Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

 CULINÁRIA TAMBÉM É CULTURA

                                 

 

             Polenta de milho verde com carne moída e quiabo

 

O Brasil, pais de imigrantes, tem uma culinária rica e variada. O brasileiro utiliza as receitas básicas trazidas pelos imigrantes e agrega elementos e novos sabores, transformando e enriquecendo o alimento ao seu gosto.

 

A polenta, espécie de mingau à base de milho, de consistência mais ou menos cremosa, é uma comida de origem italiana que faz sucesso na culinária rural, onde adquiriu novas formas de se apresentar e ser apreciada, como esta receita que utiliza a polenta com toques africanos.

 

 

Polenta de milho verde com carne moída e quiabo.

 

10 espigas de milho verde

3 colheres de sopa de margarina

3 colheres de sopa de óleo

2 caldos de galinha

1 Kg de carne moída

100g de queijo ralado

100g de tomatada

Pimenta

Sal

Cheiro verde

Cebola e alho

 

Modo de preparo:

 

Corte o milho das espigas e bata-o no liquidificador.

Leve o creme ao fogo (lume) até engrossar. Acrescente a margarina, metade do queijo ralado, o caldo de galinha e o sal.

 

Refogue a carne moída e o quiabo com a cebola picada, sal, pimenta,  tomatada, um dente de alho picado e por ultimo o cheiro verde. Coloque a polenta num pirex e cubra com um molho de carne e quiabo. Polvilhe com o restante do queijo.

 

Sirva o prato quente, sozinho ou como acompanhamento.

 

Receita de Fabiana Borges ( Restaurante Fazendinha Sabiá)

 

Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 12/11/07

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Henrique Salles da Fonseca 30.11.2007 18:14

    A ROGO DA AUTORA:
    Que seria do amarelo se todos gostassem do azul?
    Gosto é gosto, não se discute. Cada um tem o seu.

    Na minha terra natal, os Açores, o milho era considerado um cereal inferior dado para os porcos e galinhas. Só os pobres o utilizavam para fazer o pão.
    Já nas terras brasileiras aprendi a comer e a valorizar o milho. Aqui, em Minas Gerais, ele é essencial na alimentação. Dele fazemos farinhas, farofas, maizenas, mingau, curau, pão, bolos ,bolinhos, biscoitos, pudins, quitandas, pamonha, polenta. Sem falar da importância dele na confecção de produtos industrializados e rações e na alimentação dos animais.
    É um produto abençoado!

    Maria Eduarda Fagundes
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2005
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2004
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D