Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Burricadas nº 8

 

 

TOUCHÉ!

v      Meses atrás, quando era o BCP a querer comprar o BCI, escrevi sobre a insensatez de toda operação e manifestei estranheza pela atitude do BdP.

v      Argumentava eu, então, que o BCP iria ver-se em palpos de aranha para reconstituir os seus Capitais Próprios, antes mesmo de começar a fazer a digestão do que voluntariamente engolira. E que a alavancagem monetária no exterior (isto é a dívida bruta ao Bancos não residentes) do “novo” BCP seria de tal modo elevada que era lícito prever uma forte contracção da disponibilidade de crédito bancário em Portugal.

v      E agora, que a “mão” pertence ao BPI?

v      A operação que se anuncia nada tem a ver com a anterior, ainda que o resultado em termos de agregação dos patrimónios dos dois Bancos envolvidos seja idêntico. Com uma oferta de fusão, o BPI resolve o problema da insuficiência de Capitais Próprios: (1) faz parte desta operação um aumento de capital (no caso, em espécie ou quase) – o que não acontecia com a do BCP; (2) esse aumento de capital tem colocação garantida junto dos actuais accionistas do BCP – se a operação for para diante, naturalmente.

v      Em termos simples: (1) o BPI propõe-se emitir 1,805.7 milhões de acções (o rácio de conversão de 2:1); (2) sendo o preço de emissão o valor relativo (ainda não apurado) dos patrimónios líquidos (equity) do BCP e do BPI, à data da operação.

v      Do preço de emissão, só 92% corresponderão à efectiva distribuição de acções ao mercado – já que 8% se encontram, directa ou indirectamente, na posse do BPI (ou seja, converterá os 8% que hoje detém no BCP em 4% do seu próprio Capital Social). Além disso, recomprará cerca de 6% das suas acções, hoje ainda em poder do BCP – pelo que, no final, o BPI ficará com 10% (aprox.) de acções próprias em carteira.

v      No final, o BPI ficará com um Capital Social representado por 2,565.7 milhões de acções (com Valor Facial de € 1.00), dos quais: 10% pertencerão à sua própria carteira; 23.6% ficarão nas mãos dos seus actuais accionistas; e o restante (2/3, em números redondos), ficará na posse dos actuais accionistas do BCP (BPI excluído deste número).

v      É, sem dúvida, uma jogada arriscada, que só quem depositar total confiança no seu núcleo duro de accionistas poderá dar-se ao luxo de fazer (o que, percebe-se agora, não acontecia com o BCP).

v      Nesta jogada, a valorização dos patrimónios dos Bancos envolvidos fica, de alguma maneira, subsumida – e só por isso seria uma jogada de mestre.

v      É evidente que os accionistas do BPI sairão a ganhar se o património do BCP contiver mais valias potenciais não reflectidas no rácio de conversão – mas ficarão a perder se lá encontrarem menos valias e prejuízos escondidos. Com os accionistas do BCP, tornados nóveis accionistas do BPI, passar-se-á exactamente o inverso. Enfim, um jogo em que todos têm de jogar no escuro: a fair game, no doubt.

v      O aumento do Capital Social do BPI que acompanha esta operação resolve, pelo menos aritmeticamente, o problema da alavancagem monetária no exterior que, em ambos os Bancos, é muito elevada. Tudo está em saber como é que os Bancos não residentes, tradicionais financiadores do BCP nos mercados interbancários, reagirão a um novo Banco contraparte. Quanto ao BPI, o problema será bem menos agudo, já que parte substancial do seu funding interbancário é-lhe proporcionado por Bancos com os quais mantém fortes ligações institucionais.

v      É claro que continuam a sobrar os problemas endémicos de muitos Bancos portugueses; (1) a cobertura das responsabilidades pensionáveis; (2) o crédito malparado e as taxas de incumprimento que é razoável prever-se para as suas carteiras de crédito bancário; (3) a concentração, ou cúmulo, de risco.

v      Sendo esta operação bem sucedida, o Banco que daí resultar terá cerca de 1/3 do mercado de crédito bancário interno – e certamente um pouco mais neste ou naquele segmento desse mercado.

v      Com a circunstância preocupante de ambos os Bancos envolvidos – apesar de não se assumirem nem se organizarem como especializados no mercado hipotecário – terem carteiras de crédito bancário com prazos médios bastante elevados (8 anos para o BPI; 7.1 anos para o BCP). O que não é precisamente a melhor composição de carteira para quem tenha necessidades de financiamento ainda por satisfazer, e quando o mercado hipotecário está particularmente turbulento (só por isto, o sentido de oportunidade do BPI não será perfeito - mas não é fácil escolher a melhor meteorologia para uma viagem a que não se pode escapar).

v      Com uma quota de mercado tão elevada, o novo Banco terá dificuldade em manter-se alinhado com o risco de crédito médio que caracteriza a economia portuguesa (o qual, recordo, não é baixo, seja qual for a fase do ciclo económico).

v      Dito de outro modo, a fusão é um manancial de oportunidades para que os restantes Bancos comecem a “desencaminhar” os melhores clientes do BPI e do BCP. E a gestão da concentração de riscos que, inevitavelmente, acompanha uma fusão bancária só vai facilitar essa deliciosa tarefa de “cherry picking”, a que só os Bancos mais distraídos não vão lançar mãos, desde já.

v      Todas estas operações de concentração bancária deveriam trazer à luz do dia uma questão que, segundo parece, todos preferem manter na sombra: o uso do voto correspondente às acções que integram Fundos de Pensões e, em geral, os patrimónios de Entidades de Investimento Colectivo (EIC).

v      A tese oficiosa é simples e conveniente: o voto dessas acções aproveita, em primeira mão, a quem gere esses patrimónios autónomos. Afinal, são as Sociedades Gestoras que respondem perante os que neles participam.

v      Esta argumentação não convence, não pode convencer, por várias razões: (1) a prestação de contas é frágil, entre nós, e a gestão de EIC está longe de ser excepção; (2) é certo que nas EIC abertas, o mau desempenho de quem os gira será punido com resgates – mas não é menos certo, que os resgates podem ser suspensos, com mais prejuízo para os participantes insatisfeitos do que para os gestores mal sucedidos; (3) os votos não são exercidos no interesse directo e demonstrável dos participantes, mas em proveito exclusivo das Sociedades Gestoras – o que configura um cenário de moral hazard.

v      E a pergunta é: Ao exercício do direito de voto no interesse imediato da Sociedade Gestora está a corresponder a adequada remuneração das EIC, únicos titulares dessas acções? Ou, por outras palavras – o uso, pelas Sociedades Gestoras, de direitos de voto que não lhe pertencem não deverá ser objecto de convenção e de pagamento (como são pagos, aliás, os empréstimos de valores mobiliários para operações de short selling ou, mesmo, os repos)?

v      Alguém, alguma vez, leu isto nos regulamentos das EIC nas quais foi convidado a participar?

Lisboa, Outubro 2007

A. Palhinha Machado

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D