Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A saga de um corvino

Capitulo I

                                                                              Ilha do Corvo

Do alto da rocha José observava o horizonte, àquela hora da tarde de um vermelho sanguíneo. Respirava lenta e profundamente, como se quisesse se embriagar com o ar fresco do mar. O vai e vem das águas parecia chamá-lo, convidando-o para aventuras e conquistas nunca antes imaginadas.  Era jovem e sentia-se oprimido pela pequenez da ilha. Cabelos e olhos castanhos, um bigode claro e ralo sobre uma boca vermelha e fina. Tez queimada da lida na lavoura e na pesca, de estatura médio-alta, figura um tanto quanto encorpada. Introvertido, na “caixola ”as idéias ferviam. Sonhava com as maravilhas que existiam para além daquela montanha-vulcão onde nasceu e vivia.

 Planejava partir.  E ainda mais agora que a Coroa o chamava para servir, Ela que nunca se lembrava deles, os corvinos, a não ser na hora da cobrança dos pesados impostos, tirando-lhes os minguados réis e o trigo, obrigando-os a comer muitas vezes pão de junça, por falta de cereal na ilha. Pensava: Talvez até fosse enviado para as terras das“ Áfricas, “para batalhar, sem saber porquê, ou para morrer de alguma doença palustre, sozinho, longe da família e dos amigos. Essa visão do futuro próximo o assombrava. Pediu ao pai, proprietário de uma pequena parcela de terra, que fizesse um sacrifício e o ajudasse a pagar a remissão do serviço militar, a dinheiro. Seu tio, que emigrara e trabalhava num baleeiro americano, também o ajudaria com algumas “águias” (moedas americanas com valor de 20 dólares). Era assim que o governo fazia vista grossa ao debandar dos ilhéus, enquanto as receitas adicionais açorianas engrossavam os cofres do rei, na segunda metade do século XIX.

 

Tomou o rumo de casa. Passou na Igrejinha da Nossa Senhora dos Milagres, orou, pediu proteção e a passos largos, decidido, subiu a Rua das Pedras até a sua morada, umas das casas que se dispunham lado a lado, quase geminadas, margeando o caminho. No Corvo, as portas não tinham fechaduras, só tramelas, o metal era raro, só aparecia de vez enquanto com alguém que chegava à ilha. Avisaria aos pais da sua decisão, na próxima oportunidade, se evadiria.

 

 Naquele espaço de pouco mais de 6 km de extensão por 4 km de largura, o mais longínquo Concelho do reino, sobreviviam umas 800 almas. Todos eram conhecidos e, em algum momento no tempo, aparentados.  A maioria das famílias e de escravos que ali se instalou no século XVI chegou por iniciativa ou aval dos donatários das ilhas das Flores e do Corvo para colonizar a região. Outros ali também aportaram homiziados por crimes cometidos no reino, ou fugidos das perseguições religiosas e políticas. Os antepassados desse povo (os Rodovalho,  Pimentel,  Fraga,  Avelar,  Valadão, Coelho, Vieira, Favela, Cunha, Lourenço, Rocha, Armas, Inocêncio, Bicho,...) chegaram a essas ilhas vindos da Terceira, Portugal Continental e de Flandres. Algumas dessas famílias, inicialmente aportadas em Portugal, tiveram origem nos antigos reinos cristãos (Aragão, Navarra, Leão, Castela) que formaram parte da Espanha. Mais tarde, a partir dos séculos XVIII e XIX, com a baleação, os corvinos passaram a emigrar para América, e lá se misturaram e deram origem a muitos luso-americanos.

 

Apesar da pobreza da ilha, exígua e com pouca terra, todos tinham um teto para se abrigar e um pedacinho de chão para plantar. O gado, as cabras e as ovelhas davam a carne, o leite e a lã.  E o mar o peixe. Sempre havia o que comer. O trigo e a moeda eram escassos e quase sempre iam para os donos da Ilha ou para a Coroa. Não se conseguia juntar dinheiro. Isso perdurou até que, no inicio do século XIX,  começaram a aparecer ao largo da ilha grandes barcos da América que faziam nas águas dos Açores a caça à baleia. Esses baleeiros-fabrica ficavam meses no mar, seguindo a rota dos cetáceos e só voltavam quando os barris estavam cheios de óleo. A tripulação heterogênea, composta de americanos e ilhéus de várias origens, era formada em portos como o de New Bedford, e completada nas ilhas açorianas, onde se encontrava  alimentos, água e destemidos marinheiros. Através do embarque clandestino, facilitado pela distancia e isolamento, passou-se a ter um canal de esvaziamento da força de trabalho da ilha.

 

Era agosto, pleno verão. No campo, José e os irmãos faziam a tosquia das ovelhas, quando viram um barco se aproximar da costa e baixar alguns botes em direção ao Porto das Casas. Reconheceram era um baleeiro americano. Afinal surgia a oportunidade que José tanto queria!

 

Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 08/02/08

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D