Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A PROVÍNCIA PLATINA - 4

                              O TROPEIRISMO NO BRASIL 
 
 
Final da parte 3: Portugal e Espanha enviaram, em 1756, expedição à região onde os Jesuítas haviam fundado as reduções dos Sete Povos das Missões e São Miguel sem observar as decisões de Madri e Lisboa referente ao tratado de Tordesilhas - linha divisória dos territórios espanhóis e portugueses nas colônias da América do Sul. Naquela região a expedição lançou as bases da soberania portuguesa expulsando os religiosos de lá. A guerra desorganizou a estrutura econômica e política das reduções. As manadas de gado reunido e desenvolvido pelos religiosos nas estâncias de suas reduções espalharam pelos campos. Em lugar propício os rebanhos desenvolveram extraordinariamente e constituíram a base econômica sobre a qual teve início a etapa seguinte da vida sulina, ou seja, um mercado interligado entre a atividade mineradora em crescente atividade e o pastoreio gaúcho.
 
    A divisória de Tordesilha fixava a ponta de Laguna( no atual estado de Santa Catarina) como extremo do domínio português no sul. Desde as hostilidades entre Espanha e Portugal na segunda metade do século XVIII, após o tratado de El Pardo, que restringia a convenção de Madri, os governos coloniais portugueses confirmaram a intenção de estender para o sul o domínio da Corte de Lisboa. O núcleo de Laguna seria ponto de apoio àquela tarefa. A Colônia de Sacramento, fundada no estuário platino desde 1680, permanecia isolada, alvo de ameaças constantes e sucessivas quedas e retomadas. Para mantê-la e estar presente na Banda Oriental e no tráfico do Prata era indispensável constituir pontos de apoio no território intermediário, onde pudesse estabelecer as forças destinadas a operar na Campanha Cisplatina quando a Colônia fosse ameaçada; além dessas forças, o apoio marítimo era necessário ante a vastidão do estuário e a proximidade das bases adversárias. Para solucionar o isolamento da Colônia de Sacramento um dos atos do governo colonial foi a fundação do posto avançado de Laguna junto à barra do Rio Grande.
 
   As populações do centro-sul, dedicadas à mineração, recebiam uma parte de suprimentos vindos do norte pelo vale do São Francisco. A outra vinha do sul, formado das tropas de gado; seguiam o caminho de Laguna até chegar a Sorocaba(localizada no atual estado de São Paulo), centro distribuidor da região mineradora. A função do posto avançado de Laguna consistia em reunir os tropeiros e viajar até a região onde se encontrava o gado espalhado e abandonado na ruína das reduções. De lá conduziam os animais até Sorocaba.
   
   As necessidades de comércio impuseram a penetração nos grandes mercados localizados no estuário platino. A essas necessidades somavam a luta pelo gado, que vivia na Campanha Oriental e suas ricas pastagens, interesse dos que supriam a região mineradora. Esse interesse conferia importância a Laguna, mas entre esta e Colônia de Sacramento existia o vazio preenchido pouco a pouco por medida de autoridade ou iniciativa particular. O tráfico dos tropeiros enquadra-se nesta última iniciativa. Responsável pela formação de um extenso movimento de comércio não só de gado, de mula também, interligou diferentes e longínquas áreas da colônia ao suprir as necessidades da população em torno da região mineradora; possibilitou o estabelecimento do núcleo açorita que em 1742 e 1747 lançou as bases de uma colonização estável próximo ao estuário, no Viamão e Porto de Casais.
  Daqui partiram muitos açoritas, não por falta de beleza na terra que os viu nascer
   O início do povoamento estável permitiu o desenvolvimento das atividades dos tropeiros e as iniciativas militares com vista aos choques armados provocados pela disputa em torno da Colônia do Sacramento entre portugueses e espanhóis. Desse foco estável partiu a expedição portuguesa nos meados do século XVIII, juntamente com a espanhola contra as missões jesuíticas. Os choques militares seguintes, quando do distrato de El Pardo, criou uma situação nova. Portugueses e espanhóis voltaram a defrontar-se no sul. A sociedade já se encontrava, então,  presidida pela Comandância Militar dependente do Rio de Janeiro. Os reforços chegavam por via marítima apoiados no Rio Grande, no Porto de Casais e em Rio Pardo. Dois grupos se formaram. Um no litoral das lagunas e litoral marítimo de iniciativa do poder público nos postos militares e nos núcleos urbanos civis de base estável e hierárquica. Estes núcleos urbanos viviam da agricultura e do comércio. Possuíam o sentido da ordem e fundava-se no povoamento contínuo. O segundo, afeito ao movimento, eram nômades, aventureiros, dedicados ao apresamento do gado, à conquista das pastagens no interior do continente de São Pedro. Vivia na Campanha e era marcado por uma natureza instável e avanço intermitente. Ambos os grupos uniam-se nas lutas militares.
 
   O primeiro grupo era formado pelos açoritas, enquanto o segundo, o da Campanha, era constituído por paulistas e portugueses. Toda área da Campanha próxima ao estuário do Prata era litigiosa. Os espanhóis do Prata reivindicavam o domínio sobre ela. A linha de demarcação da fronteira flutuava constantemente. Até a conquista das Missões em 1801, apesar do tratado de Madri em 1750 e o posterior tratado de Santo Ildefonso em 1777, os ataques espanhóis impediam ou dificultavam qualquer tentativa de colonização regular naquele território. Essa circunstância conduziu um número significativo de pessoas a abandonarem a agricultura. Escolheram dedicar à prea de gado nas linhas de fronteira.
 
Continua.
Therezinha B. de Figueiredo
Campo Belo, 14 de dezembro de 2007 

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D