Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Independência ou morte

 

                                                    Quadro Independência ou Morte mais conhecido com "O Grito do Ipiranga" (óleo sobre tela - 1888), do acervo do museu 

Óleo de Pedro Américo de Figueiredo e Melo (1843-1905)       

 

 

O brado de “Independência ou Morte” que nos separou de Portugal e tornou D. Pedro I o primeiro imperador do Brasil foi e ainda é actual.

 

Diversas são as formas de um povo ou nação se sobrepor às outras. Independência ou hegemonia pode ser conseguida de maneira consentida ou violenta, usando a força militar, cultural ou económica.

 

Com a globalização as pessoas tornaram-se mais ecuménicas, as novas gerações mais parecidas nos gostos e nos hábitos sociais. Compram de tudo e de todos os lugares nos grandes supermercados que nas grandes capitais são sempre muito parecidos e até mesmo iguais, quando fazem parte de redes internacionais.

 

A prática comercial que consiste em trocar, vender ou comprar produtos ou serviços, visando mercados e lucros, subentende relações sociais amistosas e respeitosas entre as partes, mas também predispõe à formação de grupos ou blocos financeiramente fortes que influenciam na economia dos povos.

 

Em recente viagem a uma das ilhas atlânticas (Flores), ainda no aeroporto soube que a minha bagagem havia-se extraviado. Precisando comprar alguma roupa, verifiquei com surpresa que, apesar de ser Domingo e do comércio estar fechado, havia lojas dos “Chinas” abertas e repletas de imensa variedade de produtos. Sabidamente mais competitivas, por apresentarem preços mais baratos (talvez por terem menor custo) e por abrirem todos os dias da semana, inclusive aos Domingos, numa comunidade pequena e tradicional que tem um comércio limitado, sujeito às regras social e culturalmente mais rígidas e restritivas, praticavam uma concorrência desleal.

 

Foi também com certo espanto, agora em outra região de Portugal Continental, que presenciei numa loja local de vinhos, os empregados atendendo a um grupo turístico, maioritariamente brasileiro, em língua estrangeira, só porque agora os donos do estabelecimento eram estrangeiros.

 

Nas casas do mundo globalizado, pode-se encontrar produtos e electrodomésticos japoneses, louça portuguesa, elementos decorativos italianos. Mesa de imbuia, brasileira, onde se encontra arroz com pequi, quibe, picanha, bacalhau e tabule. Mas quando se compra um Renault ou um Chevrolet, num país lusófono, espera-se ser atendido na concessionária por empregados locais que falem e escrevam português, que, por hábito ou costume regional, gostem mais de feijão com arroz e bife que de fast food, e que prefiram o futebol a basebol. É na língua, nos hábitos e valores culturais, no culto popular aos pequenos” heróis” do desporto, da música ou da TV, que hoje em dia se descobre a nacionalidade.

 

Investir num país é também se comprometer com o desenvolvimento social e respeitar a identidade cultural dele.  Subentende que há uma troca salutar de experiências e riquezas. Aos Governos cabe a preocupação de ter leis claras e efectivas que regulem a entrada estrangeira seja através de dinheiro, gente ou de aquisições para que não se perca o equilíbrio das forças económicas e sociais que garantam a independência nacional.

 

Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 22/10/07

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D