Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VICE-REINADO DO PRATA – DOMÍNIO INGLÊS NO PRATA - 6

             

A ANARQUIA E O CAUDILHISMO - A ÉPOCA DE ROSAS

 

 

 

Final da parte 5: Surge a figura do caudilho Rosas no campo, enquanto na cidade o governo de Darrego se mantém com dificuldades até que a rebelião de Lavalle o vence. Darrego representava os princípios do federalismo e Lavalle ao vencê-lo, defronta, por isso mesmo, a oposição dos caudilhos provinciais contrários a tendência unitária considerada ameaçadora. Todos os caudilhos negam apoio a Lavalle, inclusive Rosas. Em Abril de 1829 ele é derrotado e abandona o poder. Tem início na história da Argentina o período conhecido como época de Rosas.

 

 

Os acontecimentos em suas linhas fundamentais podem ser assim resumidos:

 

- De um lado, o grupo mercantil próspero e ambicioso, de cultura europeia e politicamente liberal, reunia aristocráticos e burgueses buscando a ordem sob a liderança de Buenos Aires, sua sede. Defendia o livre-câmbio, restringia a navegação dos rios pouco se importando com a ordem institucional fosse ela republicana ou monárquica, desde que não retornasse ao sistema de clausura e de monopólio. Por não possuir apoio interno suficiente, procura-o no exterior. Depois de atritos e choques concilia-se com o Brasil em troca da autonomia da Banda Oriental; concilia-se também com a Inglaterra e a França em troca do livre-câmbio. Esse grupo constitui a essência e a base do partido unitário.

 

- De outro lado, uma população pobre, que se empobrecia cada vez mais. Primeiro porque a entrada livre de produtos manufacturados prejudicara as suas fábricas e oficinas deixando flutuantes os elementos que nelas trabalhavam e que passam a gravitar em torno dos caudilhos locais ou regionais. Segundo, porque o fechamento dos rios não permite que participe do enriquecimento que o comércio internacional proporciona. Isola-se em seus núcleos dispersos esmagada economicamente e por isso mesmo destinada a ser presa fácil do caudilhismo; o caudilho é a sua expressão e a sua síntese. É formado por uma população pobre, desorientada, democrática e desorganizada que constituirá a base do confuso partido federalista.

 Gauchos

Para o advento da anarquia concorreu poderosamente o desfalque representado pela retirada de San Martín e de suas forças do cenário americano. Ao abandonar a luta, o general argentino deixou as suas tropas no Peru. Elas eram preparadas, instruídas e experimentadas. Representavam o melhor, o único aparelho militar em que se poderia apoiar a acção coordenada e organizada do poder central. A retirada das tropas de San Martín deixou o poder central sem suporte militar, sem o instrumento de força para exercer a sua autoridade. O país ficou a mercê da autoridade local ou regional dos caudilhos, forças sem fisionomia militar. O quadro da anarquia estava caracterizado: cada província semelhava uma república, levantada sobre os núcleos urbanos, governada por um caudilho, senhor dos demais e mantido pela força, isolando-se e regredindo sem direitos e sem vida económica organizada.

 San Martin en la ancianidad. 

José Francisco de San Martín Matorras (1778-1850)

 

O nome dos dois partidos, o unitário e o federalista, não traduziam com fidelidade absoluta o problema mais discutido. Confundiam, muitas vezes, com suas atitudes, a fisionomia do conjunto; lutavam sem trégua, ora triunfando um, ora o outro, mais como facções a serviço de interesses quase sempre imediatistas locais ou regionais. Quando não era possível a supremacia absoluta de uma das facções e o enfraquecimento é geral, surge a anarquia, o poder se dispersa e fragmenta e a nação ameaça entrar no caos.  É o domínio do caudilhismo com a autoridade distribuída em cada região por um chefe local que se sobrepõe aos demais e que dita as leis. O caudilho é a expressão característica da anarquia.

 

Rosas nasceu e foi criado na zona rural da província de Buenos Aires. É um dos caudilhos em torno do qual se agrupam os elementos flutuantes do pastoreio. Enriqueceu como grande proprietário de terras, como homem do campo em luta permanente com os índios e com a natureza. Adaptou-se ao meio que o gerou para ser um dos seus representantes típicos. Convivia com os seus peões e com os índios; dominava-os pelo exemplo, fascinava-os por ser o melhor deles. Ao começar a sua vida independente, a pecuária argentina já havia abandonado o exclusivismo do couro, que resultava na dizimação dos rebanhos. Com o advento da salga, o país entrara na fase de aproveitamento da carne. Rosas enriquece, alcança projecção na província e passa a chefe de bando - caudilho.

 

Ele evita participar a fundo dos tumultos políticos que precedem o período da anarquia. A luta entre Derrego e Lavalle é que o apresenta em definitivo no cenário argentino. Ao subir ao poder, define, sem dúvida, no âmbito da província de Buenos Aires, a conquista da cidade pelo campo. A população pastoril invade o núcleo urbano e impõe pelo seu representante as suas características. Para governar, Rosas deverá resolver a contradição entre a cidade e o campo. Conjugará os dois processos para impor ao país inteiro a sua autoridade. Embora seja uma força do partido federalista e embora venha a adoptar o refrão "abaixo os unitários", fará como homem do campo e com os seus processos, e ainda servindo a alguns de seus fins imediatos, a política do grupo urbano: será livre-cambista até certo ponto; monopolista em defesa da primazia portenha; fechará os rios e intervirá nas províncias.

 

 

Continua.

 

Belo Horizonte, 28 de Outubro de 2007.

Therezinha B. de Figueiredo  

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D