Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Burricadas nº 16

 

Mas, Mr. Machado...quantas peúguinhas? (I)

v      Há muitos, muitos anos, um jovem e promissor economista, incumbido de planear um investimento enorme numa fábrica de fibras téxteis, viu-se confrontado com a insistência dos sócios estrangeiros: Que mercado para a futura produção?

v      Pergunta que, à época, soava estranha aos ouvidos portugueses. Que diabo! Os investimentos decidiam-se, a Banca financiava – e o mercado aparecia. Por obra e graça de umas protecções aduaneiras talhadas à medida e do condicionamento industrial. Japonesices! Diziam os de cá, numa risota.

v      Mas havia que dar uma satisfação aos homens. E o nosso economista lançou mãos à obra com juvenil entusiasmo: vamos lá, então, estimar o consumo aparente destas fibras no futuro. Assim se fazia porque era assim que se ensinava por cá – e era assim também que ele tinha aprendido.

v      Apaixonado pela Econometria (paixão que o passar dos anos curou), vá de construir as séries estatísticas; vá de ajustar rectas e curvas para ver a que melhor servia; vá de pôr em causa as hipóteses canónicas do modelo de regressão linear, não se desse o caso (só para os que ainda se lembram da Econometria: autopsiou os resíduos, em busca de heteroescedasticidades e possíveis autocorrelações - o que, por esses dias, era cutting edge science).

v      Reunião solene para apresentar conclusões. Todos suspensos das palavras do sábio economista que, ufano, profetizava o futuro (não há economista que não se pele por uma boa adivinhação; vide, por exemplo,...o que não falta por aí são exemplos).

v      À exposição brilhante, seguiu-se um silêncio profundo e reverente. Os sócios estrangeiros, esses, estavam com os olhos ainda mais em bico. Cheio de si próprio, o jovem economista aguardava pelas perguntas da assistência (na realidade, era pelos elogios da assistência que aguardava, mas isso escondia ele lá bem no íntimo).

v      Passados uns longos minutos, a medo, alguém ousou perguntar num inglês arrevesado: Mas, Mr. Machado...quantas peúguinhas?

v      Embaraçado, o clarividente economista reconheceu que não tinha resposta para tal pergunta. E, de súbito, apercebeu-se daquilo que era mais que óbvio: o sucesso, ou o falhanço, de um projecto onde tanto dinheiro estava a ser investido dependia, afinal, de perguntas assim tão simples e objectivas, e não de abstracções como o consumo aparente.

v      Aprendeu a lição. Mandou às urtigas as abstracções vazias de sentido em que os economistas de então se compraziam – e mudou de rumo.

v      Vem isto a propósito do título que vou dar a uns escritos que o Relatório do LNEC sobre o NAL veio desafiar.                                                                             (cont.)

Lisboa, Janeiro 2008

A. Palhinha Machado

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D