Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Burricadas nº 21

Ai! que ainda me vão aos trocos...

v      Como se fosse uma grande novidade, a nossa imprensa económica começou a espalhar aos quatro ventos que o BCP vai ter de proceder a um aumento de capital – e quanto mais depressa, melhor.

v      Os números que podem estar em causa, esses, não suscitaram até agora a curiosidade dos nossos jornalistas. Ficámos todos en suspense! O que irá sair dali?

v      Certamente, o Leitor já se esqueceu do que eu escrevi vai para dois meses (Burricadas 13, aziago número). Isso! A necessidade de o BCP aumentar o seu capital (necessidade que, mea culpa, também não quantifiquei).

v      Aquela Burricada provocava – e os comentários não se fizeram esperar. Em resposta resumi qual seria o meu programa de 3 pontos para virar do avesso o infeliz Banco:

v      Contenção imediata, e redução a muito breve trecho, dos Encargos com a Estrutura (qualquer coisa menor que 20% do nível actual seria insuficiente);

v      Melhorias muito, mas mesmo muito significativas na avaliação e gestão do risco (abandonando, definitivamente, a estratégia suicida de aumentar, aumentar sempre a quota de mercado, alavancada por endividamento de muito curto prazo nos mercados interbancários europeus);

v      Retenção dos accionistas estrangeiros (os actuais, ou outros com iguais potencialidades, tanto faz) detentores de posições qualificadas, mas suficientemente diversificadas (para que nenhum dos accionistas estrangeiros possa assumir a posição dominante; para que nenhum pequeno grupo de accionistas estrangeiros possa conluiar-se para controlar a gestão do Banco);

v      Subsidiariamente: melhorias imediatamente perceptíveis na qualidade da informação financeira divulgada (e ao dispor da Gestão Superior do Banco) – para recompor credibilidade e reputação, que andam agora pelas ruas da amargura.

v      O que não disse então – nem digo agora – foi que a primeira medida tivesse de ser fatalmente um aumento de capital. E explico porquê.

v      Fossem outros os tempos e o BCP poderia vender facilmente e a razoável preço (isto é, com mais valias) uma grossa fatia da sua carteira de valores mobiliários e até, talvez, uma ou outra participação – o que seria sempre uma ajuda para a recapitalização do Banco, aligeirando o esforço pedido aos accionistas.

v      Fossem outros os tempos e o BCP poderia titularizar uma parte significativa da sua carteira de crédito hipotecário residencial, entregando, para compor o ramalhete, mais uns pedaços da sua carteira de crédito ao consumo (incluindo saldos por utilização de cartões de crédito) – e, com isso, realizava umas mais valias que viriam diminuir o seu activo e reforçar o seu capital, aliviando a pressão sobre os accionistas.

v      Fossem outros os tempos e, se calhar, o BCP até poderia contabilizar mais valias à custa do seu Fundo de Pensões (um outro cânone da engenharia financeira em que nos superamos) – e o aumento de capital seria, feitas as contas, pouco mais que simbólico.

v      Mas não. As Bolsas não estão suficientemente líquidas e, acima de tudo, não estão suficientemente profundas para acolher os volumes que o BCP tem em carteira sem um trambolhão nos preços – e as menos valias que o Banco assim registasse só agravariam o seu actual padecimento.

v      Titularização de créditos hipotecários residenciais, quando a turbulência originada nos subprime ainda varre os mercados financeiros por esse mundo fora? Quando todos desconfiam de todos? Quando se tornou evidente o que sempre esteve à frente dos nossos olhos: que o mercado residencial é uma ficção e que os valores realizáveis neste mercado sobem e descem como o de qualquer outra posição exposta a riscos de mercado? (O BES, para se proteger de uma eventual escassez nos mercados interbancários teve de aumentar o passivo, através da emissão de obrigações hipotecárias - em vez de reduzir o activo por meio de operações de titularização).

v      Habilidades com o Fundo de Pensões, agora que corre por aí que faltam fundos ao Fundo?

v      Pelas minhas contas, baseado nas Demonstrações Financeiras de 2006, o BCP recuperaria um equilíbrio minimamente confortável com uma entrada de capital de € 2,000 milhões, para mais e não para menos.

v      Custa-me a acreditar que os accionistas estrangeiros com posições qualificadas acorram, sem mais, a um possível aumento de capital desta ordem de grandeza, mesmo que seja só para manter as suas actuais posições (exceptuo os accionistas idiossincráticos como parece ser o caso da SONANGOL).

v      Ora, se estes accionistas estrangeiros não acompanharem o aumento de capital (ficando, por enquanto, em aberto saber quem o fará), verão as suas posições diminuírem – e alguns perderão mesmo a qualidade.

v      Para esses, o passo seguinte será, quase de certeza, vender as acções do BCP que tenham em carteira e partir para outra (na Burricada 13 traçava este cenário).

v      Se for assim como eu estou a imaginar, quem subscrever esse hipotético aumento de capital deverá estar preparado para sofrer menos valias nos meses seguintes – até quando, eis o que falta apurar.

v      Creio que só com um programa bem meditado, credível, divulgado com voz clara e muito bem explicado seria possível reconquistar a confiança dos accionistas (e de outros investidores) estrangeiros – e só depois se deveria falar em aumentos de capital.

v      Infelizmente, vá-se lá saber porquê, a nova Administração preferiu o secretismo – lançando sobranceiramente às urtigas a finalidade subsidiária que referi mais acima: transparência.

v      Pergunta: Se o BCP necessitar com urgência de um aumento de capital (que necessita, não tanto por razões de liquidez mas por razões prudenciais, de capital mínimo adequado) e se os investidores estrangeiros (excepção feita aos idiossincráticos) não derem uma boa ajuda, de onde virá o dinheiro que faltar?

v      Bingo! Da CGD (e de outras empresas onde o Governo manda) – talvez com o recurso a engenharias financeiras do quilate daquela que fez tremer o BCP.

v      E, tarde ou cedo, lá voarão do meu bolso uns trocos mais, agora destinados a este peditório.

A. PALHINHA MACHADO

Fevereiro 2008

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D