da produção da indústria tradicional para os PALOP’s, para o Maghreb ou para o Makrech é boa para esses países mas é má para as nossas populações que não têm habilitações para poderem trabalhar em funções menos primárias; como o desemprego é um encargo público, não se consegue reduzir a despesa pública nessa vertente. Não há mãos a medir para reciclar tanta gente que nada de elevado valor acrescentado sabe fazer. Uma solução encontrada pelo Governo passa pela dificultação do acesso ao Fundo de Desemprego para que a taxa oficial se reduza e a despesa pública não cresça. O que acontece às pessoas? Isso é matéria que não entra nas estatísticas a publicar. A solução está no relançamento da produção de bens transaccionáveis, o que pode não ter muito a ver com a edificação de grandes fábricas. Nem sequer com muitas fábricas. Basta começar por coisas mais primárias como a agricultura e as pescas.

 

AMBIENTE – A “ambientalite” burocratiza e condiciona fortemente toda a actividade produtiva numa época em que subsistem grandes dúvidas sobre a fundamentação científica dos raciocínios oficiais e da real utilidade climática dos objectivos enunciados. Pensemos por nós próprios e deixemos de ouvir a propaganda de quem quer vender produtos ditos “amigos do ambiente”.

 

CONCLUSÃO – As políticas em vigor quase nada têm a ver com a realidade.

 

ORAÇÃO – Enchamo-nos de paciência e de coragem para dizermos que o rei… não se apresenta tão elegante como gostaríamos de o aplaudir.

 

Lisboa, Fevereiro de 2008

Henrique Salles da Fonseca

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D