Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A PROVÍNCIA PLATINA - 5

O TROPEIRISMO NO BRASIL
 
 
Final da parte 4: A partir do distrato de El Pardo os choques militares criaram uma situação nova. Portugueses e espanhóis voltaram a defrontar-se no sul. A essa época a sociedade já se encontrava presidida pela Comandância Militar dependente do Rio de Janeiro. Os reforços chegavam por via marítima apoiados no Rio Grande, no Porto de Casais e em Rio Pardo. Surgiram dois grupos de população: um no litoral e outro no interior do continente. Eles uniam-se nas lutas militares.
 
 * - * - *
O tratado de Madrid em 1750 entregou a Colónia do Sacramento à Espanha e em troca Portugal ficou com a posse das Missões.
O tratado de Santo Ildefonso sancionou uma série de choques militares desfavorável aos portugueses. A predominância da Espanha acabou por retirar ao domínio luso a região das Missões e a Colónia do Sacramento. O território sulino ficou restrito à faixa em que a colonização e os postos militares estáveis haviam consolidado o domínio a favor dos portugueses; e uma faixa de campo no interior próxima aos açoritas, estreitando para o sul, onde se encontravam os melhores campos para as pastagens. Independente do tratado entre as Cortes, a partir das regiões de colonização estável, os aventureiros preadores de gado da Campanha não reconheceram as discriminações dos tratados. Permaneceram em sua actividade de arrebanhar o gado solto naqueles campos de posse oficial espanhola. É a fase tulmutuada das "arriadas", ou seja, de saques, invasões e expropriações.
 
(...) "São os fazedores de arriadas, que justamente por isto, se constituem também os primeiros apropriadores da grande planície . (...). Não são apenas pilhadores de mulas e cavalos ou gado para a courama; são também guerrilheiros, porque na planície desafogada, ainda sem dono, eles encontram, a cada passo, pela frente, o espanhol disputando o direito de prea aos rebanhos bravios. Por isto o choque entre as duas expansões - de que resulta um estado de tropelias contínuas na fronteira. Na do Rio Pardo, por exemplo, os conflitos são constantes e constituem a forma normal por ali. (...). Fazedores de arriadas eles têm a função culminante: são os apropriadores, os desbravadores e os pré-civilizadores da planície gaúcha. Conquistando-a, limpando-a do espanhol e do índio para que nela se possam estabelecer a seguro os verdadeiros colonizadores". (Oliveira Viana: Populações Meridionais do Brasil, II - O Campeador Sulino, Rio de Janeiro, 1952, pág.130).
 
      
A acção desses homens sempre prontos à luta estende a penetração lusa.Viamão e Rio Grande representam a primeira fase do apossamento das terras sulinas de povoamento estável e contínuo. Numa segunda fase, segue-se o avanço e surge a região do Rio Pardo. A terceira incorpora o antigo território missioneiro, quando Portugal e Espanha, no início do século XIX, entraram em nova fase de conflito. As lutas de 1801 definem a conquista da região missioneira, que fica incorporada novamente em área portuguesa para no futuro tornar-se brasileira até o corte do Uruguai. É o final do ciclo dos tropeiros. Vivera primeiro do tráfico do gado em pé. Em seguida, da matança dos animais para a obtenção dos couros.
  Porto Alegre, ex-Viamão
A fase seguinte é a do comércio de couro e da distribuição das sesmarias. Destas surgem as estâncias e com elas a valorização da carne como alimento, antes desprezada. Os gaúchos aprendem a salgá-la para durar mais tempo. Com este aprimoramento criam os frigoríficos e acontece o desenvolvimento da exportação do charque.
 
No Rio Grande do Sul a cidade de Viamão e Laguna em Santa Catarina foram os principais centros de comércio e formação de tropas com destino a São Paulo. Era o comércio paulista tropeiro. Com ele diversas cidades em São Paulo prosperaram. A principal foi Sorocaba com seu comércio de animais.
  
O comércio de mulas e gado a partir do Rio Grande do Sul, com os mercados distribuidores em São Paulo para abastecer as Minas Gerais, que durou um século e meio, promoveu a ocupação do interior, contribuiu para consolidar o domínio português fundando vilas e cidades. Integrou a região sul a outras regiões da colónia.
 
"A economia mineira permitiu integrar as diferentes regiões do sul do país. A actividade pecuária expandiu induzindo a uma utilização mais ampla das terras e do rebanho. Fez interdependentes as diferentes regiões. Umas especializadas na criação, outras na engorda e distribuição e outras os principais mercados consumidores. É um equívoco supor que foi a criação de gado que uniu essas regiões. Quem uniu foi a procura do gado que se irradiava do centro dinâmico constituído pela economia mineira".  ( Celso Furtado, 1979 ) 
 
Interesses mercantis, visando a economia mineradora, foram responsáveis por toda essa integração. A actividade dos tropeiros ganha importância à medida em que garante efectivar esses interesses e contribui para a formação do território português, depois brasileiro.
 
Quanto a Porto de Viamão, no século XVIII, foi o primeiro nome dado à região actualmente ocupada por Porto Alegre. Para lá começaram a chegar, em 1752, os primeiros casais vindos das ilhas dos Açores.
 
Continua.
Campo Belo, 18 de dezembro de 2007
Therezinha B. de Figueiredo 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D