Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AS CONFERÊNCIAS DE LISBOA – 11


“DEBATE SOBRE A POLÍTICA ENERGÉTICA”


Numa organização conjunta do Forum para a Competitividade e da SEDES, realizou-se esta conferência em 5 de Dezembro no auditório da Ordem dos Engenheiros tendo o MIBEL como tema central.

Os oradores foram Luís Mira Amaral que coordenou os trabalhos na qualidade de Presidente do Forum para a Competitividade, Manuel Ferreira de Oliveira, Demétrio Alves, António Galvão Lucas e Henrique Neto.

Eram três os temas que interessavam a assistência:

 A política energética portuguesa
 O MIBEL
 A arquitectura empresarial portuguesa no sector energético

Sendo o painel de oradores constituído por personalidades de algum modo afectos aos vários Partidos com assento parlamentar e fundamentalmente conhecedoras dos temas nas três perspectivas enunciadas – técnica, estratégica e económica – fácil seria à plateia obter um amplo leque de argumentos com vista à criação de opinião própria.

Mira Amaral dissertou sobre a “Situação do Sector Energético em Portugal” e da sua intervenção realço passos que chamaram a minha atenção: - A saída da PETROCONTROL do capital da GALP e a entrada da ENI colocam questões de legalidade que só agora, passados vários anos e vários Governos, estão a ser mediatizados quando o deviam ter sido logo na altura em que as operações se realizaram; - Quanto à junção da GDP à EDP, a Comissão Europeia (cujo Presidente actual era o Primeiro Ministro português que desencadeou o processo) vem a reprovar a operação ao mesmo tempo que deixa passar caso semelhante em Espanha; - O MIBEL só fará sentido se enquadrado numa integração mais vasta pela ultrapassagem dos Pirinéus pois, caso contrário, ficaremos completamente nas mãos dos espanhóis; - A nossa dependência do petróleo tem que ser reduzida e isso só tem praticamente a ver com o consumo automóvel em que não entram as outras fontes energéticas; - A energia nuclear não pode mais constituir o tabu que os ecologistas lhe atribuíram e tem que ser discutida; - A GALP deve investir mais na exploração petrolífera e alargar substancialmente a rede de distribuição antes de divergir para outras energias.

De Ferreira de Oliveira, que intitulou a sua intervenção de “O petróleo e o gás no contexto da política energética portuguesa”, retive afirmações que me pareceram muito significativas como por exemplo, logo de início, a nossa dependência relativamente ao petróleo e ao gás em cerca de 70% do consumo energético nacional. Achei curiosa a afirmação de que desde há 30 anos que as reservas de petróleo se diz serem suficientes para o consumo mundial durante os 40 anos seguintes. Portanto, se há 30 anos somássemos os actuais 40 de perspectiva, teríamos naquela época um horizonte de 70 anos. O orador referiu os progressos técnicos e tecnológicos como a razão deste prolongamento mas a mim cheira-me sobretudo a especulação com vista à manipulação da opinião pública mundial. Gostei da afirmação que proferiu no sentido de que a energia define a nação mas eu diria de um modo diferente pois acho que a independência energética é essencial para a definição da soberania nacional. Quanto à manutenção dos níveis de reservas petrolíferas mundialmente contabilizadas pelas empresas do sector, isso significa apenas que essas empresas não acreditam na manutenção da actual cotação do barril nos US$ 60 pois que se acreditassem já teriam trazido muito mais reservas para os respectivos activos. Perspectiva-se deste modo alguma redução nos actuais preços, claramente especulativos. Quanto à GALP, preconiza que, em paralelo com a actual política de reforço das reservas, se caminhe no sentido da maior complexidade das refinarias a fim de se obterem produções mais sofisticadas e, consequentemente, mais valor acrescentado.

A Demétrio Alves cabia dissertar sobre as “Opções políticas no Sector Energético” mas resumiu sobretudo as matérias que vêm gerando grande consenso a nível nacional nesta questão da energia. Das suas afirmações retive sobretudo duas questões que considero relevantes:

1. Porque é que Portugal continua num processo de intensificação energética da sua Economia quando todos os outros países estão a fazer o contrário?
2. Para extrair dois barris de petróleo consome-se um.

Fiquei a pensar nestas duas questões. Relativamente à primeira, temo que os actuais preços, não convidando ao esbanjamento, revelem no nosso tecido produtivo alguma falta de tecnologia que permita poupanças energéticas; relativamente à segunda, julgo que o consumo de um barril para se extraírem dois não passa de uma referência à tecnologia da antiga União Soviética, ou seja, uma produtividade ridícula e escandalosamente baixa.

António Galvão Lucas falou das “Causas e Consequências do MIBEL”. Relatou sucintamente o que se passou na última Cimeira Ibérica realizada em Évora e considerou vantajoso avançar com o MIBEL em vez de voltar tudo para trás pois actualmente está-se numa situação que não é carne nem peixe. Ou seja, não há um verdadeiro mercado ibérico de electricidade a funcionar com preços transparentes e as ligações entre os dois países já existem mas são insuficientes. Na sua opinião, haveria que aumentar o número de ligações entre as duas redes e definir preços.

Henrique Neto dissertou sobre “Os avanços e recuos da política energética” e considerou que não há razões de verdadeiro interesse nacional que justifiquem o avanço do MIBEL nem tão pouco a presença dos italianos da ENI na GALP.

Seguiu-se um largo período de perguntas e respostas do qual retenho:

 A referência de que Portugal é o país europeu com maior potencialidade de crescimento da produção de electricidade por via hídrica
 A tónica que mais se evidenciou foi a de uma enorme desconfiança das boas intenções espanholas ao ponto de, quando alguém referiu que o MIBEL poderia eventualmente ser vantajoso para Portugal, se terem levantado dúvidas sobre se então os espanhóis deixariam que o MIBEL avançasse, apesar dos esforços daqueles que, do lado de cá da fronteira e de quem foram citados os nomes, muito têm feito para lhes entregarem o nosso sector energético.

Eis as minhas conclusões sobre o que nesta conferência se disse:

1. O MIBEL só fará sentido se integrado numa rede que ultrapasse os Pirinéus
2. Não à ENI ou quaisquer outros estrangeiros na GALP
3. Fim do tabu posto à questão nuclear
4. Fim do tabu posto a Foz Côa

Lisboa, 7 de Dezembro de 2005

Henrique Salles da Fonseca

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D