Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRUZEIRO DO SUL

COMMODITIES 

Para quem não entende nada de economias mundiais, como eu, há-de achar estranho que, de repente, essas economias estão todas a melhorar, os PIBs crescem, as cidades  transbordam de gente e de carros, os ares estão cheios de aviões cheios e os mares de imensos navios carregando milhões de contentores de um lado para o outro, enfim um frenesi que poderia estar a diminuir a fome e a pobreza no mundo, mas está a fazer cada vez mais biliardários.

Só em Londres, catalogados, há cerca de uma centena. A loja da Rolls-Royce tem uma lista de espera de oitenta clientes, desde 2004, para um modelo de 460 mil Euros!

Mas este frenesi econômico cheira a falso.

Em 1973 o preço do barril de petróleo que era de US$ 2,90 saltou para $13 chegando no final de década a quase $80. O mundo parecia sufocar com esse aumento, gerando uma tremenda crise mundial. Depois baixou para cerca de $30. E a economia continuava em crise, porque nenhum produto, móvel ou imóvel, acompanhara a valorização louca do petróleo. Os sem petróleo resolveram que para injectar mais dinheiro em circulação a solução era o aumento do custo dos imóveis que a classe média leva 20, 30, 50 anos para pagar, o que significa que estão indefinidamente a alimentar os comilões.

Como commodities são mercadorias úteis que se podem vender e comprar em futuro, com movimento de imenso manancial de dinheiro, é óbvio que quanto mais caras as tais commodities, maior o lucro dos negociantes envolvidos, desde o produtor ao retalhista. Uma coisa é ganhar 10% sobre 10 e outra é ganhar os mesmos 10% sobre 100 ou 500! E assim o petróleo está a bater na casa dos US$100, as grandes companhias distribuidoras a ganhar cada vez mais dinheiro, os produtores a esbanjarem, como alguns sheiks, entre os quais o venezuelano e o nigeriano, sem que o povo consiga mais uma migalha que seja para se alimentar e instruir.

Enquanto isso os chineses, para garantirem o fornecimento actual e futuro desse desgraçado combustível, invadem África, investindo em obras imensas que os países depois se obrigam a pagar com os tão cobiçados barris.

Cresce o movimento das tais commodities, surgem milionários como cogumelos em esterco na floresta, cresce a economia chinesa à velocidade de foguete e o povo, o povo... sempre o povo ficará a ver passar Rolls-Royces de ouro, enquanto luta desesperadamente para sobreviver no meio de guerras fratricidas, AIDS e Ebolas, secas e inundações, terrorismo de esquerda e de direita, jogado como bola de farrapos e esquecido dos governantes que se pavoneiam em mansões no Dubai ou dentro de carrões com ar condicionado!

Este mundo não tem conserto! Prega-se o entendimento, o amor ao próximo, o desapego dos bens terrenos, o respeito pelo meio ambiente, durante esta quadra do Natal trocam-se votos de boas festas e de um novo ano muito feliz, votos esses que se limitam a um muito restrito número de amigos ou parceiros comerciais, jamais deixando de ter como primeiro objectivo as commodities e outros negócios, sobretudo da bolsa, que tanto e tanto lucro dão.

Boas Festas... para quem? Para o Darfur, hoje exemplo da bestialidade humana?

Melhor Ano Novo... para quem? Para os vendedores de Rolls-Royce?

Mundo cão. Mesmo.

 

Rio de Janeiro, 20 de Dezembro de 2007

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D