Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

João Gaspar Simões

 

eloy_pereira8g.jpg

João Gaspar Simões

(pintura de Mário Eloy Pereira - 1900/51)

 

“ (…) Vivemos num país onde predomina, na interpretação de qualquer atitude humana – assim pensava Fernando Pessoa – o «sentido degradante da Brasileira do Chiado» e em que tudo que é íntimo, por mais belo que seja, se desenha aos olhos da maioria segundo uma perspectiva vulgar.

 

Ai de nós, porém, se não ousarmos afrontar tão degradante deformação intransigentes com a mediocridade e firmes no propósito de arrancar à mesquinhez dos costumes nacionais tudo que ainda respira grandeza, quer na alegria quer na dor, quer na virtude quer no vício. O que antes de mais nada nobilita o homem é a sua coragem de viver e morrer sem arriscar um dia que seja da sua vida na mesa em que se jogam quotidianamente os acomodatismos, as hipocrisias, o farisaísmo, a pusilanimidade de carácter, tudo que na falsa escala de valores que nos rege é considerado triunfos e cartadas da respeitabilidade social. Não diminui ninguém ter vivido humano e ter morrido humano. Só é aviltante para a condição humana o tornar-se o homem instrumento de interesses, de paixões, de aspirações, em essência negação do que nele generosamente responde ao apelo da vida.

 

O homem meio, o homem instrumento, quer para o bem quer para o mal, o homem ponte de passagem seja para o que for que não ele próprio e o seu nobre destino espiritual – eis o que degrada e avilta a condição humana. (…)”

João Gaspar Simões INTRODUÇÃO (págs. 27 e 28) a «Cartas de Fernando Pessoa a João Gaspar Simões», Ed. Publicações Europa-América, Março de 1957

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D